Mais de mil atletas russos envolvidos em escândalo de doping entre 2011 e 2015

Lim CK / Flickr

As russas Evgeniya Polyakova, Aleksandra Fedoriva, Yulia Gushchina e Yuliya Chermoshanskaya nos Jogos Olímpicos de Pequim, em 2008

O investigador canadiano Richard McLaren anunciou esta sexta-feira que encontrou “fortes provas de doping institucionalizado” na Rússia, que envolveram mais de mil atletas russos de 30 modalidades, no período compreendido entre 2011 e 2015.

Durante a apresentação do relatório final, em Londres, McLaren denunciou que o sistema generalizado de distribuição de doping na Rússia, com conhecimento e apoio estatal, abrangeu, entre outros eventos, os Jogos Olímpicos de Londres 2012 e Socchi 2014 (Inverno).

“Esta conspiração que visava a manipulação dos controlos antidoping contava com a participação do ministro dos Desportos e de serviços como a Agência Russa de Antidopagem [Rusada], o laboratório antidoping de Moscovo e dos serviços secretos”, indicou o professor de direito canadiano designado pela Agência Mundial Antidoping para investigar as suspeitas de uma rede de doping que controlava o desporto na Rússia.

“Os atletas não agiam individualmente, mas dentro de uma estrutura organizada, numa conspiração a uma escala sem precedentes desde 2011”, defende o Relatório McLaren.

A primeira versão do relatório, divulgada em julho, circunscrevia-se à análise da situação do doping na Rússia relativamente à participação em Socchi 2014, mas as conclusões finais indicam que a fraude desportiva se estendeu a outras grandes competições internacionais.

“A manipulação sistemática dos resultados dos testes antidoping foi evoluindo e tornando-se cada vez mais aperfeiçoada, abrangendo também os Jogos Olímpicos de Londres, em 2012, as Universíadas, os Mundiais de atletismo, em Moscovo, ambos em 2013”, indica o relatório.

As conclusões da investigação apontam para que mais de mil atletas russos de várias modalidades, referentes a desportos de verão, de inverno e paralímpicos, tenham beneficiado da manipulação dos controlos antidoping para evitar que estes se revelassem positivos.

“Durante anos, várias competições desportivas internacionais foram sequestradas pelos russos. Treinadores e atletas tiveram de competir de forma desigual e desleal. Adeptos e espetadores foram enganados”, acusou.

O próprio ex-ministro dos Desportos da Rússia, Vitaly Mutko, teve “participação ativa” neste sistema, que teve a assistência dos serviços secretos nos laboratórios antidopagem de Moscovo e Socchi.

De acordo com McLaren, em alguns casos, “foram adicionados sal e café às amostras de urina”, num processo dirigido pelo ex-diretor do laboratório de Moscovo, Grigory Rodchenkov, com o objetivo de falsificar os resultados.

Segundo o investigador canadiano, a estratégia estatal visava a obtenção de resultados de excelência, em especial em Socchi, pois a utilização de doping “proporcionaria aos melhores atletas da Rússia, país anfitrião dos Jogos, maiores possibilidades de conquistar medalhas”.

A primeira versão do relatório, que as autoridades da Rússia – que conquistou 24 medalhas de ouro, 26 de prata e 32 de bronze em Londres 2012 – sempre alegaram estar incompleto e conter imprecisões, levou à exclusão de mais de 100 atletas dos Jogos Olímpicos Rio 2016.

ZAP / Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Há cada vez mais cidades chinesas com cortes de energia — e isso poderá ter consequências globais

Embora o problema já se tenha começado a sentir em julho, na última semana deixou de atingir apenas as zonas industriais para se estender aos bairros residenciais. População foi desaconselhada a não usar dispositivos com …

Barack Obama: "Taxem os ricos, como eu," para financiar proposta de Biden

Apelo está relacionado com a aprovação de um grande plano legislativo proposto por Joe Biden e que deverá ser negociado nas duas câmaras do Congresso norte-americano ao longo das próximas semanas. Numa semana decisiva da governação …

As origens dos antigos Etruscos foram finalmente reveladas

Vestígios de ADN encerraram, finalmente, o debate sobre a origem dos Etruscos,  uma antiga civilização cujos restos mortais foram encontrados em Itália. De acordo com quase dois mil anos de dados genómicos, recolhidos de 12 locais …

Rússia acusa Navalny e aliados de extremismo em novo processo

A Rússia intensificou a campanha contra o opositor do governo Alexei Navalny, abrindo esta terça-feira um novo processo judicial, que poderá levá-lo a cumprir uma pena de prisão de mais uma década. Navalny cumpre dois anos …

Governo demite Chefe do Estado-Maior da Armada. Gouveia e Melo provável sucessor

O ministro da Defesa Nacional, João Gomes Cravinho, vai propor ao Presidente da República a demissão do Chefe do Estado-Maior da Armada, confirmaram hoje à Lusa fontes ligadas à Defesa. O Governo propôs ao Presidente da …

Borussia Dortmund 1-0 Sporting | Um Mal(en) que veio só… e foi suficiente

O “bicho papão Haaland não jogou, mas nem assim os “leões” conseguiram contrariar o maior poderio germânico. O Sporting saiu de Dortmund com uma derrota, apesar da excelente réplica no Signal Iduna Park, e muito por …

FC Porto 1-5 Liverpool | Dragão atropelado em casa

O Liverpool é uma espécie de “besta” em tons de “red” para o FC Porto. Em nove jogos oficiais, os “azuis-e-brancos” nunca venceram, somando 3 empates e 6 derrotas, a mais recente foi pesadíssima e …

China desenvolve arma invisível capaz de destruir redes de comunicação em dez segundos

Uma equipa de cientistas chineses está a desenvolver uma arma sónica, que gera um intenso pulso eletromagnético, capaz de destruir redes de comunicação e de fornecimento de energia elétrica. A arma poderá ter um alcance …

Dezenas de mulheres abusadas por funcionários da OMS na República Democrática do Congo

Dezenas de mulheres e meninas foram abusadas sexualmente por voluntários da Organização Mundial de Saúde (OMS) destacados para enfrentar o Ébola na República Democrática do Congo (RDC), entre 2018 e 2020, concluiu um inquérito independente …

Evolução de parasita está a tornar mais difícil detetar e tratar a malária

Uma mutação do parasita que causa a malária está a "camuflar" as proteínas que são identificadas nos testes rápidos, tornando mais difícil detetar e tratar a doença. De forma semelhante aos testes à covid-19, baratos e …