Ingleses medievais mutilavam cadáveres com medo que se tornassem zombies

Uma investigação realizada arqueólogos britânicos revelou que, na Idade Média, os habitantes de Yorkshire, em Inglaterra, cortavam, esmagavam e queimavam os esqueletos dos mortos para garantir que não ressuscitavam.

“A hipótese de que os restos dos habitantes de Wharram Percy foram desmembrados e queimados para impedir a sua transformação em zombies, corresponde da melhor forma ao que descobrimos e sabemos sobre este local”, afirmou Simon Mays, do Instituto de Southampton, no Reino Unido, citado pela JAS: Reports.

“Se tivermos razão, teremos a primeira prova arqueológica de que a história medieval britânica teve um lado tenebroso e que a mentalidade das pessoas naquela época era completamente diferente”, acrescentou.

A equipe, chefiada pelo arqueólogo Alistair Pike da Universidade de Southampton, fez esta descoberta admirável ao realizar escavações no território da aldeia abandonada de Wharram Percy, situada no norte da Inglaterra, no condado de Yorkshire.

Em meados da década de 60, os cientistas que estavam a investigar Wharram Percy encontraram um cemitério de ossos humanos que tinham indícios de danificações, cortes e queimaduras.

Ao analisarem as várias descobertas nesse local, Pike e os seus colegas deram uma atenção especial a estes ossos, que lhes fizeram lembrar o “produto final” de um procedimento peculiar frequentemente descrito nas histórias medievais da época em que a aldeia ainda existia.

De acordo com o estudo, trata-se de um ritual específico que impede a transformação dos mortos em “zombies“. Nas histórias antigas, as pessoas defendiam-se dessa “magia negra” cortando e queimando os esqueletos dos mortos para garantir que não voltavam.

A Idade Média, segundo os arqueólogos, foi uma época dura em que as pessoas enfrentavam fome e eram obrigadas a praticar canibalismo por não haver outras fontes de alimentos.

No caso dos esqueletos encontrados em Wharram Percy, essa situação é pouco provável, já que os ossos tinham uma medula óssea que os canibais provavelmente teriam comido. O assassinato dos forasteiros também parece uma teoria pouco convincente porque todos os ossos pertenceram a habitantes da aldeia.

Deste modo, Pike e os seus colegas afirmam que a hipótese extravagante sobre a luta dos residentes da aldeia contra a invasão potencial dos “zombies” é a mais provável.

Os cientistas ainda não sabem porque é que os cidadãos de Wharram Percy mutilavam os restos mortais dos seus conterrâneos, mas supõem que esse procedimento possa estar relacionado com atividades da igreja local.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Açambarcamento de medicamentos por Portugal? "É um total absurdo", diz Infarmed

O Infarmed - Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde reagiu à acusação feita por uma organização belga, que dizia que Portugal está a fazer um armazenamento excessivo de medicamentos essenciais para o tratamento …

Descoberto âmbar com 40 milhões de anos com duas moscas a acasalar

Há 40 milhões de anos, no supercontinente Gonduana, duas moscas que se encontravam a acasalar viram-se, inesperadamente, numa situação complicada. De alguma forma, este par de moscas de pernas longas (Dolichopodidae) ficou preso na seiva pegajosa …

40 marinheiros do porta-aviões Charles de Gaulle com sintomas de covid-19

Quarenta marinheiros do porta-aviões francês Charles de Gaulle apresentaram recentemente "sintomas compatíveis" com os da infeção pelo novo coronavírus e estão sob "observação médica reforçada", anunciou o Ministério da Defesa. "A partir de hoje, uma equipa …

Medidas para as prisões, apoios às empresas, suspensão de tarifas. Parlamento discute mais de 100 iniciativas

Medidas excecionais para prisões e banca, mais apoios às empresas ou à cultura ou a suspensão de propinas e das tarifas de gás e luz são alguns dos temas que vão passar esta quarta-feira pelo …

Trump tem "interesse financeiro" em farmacêutica que produz hidroxicloroquina (a sua "cura" para a Covid-19)

Donald Trump falou da hidroxicloroquina como uma potencial "cura milagrosa" para a Covid-19, apesar das recomendações contrárias de especialistas e da falta de estudos científicos válidos que confirmem os benefícios da substância. O The New …

Restos de bombas atómicas revelam longa vida dos tubarões-baleia

Cientistas estão a determinar a esperança de vida do maior peixe dos oceanos com a ajuda de testes de bombas atómicas realizados durante a Guerra Fria, entre os anos 50 e 60. Em perigo de extinção, …

Telescópio russo apanha o despertar de um buraco negro

O telescópio russo ART-XC do observatório espacial Spektr-RG detetou uma fonte brilhante de raios-X no centro da Via Láctea, que acabou por revelar ser o "despertar" do buraco negro 4U 1755-338. A descoberta ocorreu no passado …

O cometa interestelar 2I/Borisov partiu-se em dois

O cometa interestelar 2I/Borisov, o primeiro do seu tipo a ser descoberto em agosto do ano passado, começou a dividir-se em duas partes na semana passada. As imagens contínuas do telescópio espacial Hubble do objeto interestelar …

Estudo estima 471 mortes em Portugal até agosto (e que o pico foi atingido a 3 de abril)

De acordo com as estimativas do estudo, cerca de 151.680 pessoas vão morrer na Europa durante a "primeira vaga" da doença. Um estudo divulgado esta terça-feira nos Estados Unidos estima que a covid-19 venha a provocar …

Mais de metade da população mundial está fechada em casa

Mais de metade da população mundial (52%) está atualmente confinada nas suas casas por ordem das autoridades para combater a propagação da doença covid-19. Segundo um balanço feito pela agência France Fresse (AFP), mais de quatro …