Tunísia aprovou lei histórica sobre a violência contra as mulheres

As tunisinas saíram à rua para comemorar um dia que fica marcado na história do país. Na Tunísia, foi aprovado por unanimidade na quinta-feira a revogação do artigo 227 do código penal que permitia ao violador de uma menor, por exemplo, casar-se com a vítima para evitar a prisão.

No Parlamento, houve aplausos e apupos. Nas ruas de Tunes, as tunisinas festejaram. Saíram à rua para comemorar o crime e castigo que passa agora a vigorar na lei do país contra toda a violência dirigida às mulheres.

Além disso, foi ainda revogado o artigo 227 do Código Penal que, para evitar a prisão, permitia ao violador casar-se com a vítima menor de idade. “No plano físico e psicológico, a mulher sente-se sempre culpada ao estar com um homem que não ama. A anulação desta lei é o que mais importa”, diz à AFP Noura, professora de caligrafia de 37 anos.

A partir de agora quem tiver relações sexuais com uma menor pode ser condenado de 16 a 20 anos de cadeia ou até mesmo a prisão perpétua, dependendo das características do crime.

O diploma também define multas para o assédio sexual, que podem ir até um valor máximo de cerca de 350 euros, sem esquecer o assédio verbal nos espaços públicos que é muito frequente na Tunísia.

A discriminação intencional nos salários das mulheres é outra das alterações que dá direito a multa a partir deste verão na Tunísia.

A nova lei define violência contra mulheres como qualquer agressão física, moral, sexual ou económica que se baseie na discriminação entre os dois sexos e resulte em danos ou sofrimentos físicos, sexuais, psicológicos ou económicos incluindo ameaças de agressão, pressão ou privação de direitos e liberdades na vida pública ou na privada.

Os legisladores seguiram o manual das Nações Unidas mas foram mais longe em algumas sanções e até introduziram novos crimes. 147 deputados e deputadas deram o sim à lei. Agora é preciso que o governo financie as instituições para que o diploma garanta proteção de verdade às mulheres da Tunísia.

Segundo o Público, para que o novo quadro legal possa ser aplicado, e numa tentativa de apostar na prevenção, a legislação votada pelos deputados inclui programas para treinar pessoal médico a detetar e prevenir violência doméstica, o mesmo acontecendo com os educadores.

Para além de conter um pacote de apoio – legal, psicológico e médico – para as vítimas, também permite às mulheres pedirem aos tribunais para imporem aos seus abusadores diferentes medidas sem precisarem de pedir o divórcio ou de os acusar de um crime. Entre outras consequências, o abusador pode ser obrigado a deixar a casa de família ou impedido de contactar a vítima.

“A nova lei tunisina dá às mulheres as medidas necessárias para procurarem protecção de actos de violência cometidos pelos seus maridos, familiares ou outros”, diz num comunicado Amna Guellali, directora da Human Rights Watch para a Tunísia.

 

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Vila Real vs FC Porto | Goleada com poker de Adrián

O FC Porto garantiu hoje a passagem à quarta eliminatória da Taça de Portugal de futebol, ao golear por 6-0 o Vila Real, num encontro marcado pelos quatro golos de Adrián López, que abriu e …

85% dos medicamentos estão em falta na Venezuela

A Federação Farmacêutica Venezuelana (Fefarven) informou hoje que estão em falta 85% dos medicamentos que se comercializam no país. A denúncia surgiu um dia depois de o Governo venezuelano estabelecer preços fixos para 56 medicamentos, durante …

Obrigar as crianças a beijar os avós é mesmo uma "violência"

O professor universitário Daniel Cardoso pôs o país a discutir se é ou não uma violência obrigar as crianças a beijar os avós. Uma posição que é defendida por inúmeros especialistas e que nem sequer …

Cidade da Maia testa passadeira 3D

O município da Maia está a testar a colocação de passadeiras 3D, cujo objetivo é criar uma ilusão de ótica que faz os condutores abrandar quando se aproximam, descreveu hoje a autarquia. Em causa está, de …

Portugal recebe em novembro cerca de 150 refugiados que estão no Egito

Portugal vai receber, em novembro, cerca de 150 refugiados que estão no Egito, primeiro grupo de mais de mil pessoas que vão ser reinstaladas em Portugal até 2019, disse hoje o ministro da Administração Interna. "Vamos …

Crianças até 2 anos são as que mais usam apps

Mais de metade das crianças com menos de 8 anos usa aplicações como entretenimento e as crianças que mais usam os dispositivos eletrónicos têm até 2 anos. Segundo o estudo "Happy Kids: Aplicações Seguras e Benéficas …

Abstenção galopante alastra-se à faixa dos 30-44 anos

A abstenção aumentou de forma galopante em Portugal, dos 8,1% em 1975 para os 44,2% nas legislativas de 2015, e a tendência está a alastrar das gerações mais jovens para a faixa dos 30 aos …

Descida da propina vai retirar bolsas a alunos carenciados. Medida "demagógica e perversa"

A descida do valor máximo da propina poderá significar o fim da bolsa para muitos alunos carenciados, alertou o reitor da Universidade Nova de Lisboa, que considera a medida ''demagógica e perversa''. Segundo a proposta de …

Hugo Abreu caiu da viatura e “não se mexeu mais”. Instrutor dos comandos viu e ignorou

Rodrigo Seco afirmou que, no decurso da Prova Zero, os dois instrutores desvalorizaram os sintomas de mal-estar, sinais de cansaço e ignoraram os vários pedidos dos instruendos para que pudessem beber água. Um dos instruendos do …

Nunes da Fonseca é o novo Chefe do Estado-Maior do Exército

O tenente-general José Nunes da Fonseca é o escolhido para suceder ao general Rovisco Duarte como Chefe do Estado-Maior do Exército. Rovisco Duarte demitiu-se no âmbito do caso do roubo de armas em Tancos. O nome …