Há 74 mil anos, a Humanidade sobreviveu à super erupção que provocou um “inverno vulcânico”

Há 74 mil anos, uma super-erupção vulcânica provocou um “inverno vulcânico” que durou uma década, resultando num evento de arrefecimento de milénios em todo o planeta que destruiu espécies de humanos e mamíferos primitivos. Pelo menos, era o que se pensava.

Agora, novas evidências, publicadas este mês na revista científica Nature Communications, sugerem que, embora a erupção do vulcão Toba tenha sido um dos maiores eventos a ocorrer nos últimos dois milhões de anos, pode não ter aniquilado os seres humanos primitivos e provou que a espécie é adaptável e engenhosa em tempos de catástrofe climática.

Teorias anteriores sugerem que a erupção vulcânica dizimou populações humanas primitivas, quase forçando a extinção de seres humanos. De acordo com a teoria, os poucos Homo sapiens que sobreviveram em África durante esse período desenvolveram estratégias sociais, simbólicas e económicas que lhes permitiram expandir-se para a Ásia 14 mil anos após a erupção.

O novo trabalho contradiz estas teorias, sugerindo que os humanos na Índia resistiram à erupção do vulcão, apesar de terem acabado por morrer mais tarde. “O registo arqueológico demonstra que, embora os humanos mostrem um nível notável de resiliência aos desafios, também é claro que as pessoas nem sempre sempre prosperam a longo prazo”, disse Michael Petraglia, do Instituto Max Planck, em comunicado citado pelo EurekAlert.

Os arqueólogos do local de Dhaba, no centro da Índia, dataram 13 amostras de sedimentos que abrangem um registo estratigráfico de 80 mil anos do local de Dhaba, no norte do vale central de Son Son, e encontraram uma rica coleção de artefactos ao longo de um período de 55 mil anos em torno da erupção vulcânica.

As ferramentas de pedra descobertas perto da erupção de Toba representam as da Idade da Pedra Africana e alguns dos artefactos mais antigos da Austrália, o que sugere fortes evidências de que as populações que usaram ferramentas do Paleolítico Médio estavam presentes na Índia antes e depois da erupção, preenchendo uma “grande ordem cronológica lacuna ”nos registos humanos.

“As populações de Dhaba usavam ferramentas de pedra semelhantes aos kits de ferramentas usados ​​pelo Homo sapiens na África ao mesmo tempo. O facto de esses kits de ferramentas não desaparecerem na época da super-erupção de Toba ou mudarem drasticamente indica que as populações humanas sobreviveram à catástrofe e continuaram a criar ferramentas para modificar os seus ambientes”, disse o principal autor do estudo, Chris Clarkson, da Universidade de Queensland.

As análises de sedimentos também sugerem que o evento de arrefecimento da Terra após a erupção pode ter sido menos extremo do que se pensava anteriormente e pode não ter causado o período glacial que se seguiu.

Assim, o trabalho apoia a hipótese de que as populações humanas estavam presentes na Índia há 80 mil anos e sobreviveram a uma das maiores erupções vulcânicas dos últimos dois milhões de anos.

A Índia é uma “cruzada geográfica crítica” para entender como o Homo sapiens se dispersou da África para a Ásia. Evidências fósseis do estudo sugerem que os humanos migraram da África e expandiram-se pela Eurásia, cruzando com humanos antigos, como os neandertais, antes do final do evento de arremetimento há 60 mil anos.

ZAP //

 

PARTILHAR

RESPONDER

Montezemolo revelou o sonho que Ayrton Senna não cumpriu

O antigo presidente da equipa da Ferrari, Luca di Montezemolo, revelou que o seu maior arrependimento foi não ter conseguido levar Ayrto Senna para a equipa. Em 1994, Ayrton Senna morreu de forma trágica quando perdeu o …

Friends: atores já terminaram as gravações do episódio especial

Ainda antes de os talk shows serem suspensos devido à COVID-19, Matt LeBlanc foi um dos convidados do The Kelly Clarkson Show, onde confirmou que as gravações do episódio especial de FRIENDS estavam concluídas. O programa …

YouTube remove vídeos com teoria da conspiração que liga Covid-19 ao 5G

A onda de teorias falsas que ligam a pandemia da COVID-19 ao 5G levou a uma série de incidentes, incluindo ameaças a funcionários de operadoras e ataques a antenas de telecomunicações. Agora, o YouTube está …

Engenheiros construiram um ventilador caseiro. Pode servir como "último recurso"

Uma equipa de engenheiros da Universidade de Vanderbilt, nos Estados Unidos, construiu um ventilador caseiro que pode ser usado como último recurso. A pandemia de covid-19 continua a desafiar as comunidades médicas e uma das ameaças …

Sepultura de genocídio encontrada no Ruanda pode conter 30 mil corpos

No Ruanda, foi encontrada uma sepultura que pode conter 30 mil vítimas do genocídio no país em 1994. Cerca de 800 mil tutsis e hutus moderados foram assassinados. Mais de 25 anos depois de um genocídio …

Belenenses SAD entra parcialmente em lay-off

"A indústria do futebol está entre as mais atingidas pelos efeitos da pandemia", que provocou a suspensão de praticamente todas as provas futebolísticas, destaca o Belenenses SAD. O Belenenses SAD, da I Liga de futebol, entrou …

Dois milhões de máscaras furtadas em Espanha podem ter sido vendidas em Portugal

O equipamento médico e sanitário furtado está avaliado em cinco milhões de euros e terá sido adquirido por uma empresa portuguesa que conhecia a proveniência do material. Um empresário de Santiago de Compostela foi detido por, …

Facebook terá tentado comprar um software de espionagem em 2017

O Facebook tem estado envolvido em vários escândalos e o mais recente está relacionado com a alegada compra da ferramenta Pegasus, usada para hackear iPhones. A empresa de segurança informática NSO Group, responsável pela Pegasus, alega …

Primeiro-ministro espanhol diz que coronavírus desafia o futuro da UE. E fá-lo em sete idiomas

O primeiro-ministro espanhol Pedro Sánchez publicou no domingo um artigo em sete idiomas europeus, argumentando que o coronavírus pode ser a ruína da União europeia (UE) caso não sejam tomadas medidas mais drásticas para lidar …

Viseiras de Leiria despertam cobiça. Bélgica e EUA queriam comprar toda a produção

Várias empresas de moldes e plásticos da região de Leiria estão a fabricar viseiras de protecção contra a Covid-19. Uma adaptação em tempos de pandemia que está a levantar atenção no estrangeiro, com EUA e …