Japão constrói muralha contra tsunamis

O governo do Japão está a construir uma grande muralha para se proteger de tsunamis.

A construção terá 12,5m de altura e estender-se-á por mais de 400km na costa noroeste do país. A muralha é feita de cimento e formada por uma cadeia de paredes menores e blocos que facilitam a construção.

De acordo com a BBC, a obra custou cerca de 6,8 mil milhões de dólares (mais de 6,2 mil milhões de euros) e visa evitar um desastre semelhante ao que ocorreu em março de 2011, no qual um tsunami provocado por um terramoto no Oceano Pacífico destruiu comunidades costeiras e a central nuclear de Fukushima, deixando um total de 19 mil mortos.

Os que defendem o projeto afirmam que a muralha é uma espécie de mal necessário e alegam que a construção, que deverá demorar dois anos, vai criar novos postos de trabalho.

Os críticos da muralha afirmam que vai arruinar completamente a paisagem e prejudicar os ecossistemas marinhos e a indústria pesqueira local.

Falsa segurança?

Segundo vários especialistas, a muralha pode reduzir a potência do impacto de um eventual tsunami e, desta forma, os danos causados pela onda. No entanto, também pode criar uma certa falsa confiança.

Muitos dos que morreram ou desapareceram no último tsunami não tiveram em atenção os alertas de perigo.

Margarta Wahlstrom, diretora do Escritório da ONU para Redução de Riscos em Desastres, lembra que a falta de uma infraestrutura básica pode ser catastrófica quando os países em desenvolvimento são atingidos por estes fenómenos, mas a dependência extrema deste tipo de proteção pode fazer com que as pessoas se sintam demasiado seguras.

“Há uma fé exagerada na tecnologia como solução, apesar de tudo o que aprendemos que nos mostra que o conhecimento e a intuição das pessoas é o que faz a diferença. A tecnologia, na realidade, torna-nos um pouco mais vulneráveis”, disse Wahlstrom durante uma conferência na semana passada em Sendai, no Japão.

Akie Abe, esposa do primeiro-ministro japonês Shinzo Abe, também fez críticas ao projeto, afirmando que a muralha fará com que os moradores das cidades costeiras não fiquem atentos aos sinais de um tsunami no futuro e prevendo que a manutenção da muralha seja demasiado cara.

Eficácia questionada

Entre as críticas, há mesmo que duvide da eficácia da muralha.

O mais seguro é que as pessoas vivam em locais mais elevados e que suas casas e locais de trabalho estejam em áreas diferentes. Se fizermos isto, não precisaremos de uma grande muralha”, disse à agência AP Tsuneaki Iguchi, autarca de Iwanuma, cidade que foi inundada no último tsunami.

As provas da utilidade da muralha não são, de facto, unânimes.

Em 2011, a localidade de Fudai, no noroeste da ilha, escapou das ondas graças a um sistema de comportas e um muro. Estas construções foram feitas graças a um autarca que, tendo enfrentado um tsunami anteriormente, fez com que a construção do muro fosse uma prioridade do seu governo.

O projeto, iniciado na década de 1970, foi muito criticado e classificado como um gasto desnecessário – mas foi graças a este que Fudai se manteve de pé.

Por outro lado, na região de Kamaishi, na prefeitura japonesa de Iwate, um grande muro que demorou três décadas a ficar pronto a um custo de 1,6 mil milhões de dólares (quase 1,5 mil milhões de euros) desmoronou-se durante o tsunami de 2011 e deixou a cidade totalmente indefesa.

Apesar das obras da grande muralha já estarem em andamento, o certo é que nenhum projeto de construção poderá eliminar totalmente a necessidade de proteção extra dos fenómenos mais violentos da natureza.

“Não importa o que as pessoas tentem criar, não vamos vencer a natureza. Por isso nós, humanos, temos que encontrar uma forma de coexistir com ela. É preciso fugir quando há perigo – o mais importante é salvar a vida”, disse à agência de notícias AP Takeshi Konno, autarca da cidade costeira de Rikusentakata.

ZAP / BBC

PARTILHAR

RESPONDER

"Lobisomem da Sibéria". Maior assassino em série da Rússia era polícia e matou 78 mulheres

Um ex-polícia russo, já condenado a prisão perpétua pela morte de 22 mulheres, foi sentenciado esta segunda-feira na Sibéria por mais 56 homicídios, o que o torna no maior assassino em série da história recente …

Mais de 20 comboios vão ser suprimidos no Natal e Ano Novo

Mais de duas dezenas de ligações ferroviárias, entre Intercidades e Alfa-Pendulares, serão suprimidas nos dias 24, 25 e 31 de dezembro e 1 de janeiro de 2019, à semelhança de anos anteriores, devido à fraca …

Catalães devem seguir a via eslovena e estar "dispostos a tudo" para alcançar independência

Quim Torra disse este sábado que os catalães devem seguir o exemplo do processo de independência da Eslovénia e estar "dispostos a tudo". O presidente do governo regional da Catalunha, Quim Torra, disse este sábado que …

"Injustiça fiscal." Governo rejeita alterar IRS para salários de anos anteriores

O Governo recusou aceitar uma recomendação da Provedora de Justiça que pedia ao Executivo para atualizar o regime de IRS para rendimentos relativos a anos anteriores. No início de outubro, a Provedora da Justiça escreveu a …

Oito anos depois, pensionistas recebem subsídio de Natal por inteiro

Oito anos depois, os pensionistas recebem esta segunda-feira o subsídio de Natal por inteiro, sem cortes e no mês de dezembro. A maioria dos pensionistas da Segurança Social começa esta segunda-feira a receber a pensão de …

Carlos Ghosn, ex-presidente da Renault-Nissan, acusado por ocultar rendimentos

O Ministério Público japonês acusou oficialmente o ex-presidente da Nissan de ocultar rendimentos da empresa durante um período de cinco anos. De acordo com a agência Kyodo e o canal público NHK, o Ministério Público responsabiliza …

Casa onde Sócrates vive "pagou" salinas em Angola

O apartamento de luxo onde José Sócrates está a residir na Ericeira foi uma "dação em pagamento" de um empresário angolano ao primo do ex-primeiro-ministro, José Paulo Pinto de Sousa, que é suspeito de ser …

Caso Galpgate. Três ex-secretários de Estado não vão a julgamento

Os três secretários de Estado que se demitiram no ano passado na sequência do caso dos convites para assistirem a jogos de futebol do Euro 2016 em França não vão a julgamento. Os ex-governantes e outros …

Estado distribui agendas com castelhano como língua principal

O Estado português distribuiu agendas nas quais o "castelhano é a língua dominante" aos altos quadros da administração pública, revelou Luís Marques Mendes neste domingo, no seu habitual espaço de comentário na SIC.  "Será que …

Marcelo "totalmente alheio" ao envolvimento da namorada na queda do BES

Marcelo Rebelo de Sousa comentou a notícia sobre as eventuais responsabilidades da namorada Rita Amaral Cabral na queda do BES, no âmbito das funções que exerceu no Banco. "Sou totalmente alheio", garante o Presidente da …