/

Três golpes de marketing usados pelas empresas para esconder a inflação

10

Drobot Dean / Canva

A inflação está a atingir valores recorde em vários países — e as empresas estão a adotar várias estratégias de marketing subtis para esconder as subidas dos preços.

Valor dos produtos

Sem surpresa, as vendas de produtos de “marca própria” ou “marca branca” tendem a aumentar quando os rendimentos caem. Em linha com isso, lojas e supermercados responderam à inflação recente promovendo produtos “básicos” ou “essenciais” a preços baixos. Isso também aconteceu na década de 1970.

Os produtos de marca própria geralmente são mais lucrativos para os comerciantes do que vender produtos de marca dos fabricantes. Mas o preço muito baixo deixa pouca margem de lucro e, portanto, os supermercados enfrentam o dilema de que estes produtos possam canibalizar as vendas de outros com margens mais altas.

Por outro lado, a promoção de produtos individuais com preços baixos ajuda os comerciantes a transmitir uma percepção de acessibilidade e bom valor.

Como a inflação disparou mais recentemente, Aldi e Lidl ganharam 1,8% juntos das vendas de supermercado no Reino Unido nas 12 semanas até 7 de agosto de 2022, representando uma mudança anual de 2,3 mil milhões de libras nos gastos. O Aldi também ultrapassou recentemente o Morrisons para se tornar o quarto maior supermercado da Grã-Bretanha.

A vontade dos comerciantes de se mostrarem campeões do consumidor no combate à inflação também foi vista recentemente durante o que normalmente são negociações de rotina. Em julho, uma disputa sobre o aumento de preços de produtos como latas de feijão cozido levou o supermercado Tesco a congelar os seus pedidos da empresa de alimentos Heinz.

A perspectiva de um dos maiores supermercados do Reino Unido deixar de vender produtos da Heinz rapidamente chegou às manchetes e a publicidade resultante foi sem dúvida um resultado vantajoso para ambos: a Tesco ficou vista como defensora dos consumidores, enquanto a Heinz enfatizou o valor premium dos seus produtos.

Diminuir a quantidade do produto

Em tempos de pressões inflacionárias de custos, uma estratégia comum para fabricantes de bens de consumo rápido, como alimentos embalados, bebidas e cosméticos, tem sido manter o preço de um produto, mas reduzir o seu conteúdo.

Muitas vezes chamado de “encolhimento”, este processo silencioso pode ser revertido quando os custos de produção caírem novamente. É quando o fabricante promove em voz alta um produto novo e maior com uma percentagem “extra grátis”.

Embora essa estratégia possa funcionar mesmo quando o conhecimento dos preços dos consumidores é alto, movendo-se em pequenos aumentos, essa é outra área em que os tempos mudaram desde a década de 1970. O conhecimento dos consumidores sobre os preços caiu desde a década de 1970.

Os preços de referência (que permitem comparações de diferentes produtos com base no custo por valor) agora são menos visíveis, em parte porque o código de barras substituiu os rótulos individuais que continuam a lembrar os consumidores do preço após a compra, todas as vezes que um produto é usado.

No entanto, a ascensão das compras online permitiu que os consumidores fizessem as  suas próprias comparações. Uma simples pesquisa pode expor facilmente a contração, permitindo comparações imediatas de preço por unidade de peso/volume.

Faça-o sozinho

É muito simplista dizer que as empresas fazem as coisas e os consumidores as consomem. De facto, muitos dos produtos que consumimos resultam dos esforços combinados de produtor e consumidor.

As pressões inflacionárias podem levar os consumidores a substituir ainda mais os seus próprios custos por custos caros dos fabricantes. Móveis de embalagens planas, por exemplo, reduziram as pressões de custo sobre os fabricantes e permitiram que os consumidores poupassem realizando eles mesmos partes do processo de montagem.

Esta tendência para a “co-produção” é ainda mais acentuada em serviços que são hoje mais dominantes nas economias nacionais do que na década de 1970, por exemplo a banca, que passou das agências para o online. O autoatendimento, voluntariamente ou não, é outra forma de mitigar os efeitos da inflação.

Mudanças permanentes?

Mudanças de longo prazo no comportamento do consumidor são mais prováveis como resultado de múltiplos fatores ao invés de um único problema. E assim as consequências da inflação desta vez serão diferentes por causa de outros fatores, especialmente as alterações climáticas e os efeitos da pandemia.

Uma questão intrigante é se nos moveremos em direção a uma cultura dominante que seja menos focada no consumo. As sociedades sempre tiveram subculturas que defendem valores de consumo minimalistas, mas tem havido uma tendência emergente para as pessoas reavaliarem as suas escolhas e prioridades de vida nos últimos anos.

A inflação crescente, as mudanças climáticas (e a vergonha climática) podem fornecer outro impulso para trazer estas atitudes marginais para o mainstream.

  ZAP // The Conversation

10 Comments

  1. Vem sempre tudo a dar ao mesmo: quem paga sempre a factura total é o povo, somos todos nós, os desconhecidos que sustentaram sempre e continuam a sustentar o grande capital e os partidos.

    • Tem uma solução. Comece a produzir, pague salários dignos, pratique preços justos!
      Porque não o faz?!
      Olhe…falar é fácil…

  2. o exemplo da banca é caricato… querem que se faça tudo online servindo os balções apenas para ativiade comercial, isto é, venda de crédito, mas depois além de passarem a ter o cliente a fazer de funcionário ainda aumentaram as taxas…
    Sempre que posso faço por ser atendido a balção seja em bancos seja em outros serviços como é o caso das telecomunicações. De certo modo ao usarmos o serviço de balção estamos a combater o desemprego certo?
    outra das coisas que não dispenso é o envio das faturas em papel via CTT. Comercialmente muitas empresas dizem que por questões ambientais estão a eliminar o papel e a enviar as coisas por email mas depois quando questionamos se isso se traduz em beneficio para o Cliente dizem logo que não … por isso enviem para casa…
    Uma forma simples de poupar algo seria remeter as coisas a preto e branco mas mandam sempre a cores, com panfletos publicitários e tudo…

  3. A BECEL com sabor a manteiga continua com a mesma embalagem, dourada e com o mesmo tamanho mas o produto reduziu, primeiro de 500 gr para 450 gr, depois de 450 gr para 400 gr. e tiveram a lata de quase duplicar o preço. Desisti de comprar, o Continente vende embalagem branca de 500 gr, a metade do preço e o sabor é quase igual ao da Becel.

    • … ou seja a embalagem de 500g de marca branca também dobrou o preço, certo?
      Uma simples visita por vários hipers, mostra a concertação de preços que estes fazem, para que o Zé Povinho pague sem bufar muito… O que me admira é que a entidade responsável por detectar e punir este tipo de situações não faça nada… Ainda devem estar de férias…

      • A tal entidade fazer até faz. Veja bem: os consumidores são enganados, os supermercados são multados e o dinheirinho que nos andaram a sacar a mais… vai em forma de multas para os bolsos do Estado.

        Assim na práctica o Consumidor continua a ser esmifrado e o Estado esfrega as mãos de contente.

    • Caro leitor,
      Obrigado pelo reparo, está corrigido.
      Em relação às virgulas em excesso, não encontrámos nenhuma que tivéssemos sentido necessidade de remover.

  4. No Brasil o roubo das empresas sobre o consumidor é muito pior. Aqui temos cholocate que não tem chocolate. Ou com tão pouco chocolate que nem consta a percentagem, como vocês tem aí em Portugal, ex.: Cacau 70%. O chocolate Nestle vendido na Europa é superior ao doBrasil, e olhe que produzimos a fruta. E mais barato, mesmo convertendo Euro em Reais. Biscoito wafer tb aqui ficou pior qualidade, tanto pela inflação quanto pela ganância dos empresários em conluio com o governo corrupto, p/ex: aumentou o preço do biscoito e diminuiram o tamanho, para o consumidor bobo ou ‘cúmplice’ comprar com alegria. Vale para o arros, feijão, carne aqui é mais pra exportação, pra vocês, pois empresário quer ganhar em Euro ou Dolar. Refrigentantes daí tem menos açucar que o do Brasil, o que é muito bom para diabetes. Além da empresa ganhar mais, pois açucar é mais barato do que o xarope. Tem mais, mas deixa p/outra vez.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.