Mais de mil atletas russos envolvidos em escândalo de doping entre 2011 e 2015

Lim CK / Flickr

As russas Evgeniya Polyakova, Aleksandra Fedoriva, Yulia Gushchina e Yuliya Chermoshanskaya nos Jogos Olímpicos de Pequim, em 2008

O investigador canadiano Richard McLaren anunciou esta sexta-feira que encontrou “fortes provas de doping institucionalizado” na Rússia, que envolveram mais de mil atletas russos de 30 modalidades, no período compreendido entre 2011 e 2015.

Durante a apresentação do relatório final, em Londres, McLaren denunciou que o sistema generalizado de distribuição de doping na Rússia, com conhecimento e apoio estatal, abrangeu, entre outros eventos, os Jogos Olímpicos de Londres 2012 e Socchi 2014 (Inverno).

“Esta conspiração que visava a manipulação dos controlos antidoping contava com a participação do ministro dos Desportos e de serviços como a Agência Russa de Antidopagem [Rusada], o laboratório antidoping de Moscovo e dos serviços secretos”, indicou o professor de direito canadiano designado pela Agência Mundial Antidoping para investigar as suspeitas de uma rede de doping que controlava o desporto na Rússia.

“Os atletas não agiam individualmente, mas dentro de uma estrutura organizada, numa conspiração a uma escala sem precedentes desde 2011”, defende o Relatório McLaren.

A primeira versão do relatório, divulgada em julho, circunscrevia-se à análise da situação do doping na Rússia relativamente à participação em Socchi 2014, mas as conclusões finais indicam que a fraude desportiva se estendeu a outras grandes competições internacionais.

“A manipulação sistemática dos resultados dos testes antidoping foi evoluindo e tornando-se cada vez mais aperfeiçoada, abrangendo também os Jogos Olímpicos de Londres, em 2012, as Universíadas, os Mundiais de atletismo, em Moscovo, ambos em 2013”, indica o relatório.

As conclusões da investigação apontam para que mais de mil atletas russos de várias modalidades, referentes a desportos de verão, de inverno e paralímpicos, tenham beneficiado da manipulação dos controlos antidoping para evitar que estes se revelassem positivos.

“Durante anos, várias competições desportivas internacionais foram sequestradas pelos russos. Treinadores e atletas tiveram de competir de forma desigual e desleal. Adeptos e espetadores foram enganados”, acusou.

O próprio ex-ministro dos Desportos da Rússia, Vitaly Mutko, teve “participação ativa” neste sistema, que teve a assistência dos serviços secretos nos laboratórios antidopagem de Moscovo e Socchi.

De acordo com McLaren, em alguns casos, “foram adicionados sal e café às amostras de urina”, num processo dirigido pelo ex-diretor do laboratório de Moscovo, Grigory Rodchenkov, com o objetivo de falsificar os resultados.

Segundo o investigador canadiano, a estratégia estatal visava a obtenção de resultados de excelência, em especial em Socchi, pois a utilização de doping “proporcionaria aos melhores atletas da Rússia, país anfitrião dos Jogos, maiores possibilidades de conquistar medalhas”.

A primeira versão do relatório, que as autoridades da Rússia – que conquistou 24 medalhas de ouro, 26 de prata e 32 de bronze em Londres 2012 – sempre alegaram estar incompleto e conter imprecisões, levou à exclusão de mais de 100 atletas dos Jogos Olímpicos Rio 2016.

ZAP / Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

"Retoma da normalidade". Bruxelas propõe este mês livre-trânsito digital para vacinados e recuperados

A Comissão Europeia vai apresentar este mês uma proposta legislativa para criar um livre-trânsito digital que permita retomar as viagens em altura de pandemia de covid-19, comprovando a vacinação ou a recuperação dos cidadãos. A informação …

Noiva de Khashoggi pede "punição imediata" de Mohammed bin Salman

As declarações da noiva de Jamal Khashoggi surgem depois de as autoridades norte-americanas terem publicado um relatório em que Mohammed bin Salman é acusado de ter ordenado o assassínio do jornalista. Joe Biden está a ser …

Covax permite que países mais pobres comecem a receber a vacina (mas só garante 20% da vacinação)

A Covax visa fornecer vacinas contra a covid-19 a 20% da população de 200 países e territórios que estão incluídos no sistema através de um sistema de financiamento que permite a 92 economias de baixo …

Reino Unido vacinou 20 milhões com 1.ª dose. País deteta casos de variante de Manaus

O ministro da Saúde britânico, Matt Hancock, anunciou no domingo que mais de 20 milhões de pessoas no Reino Unido já receberam a primeira dose da vacina contra covid-19. "Estou absolutamente encantado por informar que mais …

Famílias numerosas já podem pedir desconto no IVA da luz

As famílias com cinco ou mais elementos podem pedir a redução do IVA da eletricidade ao seu fornecedor a partir desta segunda-feira e têm de comprovar a sua condição de família numerosa. Em causa está a …

Netflix foi a grande vencedora da noite dos Globos de Ouro

  A 78.ª edição dos Globos de Ouro decorreu de forma virtual, com apresentação de Tina Fey e Amy Poehler e a participação de alguns dos laureados do ano passado. Os Globos de Ouro, prémios de cinema …

Portugal regista mais 34 óbitos e 394 novos casos. O menor número desde setembro

Portugal registou esta segunda-feira 394 novos casos de infeção por covid-19 e mais 34 mortes, segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde. De acordo com o boletim epidemiológico divulgado pela Direção-Geral da Saúde (DGS), nas …

Nicolas Sarkozy condenado a três anos de prisão por corrupção

Nicolas Sarkozy foi esta segunda-feira condenado a três anos de prisão por corrupção e tráfico de influências, tornando-se o segundo chefe de Estado condenado em França, após Jacques Chirac em 2011. O ex-Presidente francês foi condenado …

Câmara de Lisboa oferece viagem de táxi a idosos que vão tomar a vacina

Os residentes em Lisboa com mais de 80 anos ou 50 anos e patologias associadas podem deslocar-se gratuitamente de táxi para tomar a vacina contra a covid-19. Os custos da viagem são assumidos pela autarquia …

Liquidez é "abundante" mas "é preciso fazê-la chegar" à economia, diz Centeno

O governador do Banco de Portugal, Mário Centeno, indicou que a crise de 2008 e de 2020 não são comparáveis devido à abundância de dinheiro disponível e que há liquidez para travar o impacto económico, mas …