O mau humor é contagiante (pelo menos entre os corvos)

Uma recente investigação sugere que os corvos partilham as emoções negativas dos seus pares. Já as positivas, nem por isso.

Os corvos são muito inteligentes e bons a resolver problemas. Contudo, este novo estudo sugere algo mais sobre o comportamento destas aves: a forma de agir dos corvos sugere que são capazes de sentir empatia.

Thomas Bugnyar, investigador da Universidade de Viena, na Áustria, liderou uma equipa de cientistas que se propôs a avaliar um dos pilares da empatia nestes animais: a capacidade de partilhar emoções. Como resume o investigador, citado pela Visão, para sentir pelos outros, é preciso sentir como os outros.

Se avaliar emoções numa ave não é fácil, muito mais difícil é avaliar de que forma as emoções de um influenciam as de outro, uma vez que qualquer pista comportamental nesse sentido pode tratar-se apenas de um fenómeno de imitação.

Mas os resultados deixaram poucas dúvidas. Na experiência realizada por esta equipa, quando os corvos observaram as reações dos outros a uma comida de que não tinham gostado, o interesse na sua própria comida diminuiu.

As aves demonstraram este comportamento sem ter qualquer contacto visual com os alimentos que tinham causado desagrado nos seus pares, pelo que não se tratou de uma reação à comida, mas sim de uma capacidade de perceber e partilhar as emoções negativas.

No início da experiência, os cientistas decidiram avaliar como os pássaros reagiram a estímulos neutros, com um teste cognitivo usado para estudar vários animais. “Perguntar como avaliam um copo – se meio cheio ou meio vazio”, explica o líder da equipa.

Oito corvos, testados aos pares, puderam escolher entre uma caixa com um snack de queijo e outra caixa vazia. Uma vez aprendida a localização de cada opção, foi-lhes apresentada uma terceira caixa, colocada num novo local. A forma como cada ave reagia à caixa nova foi interpretada como pessimismo ou otimismo – ou seja, se encaravam a terceira caixa com desconfiança, ou se a viam como uma coisa boa.

De seguida, a um dos elementos do par foi foram mostradas cenouras cruas e comida seca para cão, antes de um destes alimentos desaparecer da sua vista. Os animais que ficavam com as cenouras davam sinais de insatisfação com a opção, chegando a ignorá-la. Sem ver a comida nem o investigador, o outro elemento do par observava a reação do parceiro.

Submetidos uma segunda vez ao emsmo teste, os corvos que tinham observado a alegria do seu par mantiveram o mesmo nível de interesse; mas os que tinham visto o parceiro reagir negativamente, demoraram o dobro do tempo a tomar a decisão de se aproximar da terceira caixa incerta.

Segundo os investigadores, esta quebra de interesse justifica-se pela influência do desapontamento do seu par. Repetida quatro vezes, a experiência reforçou a teoria de que as respostas negativas parecem ser contagiantes, mas as positivas não.

Neste aspeto, os investigadores sublinham que as emoções negativas são mais facilmente provocadas e observadas.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Criada para prevenir a guerra, a ONU enfrenta um mundo profundamente polarizado

Criada após a Segunda Guerra Mundial para evitar novos conflitos, a Organização das Nações Unidas (ONU) comemora esta segunda-feira o 75.º aniversário, num mundo polarizado que enfrenta uma pandemia, conflitos regionais, uma economia em declínio …

Mulher cai de carro em movimento enquanto grava vídeo para o Snapchat

Uma mulher, que ocupava o lugar do passageiro de um carro em movimento, caiu numa auto-estrada enquanto filmava um vídeo para a rede social Snapchat, no Reino Unido. Segundo a CNN, a mulher estava pendurada na …

Nos Estados Unidos, a venda de discos em vinil ultrapassou a de CD pela primeira vez desde 1986

Pela primeira vez desde 1986, as vendas de discos de vinil ultrapassaram as vendas de CD nos Estados Unidos em 2020. Os números foram apresentados na semana passada pela Associação Americana da Indústria de Gravação, …

Mourinho espera ganhar sem jogar

Tottenham iria defrontar o Leyton Orient mas também no Reino Unido há jogos de futebol em causa por causa do coronavírus. O encontro entre Leyton Orient e Tottenham, relativo à terceira eliminatória da Taça da Liga …

A máfia italiana tem uma nova arma de recrutamento: o TikTok

Os jovens membros da Camorra, organização criminosa aliada à máfia siciliana, estão a recorrer ao TikTok para divulgar o seu estilo de vida e recrutar novos membros. Em maio, um vídeo foi publicado no TikTok que …

Os três segredos para ter um bom sistema imunológico são gratuitos, avisa Fauci

Manter o sistema imunológico saudável é um dos fatores-chave para lidar com a covid-19, o que não implica necessariamente a toma de suplementos vitamínicos. Há uns tempos, quando confrontado com o facto de a atriz Jennifer …

Pinguim encontrado morto no Brasil com uma máscara inteira no estômago

Um espécime de pinguim-de-Magalhães (Spheniscus magellanicus) foi encontrado morto numa popular praia brasileira e a autópsia ao corpo revelou que o animal tinha no seu estômago uma máscara de proteção facial N95. O animal foi …

Trump quer restabelecer sanções ao Irão. ONU rejeita apoiar posição norte-americana

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, disse que somente apoiará a restituição de sanções ao Irão, exigidas pelos Estados Unidos (EUA), se receber luz verde do Conselho de Segurança. Numa carta dirigida …

Designer holandês desenvolve "caixão vivo" feito com fibras de fungos

Um corpo humano pode demorar cerca de uma década a decompor-se dentro de um caixão. Com o Living Cocoon, o tempo é reduzido para dois ou três anos. Bob Hendrikx, biodesigner fundador da Loop, desenvolveu e …

Relógio em Nova Iorque mostra o tempo restante para reverter efeitos do aquecimento global

O Metronome, icónico relógio digital de Nova Iorque, deixou de mostrar o tempo do dia-a-dia e mostra agora o tempo restante que o nosso planeta tem para reverter os efeitos do aquecimento global. O relógio digital …