Fezes de morcego ajudam a decifrar o passado da humanidade

Uma equipa de investigadores australianos usou fezes de morcego para ajudar a entender uma parte do passado dos nossos ancestrais.

Para perceber melhor como é que artefactos antigos são alterados pelo sedimento em que estão enterrados durante milhares de anos, uma equipa de investigadores levou a cabo uma experiência bizarra. Os arqueólogos australianos enterraram ossos, pedras, carvão e outros objetos em guano de morcego, cozinharam-no e verificaram as mudanças.

Guano é um adubo de substâncias orgânicas, particularmente excremento de aves ou morcegos.

Os autores estão a procurar expandir o nosso conhecimento sobre os primeiros humanos modernos a chegar ao sudeste da Ásia.

“A nossa experiência com cocó de morcego pode parecer ciência louca, mas está a ajudar a preencher lacunas na história do povoamento do sudeste asiático nas últimas dezenas de milhares de anos”, disse o autor principal do estudo, Conor McAdams, citado pela Phys.

Como as cavernas ocupadas no passado pelos nossos ancestrais humanos também eram, muitas vezes, ocupadas por morcegos, não é incomum encontrar artefactos arqueológicos enterrados em guano.

A ideia para a experiência surgiu numa escavação arqueológica na caverna Con Moong, no Vietname. Lá, a camada de guano de morcego tinha quase quatro metros de espessura.

“Queríamos entender como era o meio ambiente, há milhares de anos, na caverna Con Moong”, disse McAdams.

Os investigadores queriam entender como é que o ambiente pode ter mudado e se vestígios arqueológicos podem ter sido destruídos como resultado dessas mudanças ou da presença de guano de morcego.

O guano, realça McAdams, é conhecido por se tornar ácido e destruir materiais arqueológicos. Em contrapartida também forma minerais de fosfato, que podem ser úteis como indicadores ambientais.

Na sua experiência, os investigadores notaram que “todos os materiais foram sujeitos a mudanças surpreendentemente rápidas, especialmente osso e calcário”. Além disso, verificaram que esses materiais mudavam quimicamente de mês para mês e que qualquer material arqueológico enterrado nestas condições dificilmente sobreviveria.

Assim, os resultados do estudo publicado na revista Journal of Archaeological Science sugerem que as bactérias desempenham um papel importante na destruição de materiais arqueológicos sob estas condições.

Daniel Costa Daniel Costa, ZAP //

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Agora imaginem daqui a milhares de anos, descobrirem as fezes do Sócrates… o que encontrariam? Mais do mesmo. Certamente…

RESPONDER

Netanyahu não conseguiu formar Governo em Israel. Segue-se Lapid

Esta quarta-feira, Reuven Rivlin, Presidente de Israel, chamou Yair Lapid, líder do partido Yesh Atid, para lhe entregar a responsabilidade de formar um Governo que consiga o apoio do Knesset (Parlamento). O partido de Yair Lapid, …

Almofada de prevenção contra a pandemia. Câmara de Lisboa quer pedir 20 milhões à banca

A Câmara Municipal de Lisboa quer contrair um empréstimo de 20 milhões de euros junto do BPI, uma almofada de prevenção para fazer face às despesas correntes emergentes do combate à pandemia de covid-19. O Público …

Resort Zmar

BES, falência e um fundo abutre. Resort Zmar "deve 60 milhões de euros ao Estado"

Os proprietários das casas privadas do empreendimento turístico Zmar, na Zambujeira do Mar, em Odemira, continuam a protestar contra o alojamento de imigrantes por causa da covid-19. Isto numa altura em que se revela que …

Há estranhas rádios-fantasma na Rússia (e exploradores entraram numa delas)

Aos 14 anos, um jovem comprou um rádio de ondas curtas e estava a testá-lo quando encontrou a transmissão errada - uma rádio fantasma. Imagine que é um entusiasta da rádio, sozinho à noite, a trabalhar …

Deputado do Bloco acusado de violência doméstica avança com queixa em tribunal

Catarina Alves, ex-namorada do deputado Luís Monteiro, acusa-o de violência doméstica. O bloquista nega as acusações e diz que vai apresentar queixa no tribunal. Luís Monteiro vai apresentar queixa contra a ex-namorada que o acusou de …

Gestão do Novo Banco vai receber bónus de 3,9 milhões em 2022

A equipa de administração do Novo Banco tem à sua espera um bónus de 3,9 milhões de euros no próximo ano. O banco registou prejuízos de 1.329 milhões de euros no ano passado. O Novo Banco …

Ainda não há planos para vacinar voluntários com AstraZeneca e J&J (nem dados sobre combinação de vacinas)

A vacinação de voluntários com menos de 60 ou 50 anos que aceitem receber as vacinas da AstraZeneca ou da Johnson & Johnson ainda não tem planos ou datas para arrancar. A Comissão de vacinação …

Celebrar ou cancelar Napoleão? 200.º aniversário da morte do imperador desperta debate em França

No 200.º aniversário da morte de Napoleão Bonaparte, o presidente francês Emmanuel Macron optou por fazer o que os seus antecessores evitaram. Ao escolher colocar uma coroa de flores esta quarta-feira no túmulo de Napoleão sob …

Costa começa a namorar a esquerda. Negociações do Orçamento arrancam em julho

O Governo está a preparar-se para arrancar com as reuniões preliminares de negociação do Orçamento do Estado para 2022. O Público avança, esta quinta-feira, que os encontros formais vão ser realizados com os partidos de esquerda …

O orgulho, os milhões da Champions e (talvez) um título estão em jogo neste Clássico

O FC Porto não desiste da corrida pelo título, mas o segundo lugar é a principal luta deste Clássico. A posição dá acesso direto à Liga dos Campeões. Benfica e FC Porto defrontam-se hoje na Luz, …