Hamas anuncia retoma das relações com o regime sírio de Bashar al-Assad

1

Atef Safadi / EPA

“A Síria apoia a causa palestiniana e o povo palestiniano. O Hamas valoriza a relação com a Síria e com todos os países árabes”, disse fonte do movimento palestiniano na Faixa de Gaza à AFP.

Movimento islâmico Hamas referiu hoje que as suas relações com a Síria de Bashar al-Assad estão a melhorar, após dez anos de afastamento pelo apoio da organização palestiniana às manifestações pró-democracia, que causaram uma guerra.

“Os contactos com a Síria estão a melhorar para regressarem totalmente ao que eram, devido às inúmeras visitas de líderes do Hamas à Síria“, realçou à agência AFP uma figura sénior do movimento palestiniano na Faixa de Gaza, que falou sob a condição de anonimato.

“A Síria apoia a causa palestiniana e o povo palestiniano. O Hamas valoriza a relação com a Síria e com todos os países árabes”, acrescentou. Contactado pela AFP, o governo sírio não comentou esta informação.

Antigo aliado do regime sírio, o Hamas apoiou a retirada do Presidente Bashar al-Assad do poder, no início da guerra em 2011.

Desencadeada em março de 2011 pela repressão às manifestações pró-democracia, a guerra na Síria tornou-se mais complexa ao longo dos anos com o envolvimento de potências regionais e internacionais, e a ascensão de extremistas islâmicos.

O conflito na Síria resultou até agora na morte de quase 610 mil pessoas e numa grave crise humanitária.

O Hamas, que controla o enclave palestiniano de Gaza desde 2007, é uma organização considerada terrorista pelos Estados Unidos, União Europeia e Israel.

O Estado judeu impôs um bloqueio a este microterritório de 2,3 milhões de habitantes desde que os islâmicos tomaram o poder.

O apoio do Hamas à oposição síria deteriorou durante um longo período as relações com o Irão, apoiante de Bashar al-Assad e, por outro lado, principal inimigo de Israel.

Desde o início do conflito na Síria, Israel realizou centenas de ataques ao território sírio, visando posições do regime de Assad, mas também das forças iranianas e do movimento xiita libanês Hezbollah, outro aliado de Damasco.

Israel tem vindo a garantir regularmente que não vai permitir que o Irão expanda a sua influência na Síria.

  // Lusa

1 Comment

  1. Podiam ser todos amiguinhos uns dos outros, por esse mundo fora, só tinham a ganhar…….

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.