Lidl despede funcionário por trabalhar horas a mais

Mikey / Flickr

O gerente, que já levou o caso a tribunal a exigir a sua readmissão, chegava à loja, por vezes com uma hora de antecedência, para “preparar a loja antes da abertura” (mas sem picar o ponto).

Segundo o El País, Jean P., gerente de uma loja da cadeia de supermercados alemã Lidl, em Barcelona, foi despedido por trabalhar horas a mais. A empresa descobriu que o funcionário começava a trabalhar antes do tempo, sendo que, por vezes, chegava à loja com uma hora de antecedência.

De acordo com a carta de despedimento, citada pelo jornal espanhol, o funcionário gostava de chegar antes do tempo para “preparar a loja antes da sua abertura ao público” mas sem picar o ponto. “Realizava pedidos, mudava preços ou repunha paletes inteiras de artigos”.

O Lidl decidiu despedir Jean por “incumprimentos laborais muito graves”, depois de uma investigação que levou a multinacional alemã a consultar as câmaras de videovigilância do supermercado.

Durante uns dias, a empresa observou como o gerente chegava à loja às cinco da manhã e passava um bom tempo – “entre 49 e 87 minutos” – a trabalhar sem picar o ponto.

Desta forma, Jean violou a regra segundo a qual “cada minuto que se trabalha é pago e cada minuto que se trabalha deve ficar registado”, lê-se na carta de despedimento. Além disso, a empresa acrescenta que recebeu “queixas” de outros empregados, a quem o gerente convidada a fazer o mesmo.

Jean, que trabalhava no Lidl desde 2005, considera que o seu despedimento é “impróprio” e já colocou a empresa em tribunal para ser readmitido. O homem alega que nunca obrigou nenhum empregado a acompanhá-lo e que a empresa, em nenhum momento, lhe disse que não podia entrar “um pouco antes para preparar a loja e poder preparar eficazmente a abertura”.

O seu advogado, Juan Guerra, argumenta ainda que se Jean quebrou os procedimentos não foi “precisamente” em seu proveito mas sim “em benefício da empresa”. “Curiosamente, está a ser sancionado, o que desde logo não é usual, por trabalhar demasiado e esforçar-se para que a loja funcione corretamente”, lamenta.

Jean vai mais além e denuncia ainda a “hipocrisia” da empresa que o submetia a “pressões para conseguir as vendas que a direção esperava”, sobretudo numa altura em que a loja estava a passar por uma fase de reestruturação.

“Os chefes sabiam e eram conscientes” de que essas mudanças “exigiam tempo e dedicação” pelo que, para cumprir os objetivos, era necessário “trabalhar mais do que o horário”, cita o El País.

ZAP //

PARTILHAR

9 COMENTÁRIOS

  1. Uma vez um empregado de um Banco dizia , que podia fazer 100 coisas boas para o banco e que ninguém (Chefes) lhe iria dar os parabéns, mas bastava fazer uma coisa má que imediatamente estava fodiqo…olhei para ele e não liguei, hoje, passados 40 anos, posso dizer que ele disse uma grande verdade.

  2. Sugiro, que ele procure emprego no Japão.Lá os chefes, irão fazer-lhe reverências, pois são um povo extremamente educado. E é da praxe trabalhar até cair para o lado.

    • Extremamente educados?
      Os japoneses?! Não brinque….
      São é extremamente manhosos… e para os trabalhadores estrangeiros são mesmo muito mal educados (tratam os emigrantes asiáticos abaixo de cão), daí o Japão ser dos países do mundo com menos emigrantes lá a trabalhar!

        • Pelos visto de Nipónico só tens o nome, que de resto ficas a ver navios a chegar e a partir. E depois és tão aberrantemente idiota, que não sabes distinguir um japonês de um chinês.

      • Extremamente educados e reverentes. Sim. Mas suponho que não são palavras que estejam escritas no seu dicionário. Não aprendemos nada de nada, quando estivemos com eles, no tempo dos descobrimentos. Que são manhosos? E quem não é no mundo que temos? Defendem-se. Eles são zelosos da sua extirpe, Não são como os ocidentais, que tudo abandalham.

        • São extremamente manhosos e tentam mostrar uma coisa, mas são outra!
          Está na sua cultura ocultar o que realmente pensam/são e mostrar só o que lhes interessa.
          Mas, vá para lá trabalhar e depois quero ver se vem cá dizer que lhe “fizeram reverências e que são um povo extremamente educado”!
          E, pergunte, por exemplo, ao enfermeiros filipinos, malaios, etc que trabalham nos hospitais, lares, etc do Japão, se é a essa a opinião que tem dos japoneses!…

  3. Este senhor não foi despedido por trabalhar demais. Este senhor foi despedido porque não “as vendas que a direção esperava”. A violação “grave” de trabalhar demais foi apenas uma desculpa. Os “chefes” querem que se venda muito, nem que para isso seja necessário enfiar o produto pela goela do cliente abaixo. Os lucros têm de ser imediatos!… mesmo que o cliente acabe por não ficar satisfeito (porque lhe venderam algo que não queria) e, por isso, não volte áquela casa (por causa disso). O lucro a todo o custo cega!

  4. Se ele picasse o ponto quando entrava já tinha sido despedido há mais tempo, pois já se tinha descoberto antes os sacrifícios que fazia pela empresa sem remuneração extra. Agora já sei porque os refugiados querem todos ir para a Alemanha… e fogem de Portugal.

RESPONDER

É agora possível os robôs mexerem-se sozinhos, graças a novos polímeros de alta energia

Através do uso de novos polímeros que armazenam mais energia e são depois aquecidos, investigadores da Universidade de Stanford conseguiram colocar manequins a mexer os braços sozinhos. Era ver robots a mexer os braços sozinhos, pelo …

"Poço do Inferno". Espeleólogos encontram serpentes, mas não demónios

No deserto da província de Al-Mahra, no leste do país, um buraco redondo e escuro de 30 metros de largura serve de entrada para uma caverna de cerca de 112 metros. Uma maravilha natural que …

Vitória SC 1-3 Benfica | “Águia” passa tranquila em Guimarães e continua a voar no topo

Naquele que era apontado como o mais duro teste à sua liderança até ao momento, o Benfica passou com relativa tranquilidade em Guimarães. Frente a um Vitória que tentou discutir o jogo de igual para igual …

Fazer umas calças de ganga exige 10 mil litros de água. Dez marcas estão a criar jeans sustentáveis

As calças de ganga são das peças de vestuário com piores impactos para o ambiente, mas há marcas que estão a apostar na sustentabilidade como um factor atractivo para os consumidores. Estão sempre na moda e …

"Guerra das matrículas" faz escalar tensão entre Sérvia e Kosovo

Esta semana, a fronteira entre o norte do Kosovo e a Sérvia esteve bloqueada por protestos de elementos da etnia sérvia, que não aceitam a decisão do governo kosovar, de etnia albanesa, de proibir a …

Num golpe de "fake it until you make it", Hong Kong vai a eleições a saber o vencedor

Hong Kong prepara-se para as primeiras eleições legislativas após as mudanças no sistema eleitoral implementadas pela China para garantir a vitória dos seus aliados. Aos olhares mais desatentos, as eleições em Hong Kong são mais um …

Stefano Pioli propõe regra de basquetebol que contribui para um "futebol de ataque"

O treinador do Milan, Stefano Pioli, propõe uma alteração nas regras do futebol que promete revolucionar o desporto rei. De forma semelhante ao basquetebol, uma vez dentro do meio campo adversário, as equipas não poderiam voltar …

Um dos maiores sites de dados sobre a covid-19 na Austrália é, afinal, gerido por adolescentes

Aproveitando o momento em que passaram a integrar as estatísticas que os próprios fazem chegar diariamente à população australiana, o grupo de três jovens revelou a sua identidade para surpresa de muitos dos seus seguidores. …

Mais cinco mortes e 713 casos confirmados em Portugal

Portugal registou, este sábado, mais cinco mortes e 713 casos confirmados de covid-19, de acordo com o mais recente boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). Este sábado registaram-se mais cinco mortes e 713 novos casos …

Dirigente da Huawei detida no Canadá pode voltar à China após acordo com EUA

A justiça dos EUA aceitou hoje o acordo entre o Departamento da Justiça e a Huawei, que vai permitir à filha do fundador e diretora financeira do conglomerado chinês de telecomunicações regressar à China. Uma juíza …