Fóssil de lula vampiro perdido durante a Revolução Húngara foi redescoberto

MBARI

Lula vampiro

Em 2019, uma equipa de investigadores encontrou o fóssil que estava perdido nas coleções do Museu de História Natural da Hungria, enquanto procurava fósseis de ancestrais de chocos.

O fóssil foi descoberto originalmente em 1942 pelo paleontólogo húngaro Miklós Kretzoi, que o identificou como uma lula com cerca de 30 milhões de anos e o chamou de Necroteuthis hungarica. Mais tarde, outros especialistas defenderam que era um ancestral do choco.

No entanto, em 1956, durante a Revolução Húngara, o fóssil foi considerado destruído num incêndio que atingiu o museu e, por isso, a redescoberta foi uma agradável surpresa para a equipa. “Foi um grande momento”, disse Martin Košťák da Universidade de Praga.

Košťák e a sua equipa estudaram o fóssil com microscopia eletrónica e realizaram uma análise geoquímica. Desta forma descobriram que a identificação inicial de Kretzoi estava certa: o fóssil é de uma lula, não de um ancestral de choco.

Perceberam ainda que a concha interna do animal, que forma a espinha dorsal do seu corpo, tinha cerca de 15 centímetros de comprimento, sugerindo que a lula chegava a 35 centímetros de comprimento com os braços incluídos, sendo que era um pouco maior do que a lula vampiro moderna, que apenas atinge cerca de 28 cm de comprimento total do corpo.

Os sedimentos ao redor do fóssil não mostram traços de micro fósseis frequentemente encontrados no fundo do mar, o que sugere que a lula não vivia em águas rasas. Os investigadores também analisaram os níveis de variação do carbono no sedimento e descobriram que esta provavelmente veio de um ambiente com baixo teor de oxigénio.

Essas condições são características do fundo do oceano. Através da observação das camadas de rocha de onde o fóssil foi depositado, os especialistas também mostraram que a lula provavelmente não poderia ter sobrevivido em locais de maré rasa.

Os depósitos de águas rasas mostraram níveis muito altos de um plâncton específico que floresce em ambientes com baixo teor de sal e alto teor de nutrientes – condições que a lula vampiro dos dias modernos não consegue tolerar, avança o Live Science.

Também os investigadores do Monterey Bay Research Institute descobriram que estas lulas não se comportam como predadores, pois esperam, dentro dos seus habitats escuros, que as migalhas de matéria orgânica caiam para se alimentar.

A nova pesquisa, publicada na revista Communications Biology a 18 de fevereiro, sugere que os ancestrais da lula vampiro aprenderam a viver onde outras lulas não conseguiriam.

Os fósseis mais antigos deste grupo de lulas foram encontrados no período Jurássico, há mais 200 milhões de anos, e são normalmente encontrados em sedimentos anóxicos, revela Košťák.

  Ana Isabel Moura, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Cientistas estão a plantar mesas de xadrez de corais para restaurar recifes - e contam com a ajuda de garrafas de Coca-Cola

Nas últimas três décadas, os recifes de coral têm sofrido uma grande tensão e consequente destruição, devido ao impacto das alterações climáticas. Agora, os cientistas querem minimizar os danos e já encontraram uma solução. O objetivo …

Belenenses 0-4 Sporting | Melhor o resultado que a lesão

O Sporting, da I Liga, venceu hoje o Belenenses, do Campeonato de Portugal, por 4-0, em jogo da terceira eliminatória da Taça de Portugal de futebol, garantindo o apuramento para a próxima fase da competição. No …

Sintrense 0-5 FC Porto | Dragões goleiam e seguem em frente na Taça

O FC Porto, da I Liga, venceu hoje o Sintrense, do Campeonato de Portugal, por 5-0, em jogo da terceira eliminatória da Taça de Portugal de futebol, e segue em frente na competição. A jogar em …

Nova tecnologia usa calor dos estacionamentos subterrâneos para aquecer apartamentos

A startup Enerdrape, que funciona dentro da Escola Politécnica de Lausanne (EPFL), na Suíça, desenvolveu uma tecnologia que aproveita o calor emanado pelo solo no aquecimento de apartamentos. Quase 60% do aquecimento utilizado nos edifícios residenciais …

Pela primeira vez, um drone transportou os pulmões de um dador em segurança. Voo demorou seis minutos

Pela primeira vez na história da medicina, um drone aéreo transportou os pulmões de um dador com rapidez e segurança entre dois hospitais. O voo, que durou apenas seis minutos, ocorreu no passado dia 25 de …

Grupo de hackers clonou a voz de empresário para roubar 35 milhões de dólares do banco

Um grupo de hackers clonou a voz do diretor de uma empresa, conseguindo assim roubar mais de 35 milhões de dólares de um banco nos Emirados Árabes Unidos. No início do ano passado, o gerente de …

Portugueses comem duas vezes mais do que o recomendando

Os portugueses consumiram, em média, duas vezes mais calorias do que o recomendando para um adulto entre 2016 e 2020, ano em que a pandemia provocou uma redução do consumo de alimentos diário, mas ainda …

Aos 95 anos, a rainha Isabel II terá de abdicar da sua bebida favorita

A monarca foi aconselhada pelos médicos a abdicar do seu habitual martini de fim de dia, em antecipação a uma fase de agenda especialmente preenchida. Com 95 anos, a rainha Isabel II tem tido uma semana …

Médicos vão avaliar estado mental do atacante da Noruega

A investigação ao ataque com arco e flecha que na quarta-feira fez cinco mortos na Noruega reforçou, até agora, a tese de um ato devido a doença, anunciou hoje a polícia norueguesa. “A hipótese que foi …

Há mais de 100 anos, o Hawai teve uma monarquia - mas a força da princesa Ka'iulani não chegou para a preservar

Antes de morrer, com apenas 23 anos, a princesa Victoria Ka'iulani foi a última herdeira da coroa havaiana. A jovem era uma das últimas esperanças em manter a monarquia viva, mas nem a sua determinação …