/

Antropólogos descobriram quando é que os humanos aprenderam a cozinhar

O hidratos de carbono amido ainda é um elemento pouco compreendido da dieta humana moderna e a nossa dieta de amido do passado pode dar uma ajuda nas investigações futuras.

Apesar de uma narrativa arqueológica que liga os nossos primeiros ancestrais hominídeos a uma dieta rica em raízes e tubérculos, há poucas evidências arqueológicas em tempo profundo do consumo de amido humano-vegetal. Geneticistas hipotetizam que a duplicação de genes de digestão do amido no início do Homo sapiens é uma resposta adaptativa a um aumento na dieta de amido.

Num novo estudo, publicado na revista Journal of Human Evolution, cientistas da Universidade Wits ofereceram a primeira evidência arqueológica de que humanos anatomicamente modernos estavam a assar e a comer amido de plantas há 120 mil anos.

O estudo é baseado em descobertas feitas na caverna do rio Klasies, na África do Sul, onde foram encontrados restos de comida carbonizada de lareiras. O trabalho é parte de uma investigação multidisciplinar sistémica sobre o papel que as plantas e o fogo desempenhavam na vida das comunidades da Idade Média da Pedra.

A principal autora, Cynthia Larbey, do Departamento de Arqueologia da Universidade de Cambridge, disse: “Os nossos resultados mostraram que as pequenas lareiras eram usadas para cozinhar alimentos e raízes de amido e tubérculos eram claramente parte da sua dieta, desde os primeiros níveis em torno de há 120 mil anos até há 65 mil anos. Apesar das mudanças nas estratégias de caça e tecnologias de ferramentas de pedra, ainda cozinhavam raízes e tubérculos”.

Já Sarah Wurz, da Escola de Geografia, Arqueologia e Estudos Ambientais da Universidade de Witwatersrand, em Joanesburgo, África do Sul, disse: “A investigação mostra que os primeiros seres humanos seguiram uma dieta equilibrada e que eram génios ecológicos, capazes de explorar inteligentemente os seus ambientes para encontrar alimentos adequados e talvez remédios”.

Combinando raízes cozidas e tubérculos com proteínas e gorduras de moluscos, peixes, fauna pequena e grande, as comunidades conseguiram adaptar-se de forma ideal ao seu ambiente, indicando grande inteligência ecológica.

“Evidências do Rio Klasies, onde vários fragmentos de crânios humanos e dois fragmentos maxilares, datados de há 120 mil anos, mostram que os seres humanos que viviam naquele período pareciam os humanos modernos de hoje. No entanto, eram um pouco mais robustos”, rematou Wurz.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE