/

Meteorito colorido está a suscitar dúvidas sobre a origem da vida

1

Laurence Garvie / Center for Meteorite Studies / Arizona State University

Em abril de 2019, um meteoro colorido atingiu a Costa Rica. A rocha, que está a ser analisada por cientistas, destaca-se por pertencer a uma classe rara de condritos carbonáceos, e por conter uma possível presença de aminoácidos essenciais à construção da vida.

O meteoro que atingiu a Terra partiu-se mesmo antes de chegar ao solo. Os fragmentos acabaram por se espalhar nas aldeias de La Palmera e Aguas Zarcas, na Costa Rica. Para homenagear o local, foram batizados com o nome da aldeia: Aguas Zarcas.

Segundo a Space.com, embora haja meteoritos a colidir com a Terra um pouco por todo o lado, estes fragmentos parecem ser especiais. É que o asteroide que os gerou era um fragmento remanescente do início do sistema solar.

O meteorito pertence a uma classe rara chamada condritos carbonáceos, originados nas primeiras horas de vida do Sistema Solar. Este tipo de rocha espacial contém compostos de carbono complexos, que podem incluir aminoácidos – capazes de se unir para formar proteínas e ADN – e talvez outros elementos de construção da vida.

Enquanto outros pedaços rochosos do sistema solar acabam por se tornar partes de planetas, este permaneceu intacto. O meteorito apenas se alterou com o tempo, através de reações químicas impulsionadas pela luz solar. Estas mudanças estimularam a criação de compostos químicos cada vez mais complexos.

Em 1969, na Austrália, explodiu o meteoro Murchison, que apresenta características semelhantes. Num artigo para a Science, Joshua Sokol revela que a análise aos elementos químicos que compõe este tipo de meteoritos, pode ter ajudado a formar a ideia de que a vida teve origem no espaço. Tal como o meteorito Murchison, este fragmento de Aguas Zarcas contém poeira da antiga Via Láctea, antes do Sol se formar.

O jornalista explica que os estudos deste novo meteorito ainda estão incompletos. Contudo os investigadores estão entusiasmados com a possibilidade de o examinar através de técnicas mais modernas. A expectativa é encontrar, além dos aminoácidos, proteínas – o que seria um passo importante para entender como a vida surgiu.

Os fragmentos do novo meteoro podem oferecer as amostras mais puras do início do sistema solar e da nuvem de poeira pré-solar. “Esses restos de asteroides deverão ser realmente puros, pois podem nunca ter tocado na atmosfera ou ter-se instalado no solo”, escreveu Sokol.

Sokol espera que no futuro outras amostras originais possam ficar disponíveis para análise. A sonda japonesa Hayabusa2 – lançada em 2014 – tem o objetivo de analisar o asteroide Ryugu, uma amostra que pode conter condrito carbonáceo.

Também em 2023, a NASA irá retomar a análise das suas próprias amostras de um asteroide semelhante – o Bennu – que Sokol acredita estar relacionado com Aguas Zarcas.

Mas por enquanto, este fragmento é a melhor fonte disponível para análise.

  ZAP //

1 Comment

  1. Pasmem os homens e mulheres com a obra do Criador!
    Tanto mistério por desvendar! Tanta coisa que o homem não pode entender nem imitar!
    E pensar que há homens e mulheres, que defendem a ideia de que não há uma inteligência que nos seja superior!
    De tantos animais viventes, o homem é de fato o que mais capacidades tem, porém, para além deste grau de inteligência, não haver uma inteligência que nos supere? O CRIADOR de todas as coisas! A inteligência chegou ao homem/mulher e parou? Não há mais inteligência para além de nós? Não há nenhum ser que nos seja superior!
    É muita pretensão, muita soberba!

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE