Fezes de morcego ajudam a decifrar o passado da humanidade

Uma equipa de investigadores australianos usou fezes de morcego para ajudar a entender uma parte do passado dos nossos ancestrais.

Para perceber melhor como é que artefactos antigos são alterados pelo sedimento em que estão enterrados durante milhares de anos, uma equipa de investigadores levou a cabo uma experiência bizarra. Os arqueólogos australianos enterraram ossos, pedras, carvão e outros objetos em guano de morcego, cozinharam-no e verificaram as mudanças.

Guano é um adubo de substâncias orgânicas, particularmente excremento de aves ou morcegos.

Os autores estão a procurar expandir o nosso conhecimento sobre os primeiros humanos modernos a chegar ao sudeste da Ásia.

“A nossa experiência com cocó de morcego pode parecer ciência louca, mas está a ajudar a preencher lacunas na história do povoamento do sudeste asiático nas últimas dezenas de milhares de anos”, disse o autor principal do estudo, Conor McAdams, citado pela Phys.

Como as cavernas ocupadas no passado pelos nossos ancestrais humanos também eram, muitas vezes, ocupadas por morcegos, não é incomum encontrar artefactos arqueológicos enterrados em guano.

A ideia para a experiência surgiu numa escavação arqueológica na caverna Con Moong, no Vietname. Lá, a camada de guano de morcego tinha quase quatro metros de espessura.

“Queríamos entender como era o meio ambiente, há milhares de anos, na caverna Con Moong”, disse McAdams.

Os investigadores queriam entender como é que o ambiente pode ter mudado e se vestígios arqueológicos podem ter sido destruídos como resultado dessas mudanças ou da presença de guano de morcego.

O guano, realça McAdams, é conhecido por se tornar ácido e destruir materiais arqueológicos. Em contrapartida também forma minerais de fosfato, que podem ser úteis como indicadores ambientais.

Na sua experiência, os investigadores notaram que “todos os materiais foram sujeitos a mudanças surpreendentemente rápidas, especialmente osso e calcário”. Além disso, verificaram que esses materiais mudavam quimicamente de mês para mês e que qualquer material arqueológico enterrado nestas condições dificilmente sobreviveria.

Assim, os resultados do estudo publicado na revista Journal of Archaeological Science sugerem que as bactérias desempenham um papel importante na destruição de materiais arqueológicos sob estas condições.

Daniel Costa Daniel Costa, ZAP //

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Agora imaginem daqui a milhares de anos, descobrirem as fezes do Sócrates… o que encontrariam? Mais do mesmo. Certamente…

RESPONDER

Marinha dos EUA está a desenvolver drones para matar ovos em ninhos de pássaros selvagens

A Marinha norte-americana e a empresa Hitron Technologies uniram esforços para desenvolver um drone autónomo projetado especificamente para procurar e destruir o maior inimigo da Marinha: os pássaros. Os drones, que estão já a ser testados …

Cientistas criam hologramas que se movem pelo ar

Uma equipa de cientistas da Universidade Brigham Young, nos Estados Unidos, conseguiu desenvolver um holograma que projeta imagens em movimento. Se é fã de Star Treck, ficará impressionado com a mais recente inovação. Um grupo de …

Gangue detido por falsificar a especiaria mais cara do mundo

As autoridades espanholas detiveram um gangue que fazia milhões de euros por ano a falsificar a especiaria mais cara do mundo: o açafrão. Os 17 membros da quadrilha foram detidos na região de Castela-Mancha. Os criminosos …

Santuário medieval recebe escultura em pedra que usa máscara contra a covid-19

Uma catedral histórica do Reino Unido renovou um santuário do século XIV, acrescentando um detalhe que coloca em evidência o momento pandémico que o mundo vive. Agora, a nova escultura está a usar uma máscara …

Aos 10 anos, Adewumi chegou à elite mundial do xadrez (e fugiu ao Boko Haram)

Tanitoluwa Adewumi foi perseguido pelo Boko Haram, fugiu da Nigéria e foi sem-abrigo nos Estados Unidos. Agora, com apenas 10 anos, chegou à elite mundial do xadrez. Grande Mestre é um dos títulos vitalícios concedidos pela …

Hegemonia económica da China cada vez mais longe. Queda demográfica coloca Pequim sob pressão

O objetivo do país é tornar-se na maior potência económica do mundo nos próximos anos, mas a corrida pela hegemonia - disputada com os EUA - pode não ser uma meta fácil de alcançar. O …

Miss Universo 2021. Concorrente da Singapura usa roupa com o slogan "Stop Asian Hate"

Bernadette Belle Ong, uma concorrente do Miss Universo 2021, vestiu uma roupa com as cores de Singapura que continha as palavras Stop Asian Hate ("parem com o ódio contra os asiáticos"). Bernadette Belle Ong aproveitou o …

A Índia está a tornar quase impossível a vacinação dos sem-abrigo

A Índia está a dificultar o processo de vacinação dos sem-abrigo, uma vez que o programa requer um número de telemóvel e uma morada residencial. Muitas pessoas não têm nem um, nem outro.  Na Índia, quase …

Violência contra as mulheres é "uma pandemia", alerta ONU

Uma década após a criação da Convenção de Istambul, o marco dos tratados de direitos humanos para acabar com a violência de género, as mulheres enfrentam um ataque global aos seus direitos e segurança, alertaram …

Já se sabe qual a ocasião mais perdida do ano devido à pandemia (e há uma campanha para compensar)

Tomar um café com um amigo ou um familiar é o momento mais perdido do último ano devido à pandemia de covid-19. Nos últimos 12 meses, e em todas as cidades europeias, estima-se ter havido …