/

Foi (finalmente) resolvido o grande mistério da origem do Rio Colorado

Rebecca Dorsey / Rebecca Dorsey / University of Oregon

Uma equipa de geólogos publicou dois artigos que fornecem novos detalhes sobre a origem do rio Colorado. Na pesquisa foram usados dados de antigos depósitos sedimentares localizados a leste da falha de San Andreas, no sul da Califórnia.

Os artigos apresentam evidências de que a paisagem agora deserta do vale inferior do rio foi submersa há cerca de 5 milhões de anos, devido a mares rasos com marés fortes e flutuantes correntes que fluíam para frente e para trás ao longo da trajetória do rio atual.

De acordo com os investigadores, as camadas de rochas sedimentares que contêm fósseis marinhos, tocas e estruturas sedimentares, registam um aumento no nível do mar o que  fez com que as marés invadissem o vale antes da chegada do Rio Colorado.

O primeiro artigo, liderado por Brennan O’Connell, focou-se nos sedimentos do final do Mioceno ao início do Plioceno, expostos a leste do Rio Colorado, na Califórnia.

No novo artigo, os autores descrevem uma mistura de argilitos carbonáticos, restos de plantas e vestígios de organismos antigos que registam condições de água salobra, onde a água do mar foi diluída por um grande influxo de água doce devido à alta pluviosidade anual – tudo isto antes das águas do rio Colorado fluíram para na região.

A evidência “fornece um registo claro de entrada de água doce e condições de água salobra devido à mistura de água doce e água do mar num clima húmido com alta precipitação anual”, escreveu a equipa.

O segundo artigo documenta sedimentos de maré da mesma idade no lado oposto do mesmo estreito de maré. Os sedimentos acumularam-se no local onde fortes correntes varreram o norte e o sul ao longo do eixo do estreito das marés, conduzindo a migração de grandes dunas e depositando assim areias carbonáticas em grande escala.

Os autores sugerem que as formas de leito de dunas em migração não se poderiam ter  formado por processos semelhantes às marés num lago, como alguns cientistas propuseram, refere o Phys.

Os resultados da equipa indicam que, após a deposição do final do Mioceno ao início do Plioceno, os sedimentos foram elevados a altitudes até 330 metros acima do nível do mar nas Montanhas Chocolate, como resultado da deformação crustal de longo prazo relacionada com o movimento na falha de San Andreas.

“Os novos documentos fornecem evidências conclusivas de que a Formação Bouse do sul se criou dentro e ao redor das margens de um estreito de marés que enchia o vale do baixo rio Colorado antes da chegada do sistema fluvial moderno”, explicou Dorsey, professor do Departamento de Ciências da Terra da University of Oregon.

Um mapa do curso marítimo das marés do sul de Bouse, reconstruido com dados de ambos os estudos, mostra que as comunidades do deserto de Blythe, perto de Palo Verde, na Califórnia, foram submersas em mares rasos com fortes correntes de maré flutuantes durante o final do Mioceno ao início do Plioceno.

Os estudos foram publicados na revista internacional Sedimentology.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

  Ana Moura, ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.