A Mongólia tem a capital mais poluída do mundo. 99% das crianças respira ar tóxico

Einar Fredriksen / Flickr

Ulan Bator. A Mongólia tem a capital mais poluída do mundo

Na Mongólia, a poluição atingiu níveis apocalípticos e o problema está relacionado com as alterações climáticas. O país já aqueceu 2,2 graus, forçando milhares de pessoas a deixar o campo e o estilo de vida tradicional de pastoreio para se mudarem para cidades poluídas, onde 90% das crianças respiram ar tóxico.

A vida dos pastores nómadas está a tornar-se cada vez mais difícil na Mongólia, devido às constantes alterações climáticas que têm vindo a ocorrer nos últimos anos. Depois de dois verões secos, seguiram-se dois invernos extremamente frios, indica um artigo da BBC News, divulgado na segunda-feira.

Os animais, fracos devido à falta de comida durante o verão, não sobreviveram ao inverno.

Já este ano, o clima foi completamente diferente: enquanto o verão foi húmido e chuvoso, o inverno foi extremamente seco. E é precisamente durante o inverno que o prado fica coberto de neve, o que protege a relva. Mas agora os pastores temem que não haja relva para a primavera, já que os animais comem tudo o que encontram.

No seu artigo, a BBC News expõe o caso de Erkhembayar e do seu irmão, que deveriam ser os próximos da família a tornarem-se pastores nómadas. No entanto, apesar do seu claro domínio no tratamento de animais, podem nunca ter essa oportunidade, visto que é “cada vez mais difícil viver no campo em Mongólia”.

Segundo o pai dos rapazes, Eredenkhu Buyandelger, esta foi a primeira vez que viu um inverno sem neve, enquanto a sua esposa, Chaminmunkh Batsaikhan, acredita que a primavera também será muito difícil. “Muitos de nossos animais provavelmente morrerão”.

Embora este ano não exista neve, no ano passado, a grande quantidade de chuva que se fez sentir matou a maior parte do rebanho da família, que perdeu todos os seus 20 cavalos e mais de 30 ovelhas.

“Se houver outra temporada terrível, todo o nosso rebanho desaparecerá”, indicou Chaminmunkh Batsaikhan. “O nosso estilo de vida pode não sobreviver”, referiu, acrescentando que não quer que os filhos “se tornem pastores nessas condições”.

Na capital Ulan Bator, onde vive a metade da população da Mongólia, os monitores de poluição que medem o PM2.5 – pequenas partículas que podem entrar nos pulmões – marcam 999, o valor mais alto que pode alcançar. De acordo com a BBC News, um nível seguro de contaminação está abaixo de 25.

A maioria dos habitantes da cidade queima carvão bruto no inverno, uma vez que é a maneira mais barata de aquecer quando a temperatura chega a 25 graus negativos. Contudo, o nevoeiro resultante dessa queima está a sufocar a cidade e a prejudicar as crianças, lê-se no artigo.

É o caso de Ireedni, de 5 meses, que já foi hospitalizado seis vezes. A sua mãe, Sugarjargal Lkhagvabat, explicou que quando o bebé cheira a fumaça causado pela queima do carvão bruto começa a ter dificuldade em respirar e parte do seu rosto fica azul.

“Eu fui exposta à poluição do ar desde o início da minha gravidez. Acho que é por isso que meu bebé nasceu com problemas de tiróide e bronquite crónica”, contou.

No hospital, os médicos recebem todos os dias crianças com dificuldade em respirar. Para o médica Ganchuluun Zundui, isso deve-se à poluição. “No inverno passado, vimos mais de 270 crianças por dia. Este ano, mais de 300. Quase todas pessoas têm problemas respiratórios”, declarou.

“Eu também sou mãe, então o meu coração parte quando vejo essas criancinhas a entrar e a sair do hospital continuamente”. O seu grande medo é que a exposição ao ar tóxico a longo prazo possa levar a uma epidemia de cancro do pulmão.

Embora o governo não faça muito para evitar a poluição em Ulan Bator, a cidade tem um plano para proibir o carvão bruto e forçar as pessoas a usar carvão limpo e processado. A questão é que este último é muito mais caro e grande parte dos habitantes não pode pagar, revela a BBC News.

Porém, nem tudo é mau: uma ‘startup’ está a trabalhar para tornar os filtros de ar – muito caros para os cidadãos comuns – mais acessíveis. Não obstante o seu valor, essas iniciativas, só si só, não podem fazer muito.

“Há também um problema de educação: muitos mongóis não sabem o quão prejudicial é o ar poluído”, explicou Sarangoo Dambajav, referido no artigo.

Se os governos mundiais não tomarem medidas reais para lutar contra as alterações climáticas, “este tipo de poluição pode tornar-se a nossa nova realidade”, acrescenta a BBC News.

TP, ZAP //

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

    • Vão não. Vamos! Pois se você tem telefone ou qualquer aparelho eletrônico ou mecânico, enfim, todos nós colaboramos para isto. O planeta não suporta a superpopulação. Pense nisto.

RESPONDER

Há uma forma de reduzir erros na computação quântica (e já sabemos qual é)

Na computação quântica, assim como no trabalho em equipa, um pouco de diversidade pode ajudar a melhorar o resultado. Esta pode mesmo ser a chave para pôr fim aos erros na computação quântica. Ao contrário dos …

Coimbrões 0-5 FC Porto | Dragões goleiam e seguem em frente na Taça

O FC Porto venceu hoje o Coimbrões, por 5-0, em jogo da terceira eliminatória da Taça de Portugal que os «dragões» resolveram com três golos nos 12 minutos iniciais. Aproveitando a inexperiência e nervosismo da formação …

Produção de filmes em Hollywood é um inimigo silencioso do ambiente

Hollywood é casa para a maioria dos grandes filmes produzidos que estreiam nas salas de cinema espalhadas por todo o mundo. Contudo, consegue ser bastante prejudicial para o meio ambiente e, mais do que nunca, …

O escorbuto era uma doença comum entre piratas, mas pode estar de regresso

O número de casos de escorbuto no Reino Unido mais do que duplicou nos últimos anos. A desnutrição é um dos principais responsáveis pelo regresso desta doença. O escorbuto está em ascensão no Reino Unido e …

Dois veleiros robotizados vão medir alterações climáticas no Atlântico

Dois veleiros de navegação robotizada vão medir, durante os próximos quatro meses, a pegada das mudanças climáticas no oceano Atlântico e irão passar pela Madeira e Cabo Verde. A Plataforma Oceânica das Canárias (PLOCAN) libertou esta …

A educação científica está sob ataque legislativo nos Estados Unidos

São inúmeros os professores de ciências que trabalham diariamente nas escolas públicas dos Estados Unidos para garantir que os alunos estão equipados com o conhecimento teórico e prático necessário para enfrentar o futuro. No entanto, …

João Félix saiu lesionado com gravidade no jogo contra o Valência

João Félix, avançado português do Atlético de Madrid, saiu este sábado lesionado com "forte torção no tornozelo direito", ao minuto 78 do jogo contra o Valência, da nona jornada da Liga espanhola de futebol, disputado …

As traças ficaram mais escuras por causa da Revolução Industrial? Cientistas já sabem a resposta

No virar do século XIX, na Grã-Bretanha, traças de todo o país começaram a ficar gradualmente mais escuras em resposta à forte poluição provocada pela Revolução Industrial. A Revolução Industrial foi um período de grandes transformações …

Mais de mil médicos foram alvo de processos disciplinares. 45 foram condenados, nenhum foi expulso

Mais de 1.070 processos disciplinares a médicos foram abertos no ano passado pelos conselhos disciplinares da Ordem, tendo sido condenados 45, segundo dados este sábado divulgados. Segundo os dados da Ordem dos Médicos, os conselhos disciplinares …

Publicar no Instagram rende mais a Ronaldo do que jogar na Juve

As publicações pagas no Instagram rendem mais a Cristiano Ronaldo do que jogar na Juventus, revela um estudo do Buzz Bingo. O internacional português foi a personalidade mais bem paga neste rede social em 2018. De …