A maioria das estátuas no Egito não tem nariz. Foram partidos de propósito

B10m / Flickr

A Grande Esfinge de Gizé, no Egito

Uma ou duas vezes e poderia ter sido um acidente infeliz. Mas quando a maioria das estátuas antigas têm narizes partidos, percebe-se que alguma coisa suspeita está a acontecer.

Edward Bleiberg, um curador das galerias de arte egípcias do Brooklyn Museum, admite que foi algo que não notou até um grande número de visitantes ter questionado sobre a falta de perfeição de muitas das estátuas do museu.

Supondo que foi acidental, decidiu analisar o assunto mais profundamente. O resultado, construído em estudos anteriores sobre vida após a morte, está a ser apresentado numa exposição chamada “Striking Power: Iconoclasm in Ancient Egypt”.

“A consistência dos padrões onde o dano é encontrado na escultura sugere que é propositado”, disse Bleiberg. Não foram apenas as estátuas as vítimas. Até os relevos em 2D mostram evidências de desfiguração deliberada.

Bleiberg argumenta que isto deriva do facto de que os antigos egípcios acreditavam genuinamente que os ícones continham as almas dos mortos. Consequentemente, estátuas, relevos e outras imagens permaneciam como uma espécie de portal entre o mundo dos vivos e o mundo sobrenatural dos deuses e dos mortos – um ritual ativaria a estátua para que ela se tornasse possuída pelo espírito da sua semelhança.

A maioria das imagens foram guardadas nos túmulos e templos da civilização. No primeiro, os descendentes do falecido poderiam alimentar os seus antepassados ​​na vida após a morte com presentes – às vezes, literalmente comida. No último, os mortais podiam enviar as ofertas de deuses em troca da sua guarda do Egito. Esta crença dava aos ídolos poder – e a única maneira de tirar este poder era através de atos de vandalismo. “A parte danificada do corpo já não é capaz de fazer o seu trabalho”, explicou Bleiberg.

Assim, sem ouvidos, não pode ouvir suas orações. Sem braços, não pode aceitar ofertas. E sem nariz não consegue respirar. Isso efetivamente “mata” o espírito-ícone. Um pequeno ladrão de túmulos pode cortar o nariz para evitar que a pessoa se vingue.

O antigo Egito tem uma longa história de danos à imagem humana. Na pré-história, por exemplo, múmias eram deliberadamente danificadas. Os hieróglifos oferecem instruções que incluem a queima de efígies de cera para guerreiros que partem para lutar e os faraós disseminam decretos que ameaçam punir aqueles que chegam ao ponto de destruir a sua aparência.

Mais tarde, quando o cristianismo chegou, esculturas, relevos e outros ícones das antigas divindades egípcias foram vandalizados para impedir que os demónios “pagãos” ressuscitassem. “As imagens no espaço público são um reflexo de quem tem o poder de contar a história do que aconteceu e o que deve ser lembrado”, acrescentou Bleiberg.

Mas a prática de desenterrar ícones não se limita ao Egito. Há atos semelhantes de vandalismo exibidos em retratos que datam da Grécia, Roma e do Império Persa. De acordo com Mark Bradley, da Universidade de Nottingham, Reino Unido, pode ser um símbolo do “nariz-docking” – uma punição da vida real distribuída no mundo clássico, Egito antigo, América pré-colombiana, Europa Medieval, Índia primitiva e o mundo árabe.

O nariz do imperador bizantino, Justiniano II, foi cortado quando destronado, para que não tentasse subir ao trono novamente. Hércules ganhou o apelido de “Nose Docker” depois da sua propensão para cortar o nariz de arautos que não diziam o que ele queria ouvir.

“Tem sido um gesto poderosamente simbólico associado à falta de poder, humilhação, visibilidade, exclusão, perda de identidade e dor”, escreve. O apagamento de homens e mulheres poderosos na história através da destruição da sua imagem é uma prática conhecida que data muitos países diferentes e períodos de tempo.

Os motivos destes vândalos podem continuar desconhecidos, mas podemos ter certeza de que não era por acaso.

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Teorias não faltam… Só falta Israel vir dizer que danificaram os narizes para não se parecerem com Judeus. Uma verdadeira Kabbalah…

  2. Outra teoria é que as estátuas são na sua maioria de negros, pois os antigos egípcios eram negros. E dado que alguns historiadores desonestos intelectualmente, e seus empregados capangas, sempre tentaram branquear os antigos egípcios, cortaram o nariz, por exemplo da esfinge, por ser um nariz “à boca de sino”, ou seja largo, que qualquer pessoa identificaria logo com o nariz de um preto, e isso não podia ser, o estado de avanço a que chegaram não podiam ser pretos. Mas Heródoto, o grego tido por “pai da história” sempre disse que os antigos egípcios eram negros e que Pitágoras e outros matemáticos gregos foram para o Egipto aprender com eles. Pitágoras por exemplo viveu 20 anos no Egipto a “beber da fonte” ou seja a aprender com os escribas ou sacerdotes egípcios.

  3. Coincidências do passado com a actualidade, às estátuas cortaram-lhes o nariz ao país o nome, portanto há vândalos de todas as espécies e em todos os tempos!.

RESPONDER

Inscrição hebraica com 2.800 anos revela antigo nome bíblico

Uma equipa de arqueólogos encontrou um jarro com 2.8000 anos com a inscrição em hebraico "Benayo" no sítio arqueológico de Abel Beth Maacah, no norte de Israel, local várias vezes mencionado na Bíblia Hebraica.  De …

Braga vence FC Porto e conquista Taça da Liga. Sérgio coloca lugar à disposição

O Sporting de Braga venceu hoje o FC Porto por 1-0 e conquistou a Taça da Liga, com Ricardo Horta a marcar o golo decisivo aos 90+5, garantindo um troféu que os bracarenses já tinham …

Rara moeda de ouro com a cara de Eduardo VIII vendida por preço recorde

Uma rara moeda de ouro com o perfil do rei britânico Edward VIII foi vendida a um comprador particular pelo valor recorde de 1,3 milhões de dólares. A informação é avançada pela Royal British Mint, a …

Depois dos incêndios, Austrália está prestes a experimentar uma "bonança" de aranhas mortais

Depois dos incêndios florestais que assolaram o país, os australianos começaram a implorar por chuva. O bónus de aranhas mortais não estava incluído no pedido, mas os especialistas do Australian Reptile Park acreditam que é …

Governo admite retirar cidadãos nacionais de Wuhan

As autoridades portuguesas estão a cooperar com outros países europeus para reforçar o apoio aos cidadãos nacionais que se encontram em Wuhan, onde ocorreram os primeiros casos do novo coronavírus, admitindo a possibilidade de retirá-los …

Os cogumelos podem ser muito mais antigos do que pensávamos

Os cogumelos podem ser mais antigos do que pensávamos, concluíram cientistas que dataram vestígios de micélio (constituinte dos cogumelos) com 800 milhões de anos, divulgou esta quarta-feira a Universidade Livre de Bruxelas, na Bélgica. Estudos anteriores …

Comer iogurte natural pode ajudar a reduzir o risco de cancro da mama

Uma das causas mais apontadas para o cancro da mama é a inflamação causada por bactérias nocivas. Esta tese ainda não foi provada, mas é apoiada pelas evidências até agora disponíveis de que a inflamação …

Primeiro caso suspeito de infeção por coronavírus detetado em Portugal

Foi detetado o primeiro caso suspeito de infeção infeção pelo novo coronavírus , em Portugal, anunciou este sábado a Direção-Geral de Saúde. “Este doente, regressado hoje [este sábado] da China, onde esteve na cidade de Wuhan …

Slava Semeniuta transforma chuva em atmosfera néon

O artista e fotógrafo russo Slava Semeniuta, também conhecido como Visual Scientist, mistura elementos naturais e faz mágica com eles. Slava Semeniuta, também conhecido como Visual Scientist, retoca fotografias de poças de água para criar composições …

Empresa quer vender dispositivos que extraiem água potável do ar

A empresa israelita Watergen está a planear começar a vender uma versão para o consumidor do seu aparelho que extrai água potável do ar ainda este ano. A tecnologia do gerador atmosférico da empresa está em …