Dois terços dos animais selvagens podem desaparecer até 2020

kohlmann.sascha / Flickr

-

A vida selvagem global pode sofrer uma redução de até 67%, até ao final desta década, devido às atividades humanas, alerta um relatório do Fundo Mundial para a Natureza (WWF) divulgado esta quinta-feira.

O relatório Planeta Vivo, indica que os humanos estão a subjugar o planeta de uma forma “sem precedentes” na história da Terra, e sublinha que as mudanças necessárias se devem centrar na forma como as sociedades se abastecem e alimentam.

A organização não-governamental refere que as populações globais de peixes, aves, mamíferos, anfíbios e répteis decresceram 58% entre 1970 e 2012 – o que pode implicar uma redução, em dois terços, das populações globais de animais até 2020.

O documento ressalva, no entanto, que 2020 é também “um ano de grandes promessas”, com o início dos compromissos assumidos no acordo de Paris sobre redução de emissões de gases com efeito de estufa e a obrigatoriedade das primeiras ações ambientais no âmbito do novo plano de desenvolvimento sustentável do planeta.

Estas medidas, a par do cumprimento dos objetivos internacionais de biodiversidade estabelecidos para 2020, poderão contribuir para garantir as reformas necessárias nos sistemas de produção de alimentos e de energia para proteger a vida selvagem em todo o mundo, sustenta a WWF.

“A vida selvagem está a desaparecer nas nossas vidas a um ritmo sem precedentes”, assinala Marco Lambertini, diretor geral da WWF Internacional.

Lambertini destaca ainda que a humanidade possui as “ferramentas” necessárias para corrigir este problema, que deverão ser utilizadas de imediato “se encaramos seriamente a preservação de um planeta vivo que garanta a nossa própria sobrevivência e prosperidade”.

O relatório da WWF utilizou o Índice do Planeta Vivo, criado pela Sociedade Zoológica de Londres (ZSL), para acompanhar as tendências da vida selvagem, e que revela como as populações de animais selvagens se têm vindo a reduzir.

“O comportamento humano continua a impulsionar o declínio das populações de animais selvagens em todo o mundo, com especial impacto nos habitats de água doce” afirmou Ken Norris, Diretor de Ciência da ZSL.

“Mas é muito importante, no entanto, saber que estes são declínios, ou seja, ainda não são extinções — e isso deve ser uma chamada de atenção para mobilizar todos os esforços de forma a promover a recuperação destas populações”, sublinhou.

O “Antropoceno” – um efeito da atividade humana

A perda de ‘habitat’, a degradação e a sobre-exploração da vida selvagem constituem as principais ameaças às espécies identificadas, e estão diretamente relacionadas com as ações dos humanos.

O estudo refere que o planeta “está a entrar num território completamente inexplorado”, referindo-se a uma possível “sexta extinção em massa” – um período que os investigadores já designam por “Antropoceno”.

A organização não-governamental destaca que a produção de alimentos é a principal causa da destruição dos ‘habitats’ naturais e da sobre-exploração de animais selvagens.

“Atualmente, a agricultura ocupa cerca de um terço da área total da Terra e é responsável por quase 70 % do uso da água”, destaca o relatório divulgado.

Ao avaliar o impacto da atividade humana no planeta, o documento aconselha alterações na forma como se produzem e consomem os alimentos, mas garantindo que o mundo se mantenha alimentado de forma sustentável.

A proteção adequada do ambiente, uma “mudança urgente do sistema, do comportamento individual, das empresas e dos governos”, os exemplos sobre a gestão de recursos naturais ou os recentes acordos globais sobre as alterações climáticas, constituem um sinal de esperança na valorização do ambiente.

“Sabemos o que é preciso para construir um planeta resiliente para as gerações futuras, só precisamos é de agir de acordo com esse conhecimento”, acrescenta Marco Lambertini.

O Relatório Planeta Vivo 2016, principal publicação bianual da WWF, acompanhou entre 1970 e 2012 mais de 14.000 populações de vertebrados de mais de 3.700 espécies.

ZAP / Lusa

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. O título não quer dizer certamente que iremos perder 67% dos animaizinhos em 4anos, pois não? Isto como está escrito…francamente! Eu cliquei porque realmente parecia um número ridículo e depois lá se percebe porquê no texto.
    Fui pescado pelo isco do clique!!

RESPONDER

Friends: atores já terminaram as gravações do episódio especial

Ainda antes de os talk shows serem suspensos devido à COVID-19, Matt LeBlanc foi um dos convidados do The Kelly Clarkson Show, onde confirmou que as gravações do episódio especial de FRIENDS estavam concluídas. O programa …

YouTube remove vídeos que vinculam falsamente a Covid-19 ao 5G

A onda de teorias falsas que ligam a pandemia da COVID-19 ao 5G levou a uma série de incidentes, incluindo ameaças a engenheiros. Agora, o YouTube está a reprimir essa desinformação. O YouTube informou que removerá …

Engenheiros construiram um ventilador caseiro. Pode servir como "último recurso"

Uma equipa de engenheiros da Universidade de Vanderbilt, nos Estados Unidos, construiu um ventilador caseiro que pode ser usado como último recurso. A pandemia de covid-19 continua a desafiar as comunidades médicas e uma das ameaças …

Sepultura de genocídio encontrada no Ruanda pode conter 30 mil corpos

No Ruanda, foi encontrada uma sepultura que pode conter 30 mil vítimas do genocídio no país em 1994. Cerca de 800 mil tutsis e hutus moderados foram assassinados. Mais de 25 anos depois de um genocídio …

Belenenses SAD entra parcialmente em lay-off

"A indústria do futebol está entre as mais atingidas pelos efeitos da pandemia", que provocou a suspensão de praticamente todas as provas futebolísticas, destaca o Belenenses SAD. O Belenenses SAD, da I Liga de futebol, entrou …

Dois milhões de máscaras furtadas em Espanha podem ter sido vendidas em Portugal

O equipamento médico e sanitário furtado está avaliado em cinco milhões de euros e terá sido adquirido por uma empresa portuguesa que conhecia a proveniência do material. Um empresário de Santiago de Compostela foi detido por, …

Facebook terá tentado comprar um software de espionagem em 2017

O Facebook tem estado envolvido em vários escândalos e o mais recente está relacionado com a alegada compra da ferramenta Pegasus, usada para hackear iPhones. A empresa de segurança informática NSO Group, responsável pela Pegasus, alega …

Primeiro-ministro espanhol diz que coronavírus desafia o futuro da UE. E fá-lo em sete idiomas

O primeiro-ministro espanhol Pedro Sánchez publicou no domingo um artigo em sete idiomas europeus, argumentando que o coronavírus pode ser a ruína da União europeia (UE) caso não sejam tomadas medidas mais drásticas para lidar …

Viseiras de Leiria despertam cobiça. Bélgica e EUA queriam comprar toda a produção

Várias empresas de moldes e plásticos da região de Leiria estão a fabricar viseiras de protecção contra a Covid-19. Uma adaptação em tempos de pandemia que está a levantar atenção no estrangeiro, com EUA e …

Apple vai começar a produzir um milhão de máscaras por semana

O presidente da Apple, Tim Cook, anunciou que a empresa poderá produzir um milhão de máscaras por semana a partir do próximo fim de semana. Tim Cook explicou, na sua conta da rede social Twitter, que …