Polvos têm “genes saltadores” como os humanos (e isso pode explicar a sua inteligência)

Os polvos também têm um número elevado destes genes, o que pode explicar a sua inteligência superior em comparação com os outros invertebrados.

Já é um facto comprovado pela ciência que os polvos são animais bastante inteligentes — e podemos agora ter finalmente descoberto porquê.

O polvo é um animal único. Não só tem uma grande relação cérebro/corpo em comparação com a maioria dos animais, mas também apresenta características únicas.

Um novo estudo publicado na BMC Biology descobriu que o cérebro destes invertebrados tem uma semelhança com o cérebro humano, já que ambos têm um número elevado de “genes saltadores” — transposões — que se conseguem duplicar e movimentar pelo genoma.

Estudos anteriores de sequenciação mostraram que os genes saltadores ocupam até 45% do genoma humano, proporcionando-lhe o potencial para ser duplicado ou baralhado.

Apesar de nem todos serem ativos, estes transposões são encarados como os materiais de base para os processos evolutivos.

Na pesquisa, estes genes pertencentes à família LINE (Longos elementos nucleares intercalados) têm sido encontrados na parte do cérebro dos polvos que lida com as capacidades cognitivas — um local semelhante ao sítio onde são encontrados no cérebro humano.

Pesquisas recentes revelaram que os genes LINE são cuidadosamente regulados no cérebro humano e que estão ligados à aprendizagem e à memória, já que a parte onde estão mais ativos é o hipocampo, onde os processos cognitivos são controlados.

A descoberta destes genes nos cérebros dos polvos num local semelhante pode ser a explicação tão aguardada para a inteligência destes animais. Apesar de os transposões serem conhecidos por copiarem mecanismos, o estudo sugere que tem uma relação direta com a complexidade do sistema nervoso.

“A descoberta de um elemento da família LINE que é ativo no cérebro de duas espécies de polvos é muito significativa porque apoia a ideia de que estes elementos têm uma função específica que vai além de copiar e colar“, afirma o geneticista computacional Remo Sanges, citado pelo Science Alert.

Os especialistas acreditam também que esta característica dos polvos pode ser um exemplo da evolução convergente — quando traços semelhantes se desenvolvem independentemente em espécies que não têm qualquer relação e para o mesmo propósito, que neste caso seria ter capacidades cognitivas superiores.

Os cientistas continuam a notar respostas neurológicas que distinguem os polvos dos outros invertebrados e que os tornam mais parecidos com os mamíferos a nível da estrutura e da atividade do cérebro.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.