18 milhões de anos sem sexo. Espécie clonou-se para sobreviver

(dr) Karin Kiontke / David Fitch

Diploscapter pachys

Pela primeira vez, uma equipa de cientistas sequenciou uma espécie minúscula, exclusivamente assexuada de vermes, cuja origem data de há cerca de 18 milhões de anos. O trabalho confirma que essa espécie está entre as mais antigas linhagens vivas conhecidas de animais assexuados.

A pesquisa, publicada na revista científica Current Biology, explica como é que a espécie minúscula saiu viva do beco sem saída em que os organismos assexuados geralmente se veem em detrimento das forças da evolução.

“Os cientistas têm tentado entender como é que alguns animais podem sobreviver por milhões de anos sem sexo, porque uma abstinência tão rígida e de longo prazo é muito rara no mundo animal”, disse o professor de biologia da Universidade de Nova York e o coautor do estudo, David Fitch, em comunicado.

“Esse fenómeno é significativo na compreensão da genética evolutiva porque contraria amplamente a visão aceite de que a reprodução sexual é necessária para eliminar mutações destrutivas e para a adaptação a um ambiente em mudança”, afirmou ao EurekAlert!.

Herdar cópias de ambos os genes dos pais geralmente é uma boa apólice de seguro para animais, por evitar a acumulação de mutações que podem ser nocivas, num processo conhecido como complementação.

“A longo prazo, a produção de descendentes através da relação sexual permite a adaptação às condições em mudança ao longo do tempo, porque isso gera variações por meio do agrupamento genético ou recombinação”, explicou Fitch no comunicado.

“No entanto, uma vez que essa mistura não ocorre dentro de espécies assexuadas, elas tendem a extinguir-se rapidamente. Por esse motivo, tem sido um longo mistério na biologia como alguns animais assexuados sobreviveram por tantas gerações”, acrescentou.

Diploscapter pachys, o espécime recém-sequenciado, é pequeno, transparente e um assexuado verme natural (também conhecido como nematódeo). Está intimamente relacionado com o “Caenorhabditis elegans”, um organismo sexual geralmente usado em pesquisas biomédicas.

A equipa derivou a genealogia do D. pachys via ADN para revelar que se originou há aproximadamente 18 milhões de anos entre um grupo de espécies exclusivamente assexuadas.

Clonar para sobreviver

Quando a equipa investigou melhor como o D. pachys se reproduz, descobriu-se que o processo de geração de células germinativas foi alterado para prevenir a recombinação, algo comum em muitos outros organismos assexuados. “Basicamente, os animais clonavam-se“, afirmou Fitch.

Além disso, os cientistas ficaram surpreendidos ao saber que os clones de D. Pachys continham apenas um único par de cromossomas.

Pares de cromossomas únicos como este são extremamente raros em organismos superiores. Na verdade, existem apenas duas outras espécies animais conhecidas com essa característica. Mesmo espécies muito semelhantes, como a C. elegans, contêm entre 5 a 7 cromossomas.

Em seguida, a equipa sequenciou o genoma de D. pachys, com o objetivo de testar a estrutura do cromossoma único, para ver se apareceu com o desaparecimento de outros cromossomas se era realmente a fusão de múltiplos cromossomas ancestrais.

Descobriu-se que a espécie D. pachys ignora a meiose – o processo pelo qual os organismos sexuais reduzem os cromossomas a metade e produzem gametas – bem como a recombinação. Em vez disso, o verme estudado combina os seis cromossomas do antepassado num único, mantendo a alta diversidade genética de forma assexuada.

“Dessa maneira, o mistério da longevidade parece ser amplamente resolvido: a D. pachys supera as desvantagens da reprodução assexuada mantendo a variação genética, e com esta, complementação”, explicou Fitch.

“Ironicamente, isso é obtido ao assegurar-se de que não há recombinação entre as cópias de genes. Se isso ocorresse, as diferenças entre as cópias de genes poderiam ser perdidas. Na verdade, a D. pachys conseguiu-se livrar de vários dos genes necessários para construir a máquina de recombinação que existe nos organismos sexuais”, concluiu.

Estudar esses resultados poderia ajudar os cientistas a desenvolver uma compreensão mais profunda da reprodução assexuada, com implicações na reprodução humana no futuro.

Este trabalho pode fornecer informações sobre como os seres humanos podem um dia criar clones que sobrevivem durante gerações, evitando a morte e a extinção da espécie.

PARTILHAR

RESPONDER

Coleção de joias da era Viking é encontrada na Ilha de Man. É "excecionalmente rara"

Uma coleção de joias da era Viking foi encontrada na Ilha de Man, entre Inglaterra e a Irlanda, em novembro de 2020 e foi agora classificada como tesouro. Os especialistas acreditam que os artefactos, descobertos …

“As brasileiras são mercadoria". Professor da UP suspenso por comentários machistas e xenófobos nas aulas

Após uma denúncia que reuniu assinaturas de mais de uma centena de alunas, o professor auxiliar Pedro Cosme da Costa Vieira foi suspenso pelo período máximo de 90 dias, da Faculdade de Economia da Universidade …

Houve buzinão na Luz (mas sem "carinho"). Jesus culpa covid-19 pela crise do Benfica

Algumas dezenas de adeptos protestaram junto ao Estádio da Luz com um buzinão, entre gritos de "Rua Vieira" devido aos maus resultados do Benfica. Antes disso, Jorge Jesus tinha apelado a um "buzinão de carinho" …

Marcelo remete diretamente para o Governo limites ao ruído nos prédios

O chefe de Estado incluiu o detalhe "decreto-lei do Governo", no novo decreto para a renovação do estado de emergência, para permitir que o Executivo limite o ruído nos prédios. No último decreto que executou o …

Clubes ingleses decidiram: não há público, acabou a época

Decisão não afeta a Premier League mas antecipa o final de quatro divisões do futebol inglês. Na época passada os campeonatos também não chegaram ao fim. Muitos dos campeonatos não-profissionais (em várias modalidades) estão parados, não …

Cães podem ter consciência corporal tal como os humanos

Os cães podem não ser capazes de se reconhecer em frente a um espelho, mas isso não significa que não tenham um certo nível de autoconsciência. De acordo com o site Science Alert, um novo estudo …

Moratórias de crédito à habitação terminam a 31 em Março. Famílias terão de procurar opções

Todas as moratória públicas para o crédito à habitação terminam a 30 de Setembro, mas a dos bancos expira já no próximo mês. Uma das soluções para quem não consegue cumprir os pagamentos é a …

Finanças: Mais dinheiro para a TAP só com novo acordo com Bruxelas

O Ministério das Finanças refere que, enquanto não houver a luz verde de Bruxelas ao plano de reestruturação, não há mais apoio público à companhia aérea.  A TAP só garante a liquidez até final de março, …

Primeiros fundos chegam até junho. Costa pede “consenso” no Plano de Recuperação

O ministro do Planeamento, Nelson de Souza, anunciou esta quarta-feira no Parlamento, que os novos subsídios europeus do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) para 2021-2026 chegarão até ao mês de junho. De acordo com o …

Descobertos "ingredientes para a vida" em rochas com 3,5 mil milhões de anos

Investigadores descobriram moléculas orgânicas em formações rochosas super antigas na Austrália, revelando o que dizem ser a primeira evidência detalhada dos primeiros ingredientes químicos que poderiam ter sustentado as formas de vida microbianas primitivas da …