Fóssil de lula vampiro perdido durante a Revolução Húngara foi redescoberto

MBARI

Lula vampiro

Em 2019, uma equipa de investigadores encontrou o fóssil que estava perdido nas coleções do Museu de História Natural da Hungria, enquanto procurava fósseis de ancestrais de chocos.

O fóssil foi descoberto originalmente em 1942 pelo paleontólogo húngaro Miklós Kretzoi, que o identificou como uma lula com cerca de 30 milhões de anos e o chamou de Necroteuthis hungarica. Mais tarde, outros especialistas defenderam que era um ancestral do choco.

No entanto, em 1956, durante a Revolução Húngara, o fóssil foi considerado destruído num incêndio que atingiu o museu e, por isso, a redescoberta foi uma agradável surpresa para a equipa. “Foi um grande momento”, disse Martin Košťák da Universidade de Praga.

Košťák e a sua equipa estudaram o fóssil com microscopia eletrónica e realizaram uma análise geoquímica. Desta forma descobriram que a identificação inicial de Kretzoi estava certa: o fóssil é de uma lula, não de um ancestral de choco.

Perceberam ainda que a concha interna do animal, que forma a espinha dorsal do seu corpo, tinha cerca de 15 centímetros de comprimento, sugerindo que a lula chegava a 35 centímetros de comprimento com os braços incluídos, sendo que era um pouco maior do que a lula vampiro moderna, que apenas atinge cerca de 28 cm de comprimento total do corpo.

Os sedimentos ao redor do fóssil não mostram traços de micro fósseis frequentemente encontrados no fundo do mar, o que sugere que a lula não vivia em águas rasas. Os investigadores também analisaram os níveis de variação do carbono no sedimento e descobriram que esta provavelmente veio de um ambiente com baixo teor de oxigénio.

Essas condições são características do fundo do oceano. Através da observação das camadas de rocha de onde o fóssil foi depositado, os especialistas também mostraram que a lula provavelmente não poderia ter sobrevivido em locais de maré rasa.

Os depósitos de águas rasas mostraram níveis muito altos de um plâncton específico que floresce em ambientes com baixo teor de sal e alto teor de nutrientes – condições que a lula vampiro dos dias modernos não consegue tolerar, avança o Live Science.

Também os investigadores do Monterey Bay Research Institute descobriram que estas lulas não se comportam como predadores, pois esperam, dentro dos seus habitats escuros, que as migalhas de matéria orgânica caiam para se alimentar.

A nova pesquisa, publicada na revista Communications Biology a 18 de fevereiro, sugere que os ancestrais da lula vampiro aprenderam a viver onde outras lulas não conseguiriam.

Os fósseis mais antigos deste grupo de lulas foram encontrados no período Jurássico, há mais 200 milhões de anos, e são normalmente encontrados em sedimentos anóxicos, revela Košťák.

Ana Isabel Moura Ana Isabel Moura, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

António Gameiro, suspeito na Operação Triângulo, retira candidatura à Câmara de Ourém

O deputado António Gameiro, um dos suspeitos na "Operação Triângulo", anunciou que vai retirar a sua candidatura à Câmara de Ourém. O deputado do PS António Gameiro retirou a sua candidatura à Câmara de Ourém, demitiu-se …

Task force muda regras. Vai ser mais difícil saber qual a vacina que será administrada

Vai ser mais difícil para as pessoas acima dos 60 anos saber com antecedência qual será a vacina que vão receber (AstraZeneca, Pfizer e Moderna). Todas as semanas, as três vacinas passam a "rodar de …

O segredo dos bigodes dos animais tem a forma de um S (e reside na forma como dobram)

Há muitos mamíferos que têm bigodes para sentirem o ambiente à sua volta, semelhante à sensação do tato. No entanto, os meios pelos quais os bigodes comunicam essa sensação de toque ao cérebro ainda permaneciam …

O trabalho de um aluno de Física chamou a atenção dos investigadores quânticos da Amazon

Os cientistas têm várias preocupações relacionadas com o potencial dos computadores quânticos e o progresso neste campo tem sido muito lento. Recentemente, um dos obstáculos pode ter sido reduzido por um estudante de Física da …

Famosa rajada rápida de rádio bateu recorde (e revelou magnetosfera "dançante" em estrela de neutrões)

Duas equipas internacionais de astrónomos publicaram dois artigos científicos com novas informações sobre a famosa rajada rápida de rádio FRB20180916B. No estudo publicado na Astrophysical Journal Letters, os cientistas mediram a radiação das explosões nas frequências …

Farense 0-1 Sporting | Beto e Adán gigantes em noite de recorde leonino

O Sporting sofreu bastante para levar os três pontos na visita ao Farense. O líder do campeonato marcou um golo, por Pedro Gonçalves, dominou durante a primeira parte, mas na segunda deixou os algarvios criarem …

Uma simples mudança está a evitar a morte de um macaco em vias de extinção

Cientistas conseguiram dar uma tábua de salvação a uma espécie de macaco em risco de extinção, cujos espécimes são frequentemente atropelados por automóveis nas estradas de um parque nacional em Zanzibar. De acordo com a Lista …

Antigo rito sagrado "entre irmãos" pode ter sido, na verdade, o casamento homossexual

A adelfopoiese era uma cerimónia praticada historicamente na tradição cristã para unir duas pessoas do mesmo sexo - normalmente homens - num relacionamento reconhecido pela igreja, análogo ao irmão. Segundo documentos históricos, com 20 anos, Simeão …

Talin fechou uma estrada para que sapos e rãs possam atravessar em segurança

A capital da Estónia fechou uma estrada movimentada, durante as noites do mês de abril, para garantir que milhares de sapos e rãs conseguem atravessar em segurança para o local onde se vão reproduzir. Geralmente, são …

Organizador do White Lives Matter está a formar um novo grupo fascista (que quer uma guerra racial)

Organizador do White Lives Matter está a formar um novo grupo fascista, que procura agradar à opinião pública e quer ver uma guerra racial nos Estados Unidos. O organizador do abortado comício White Lives Matter, em …