Marie Curie: as anotações da cientista terão de continuar em caixas de chumbo por mais de mil anos

5

unattributed / Wikimedia

Marie Curie no seu laboratório, em Paris

Nas caves da Biblioteca Nacional de França, mantidos em caixas especiais com várias camadas de chumbo, encontram-se alguns dos documentos mais importantes da história da ciência — os cadernos de anotações de Marie Curie.

Para poder consultá-los, os investigadores precisam de vestir roupas de proteção e devem assinar uma declaração de consentimento em que eximem a instituição de qualquer responsabilidade.

São provavelmente os documentos mais bem guardados da biblioteca, que abriga alguns dos livros mais raros e antigos do mundo.

Mas o cuidado (e receio) com que são mantidos vai além do seu valor para o conhecimento: os documentos são altamente radioativos.

Marie Curie — a única mulher que recebeu o prémio Nobel duas vezes (em 1903, de Física, e 1911, de Química) — descobriu juntamente com o seu marido, Pierre, não só novos elementos químicos, como também os princípios da Física atómica e a radioatividade.

E, tal como todos os objetos que estiveram próximos do casal, os cadernos da cientista podem ser altamente perigosos para o ser humano.

Apesar de terem descoberto o rádio e o polónio — assim chamado em homenagem à Polónia, país onde Marie Curie nasceu—, os dois cientistas nunca imaginaram os efeitos nocivos que a radioatividade poderia ter sobre o nosso organismo.

Marie Curie morreu em 1934, aos 67 anos, de uma anemia aplásica, um tipo raro de anemia que terá sido resultante de sua frequente exposição ao rádio e ao polónio, cujas amostras Curie costumava carregar no seu bolso.

Dessa forma, qualquer objeto que lhe tenha pertencido deve ser guardado com precauções extra e em caixas de chumbo. O mesmo acontece com o próprio corpo da cientista, que foi a primeira mulher a ser sepultada no Panteão de Paris.

Quando foi transportado até ao local, foi preciso construir um sarcófago de chumbo com mais de 2 centímetros de espessura para evitar que os átomos radioativos que ainda saem do corpo de Curie escapassem.

Os cientistas acreditam que o seu corpo será mantido nestas condições, tal como os cadernos de anotações, por pelo menos 1,5 mil anos, que corresponde ao tempo médio de desintegração dos átomos de rádio.

Casa radioativa

No sul de Paris, na comunidade de Arcueil, existe um edifício de três andares protegido por um muro coberto de arame farpado, cuja entrada está proibida.

A casa na Rue de la Convention, conhecida como “Chernobyl do Sena”, foi o último laboratório onde trabalhou Marie Curie — e outro local onde as experiências da cientista deixaram altos níveis de radiação.

Em homenagem à cientista, o laboratório continuou a ser utilizado como sede do Instituto de Física Nuclear da Faculdade de Ciências de Paris, sem que se soubesse que a radioatividade era demasiadamente alta para a presença de humanos.

No final da sua vida, Marie Curie trabalhou nesse local, sem proteção, com alguns dos metais radioativos mais perigosos, de tório e urânio até polónio. De acordo com o que escreveu na sua autobiografia, um dos seus prazeres durante a noite era ver os clarões azul-esverdeados que escapavam dos metais “como ténues luzes de fadas”.

Ao manusear os metais radioativos, a cientista escrevia e desenhava nos seus cadernos, que foram ficando impregnados com os átomos de tudo aquilo em que Curie tocava.

Somente anos depois de sua morte, a maioria dos países proibiu o uso comercial desses metais.

No entanto, o laboratório foi interditado apenas na década de 1980, depois de muitos vizinhos, segundo relatos da época, denunciarem um aumento do número de casos de cancro na comunidade.

Numa das inspeções realizadas no local, foram encontrados sinais não apenas de rádio, mas também de um isótopo de urânio com uma vida média de 4,5 mil milhões de anos.

Foi então tomada a decisão de transferir os pertences de Curie, inclusive os seus cadernos, considerados património nacional da França, para um lugar seguro na Biblioteca Nacional.

Na década de 1990, o laboratório recebeu uma profunda limpeza, mas as autoridades francesas ainda proíbem a entrada no local e continuam a controlar periodicamente os níveis de radiação nos seus arredores, incluindo no rio Sena.

Enquanto isso, os cadernos continuarão, por pelo menos um milénio e meio, dentro das caixas de chumbo, à espera que os humanos de algum futuro longínquo possam voltar a tocar, sem vestir trajes especiais, no testemunho feito a mão de umas das mulheres mais brilhantes da história.

  ZAP // BBC

5 Comments

  1. 67 anos e a mexer em radioativade tantos anos, será mesmo assim tão perigoso?! Quem dera a mts chegar aos 67 anos e logo em 1900!..
    Algo não bate mt certo!

    • Algo não bate certo?! Então diz me o que não?

      É que a minha bisavó nasceu em 1907 e viveu uma vida plena e saudável até 1997 quando faleceu com 90 anos.

      Acredito não fosse o ter sido atropelada e ter ficado mal uns meses teria vivido mais uns 10 à vontade

      • Daqui a pouco dizes que a esperança média da idade são os 90 anos para quem nasceu em 1900.
        Continuo a achar que teve uma vida longa, para quem vivia com amostras Radioactivas nos bolsos ! ☢️☢️☢️☢️☣️

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.