Hungria trava embargo petrolífero da UE recusando sancionar patriarca russo

2

A Hungria travou esta quarta-feira a adoção do embargo petrolífero e de novas sanções europeias contra Moscovo, para obter a retirada do chefe da Igreja Ortodoxa russa da lista negra da União Europeia, avançaram várias fontes diplomáticas.

O patriarca Cirilo é considerado “um aliado de longa data do Presidente Vladimir Putin” e “tornou-se um dos principais apoiantes da agressão militar russa à Ucrânia”, sublinha a proposta de sanções submetida à aprovação dos Estados-membros da União Europeia.

Os dirigentes dos 27 reunidos em cimeira na segunda e na terça-feira em Bruxelas chegaram a acordo para reduzir em cerca de 90% as suas importações de petróleo russo até ao fim deste ano, com o objetivo de ‘secar’ o financiamento da guerra russa na Ucrânia.

Este embargo é a principal medida do sexto pacote de sanções da UE, que prevê um alargamento da ‘lista negra’ do bloco comunitário a cerca de 60 personalidades, uma das quais o chefe da Igreja Ortodoxa russa, o patriarca Cirilo, e a exclusão de três bancos russos do sistema financeiro internacional Swift, incluindo o Sberbank, a principal instituição bancária do país.

É necessária unanimidade para a adoção de sanções europeias, e o primeiro-ministro húngaro, Viktor Orbán, deu o seu acordo a este novo pacote de sanções que deveria ser finalizado esta quarta-feira, numa reunião dos embaixadores, antes da sua publicação no jornal oficial da UE, para entrar em vigor.

Estão em curso consultas com Budapeste para tentar levantar a oposição da Hungria, indicaram fontes diplomáticas europeias.

  // Lusa

2 Comments

    • E não só , quando um só Estado Membro veta uma decisão aprovada por 26 outros , é no mínimo pouco Democrático !……UE or not UE that is the question !

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.