Mulher que doou os seus órgãos transmitiu cancro a 4 pessoas

Quatro pessoas que receberam órgãos do mesmo doador desenvolveram posteriormente cancro da mama, revelou um novo estudo. O caso, que remota a 2007, representa uma situação extremamente rara.

Rins, pulmões, fígado e coração foram retirados de um mesmo dador para serem implantados em quatro recetores diferentes e todos acabaram por ter cancro da mama depois da operação, segundo um estudo publicado em abril no American Journal of Transplantation.

Os quatro doentes desenvolveram metástases e três acabaram por morrer. O quarto doente conseguiu sobreviver depois de os médicos terem voltado a remover um dos rins doados e após ser submetido a múltiplos tratamentos.

A dadora, uma mulher holandesa de 53 anos que morreu na sequência de um ataque cerebral em 2007, não tinha nenhum problema médico conhecido, nem muito menos lhe foi diagnosticado qualquer tumor maligno nos seus órgãos.

O autor do estudo, o professor de Nefrologia na Universidade de Amesterdão, Frederike Bemelman, qualificou o caso como “extremadamente raro“. “Há sempre um pequeno risco. [Mas] também há uma pequena probabilidade de que algo aconteça durante o  processo”, comentou o especialista.

“Este é o primeiro caso de transmissão de cancro da mama como resultado de um transplante de órgãos de um único dador que afetou quatro pacientes. Nenhum estudo anterior detetou um intervalo tão longo entre o transplante e a manifestação do tumor”.

Um caso “excecional”

De acordo com o El País, o primeiro recetor afetado foi uma mulher de 42 anos que recebeu ambos os pulmões e foi diagnosticada com cancro da mama com metástases já em outros órgãos, apenas 16 meses após a operação.

Uma análise de ADN determinou que as células tumorais que acabaram por matar a mulher eram provenientes dador. Face a isto, a Eurotrasplant reportou o caso em janeiro de 2010.

O recetor do rim esquerdo também morreu da doença em 2013. Pouco depois, em 2014, a mulher transplantada com o fígado do doador faleceu. A recetora foi alertada para a presença do tumor em 2011, mas recusou-se a remover o órgão.

Um homem de 32 anos, que recebeu o outro rim, também foi alertado sobre a situação. E, neste caso, o órgão foi removido, a doença foi tratada e consegui sobreviver – dos quatro transplantados, este foi o único sobrevivente.

O recetor do coração morreu cinco meses depois da operação devido a uma infeção. Em todos os recetores, foram detetados nas células tumorais marcadores de ADN que coincidiam com o perfil genético da doadora.

A transmissão de uma neoplasia – cancro – após um transplante de um órgão acontece apenas cerca de cinco vezes em 10.000 intervenções e na maioria dos casos a tecnologia disponível não permite que seja detetada antes da doação.

A Diretora de Serviços Médicos da Organização Internacional de Transplantes, Elisabeth Coll, afirmou à agência EFE que “estes casos infelizes acontecem excecionalmente, porque são impossíveis de serem detetados antes”.

“Antes de se fazer um transplante de qualquer órgão são realizados todos os testes possíveis para descartar qualquer transmissão neoplásica”, salientou a responsável.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

6 COMENTÁRIOS

  1. Onde está “A dadora foi alertada para a presença do tumor em 2011, mas recusou-se a remover o órgão.” deveria estar “recetora” em vez de “dadora” (já que a dadora tinha falecido em 2007).

  2. Creio que deverá de ter havido negligência médica, pois é da responsabilidade dos mesmos determinar se os órgãos estão perfeitos para transplante.
    É apenas a m/opinião.

    • Neste caso fizeram todos os exames e não foi detectando cancro na doadora, aliás a doadora nunca desenvolveu cancro.
      Não se pode responsabilizar os médicos porque não houve negligência, é uma situação muito rara mas possível de acontecer.

Responder a MR Cancelar resposta

Mais de 50 jornalistas subscrevem abaixo-assinado em defesa de Maria Flor Pedroso

Mais de 50 jornalistas, entre os quais Adelino Gomes, Henrique Monteiro, Anabela Neves e Francisco Sena Santos, subscreveram esta sexta-feira um abaixo-assinado em defesa da jornalista Maria Flor Pedroso, diretora de informação da RTP. "Confrontados com …

O maior sítio arqueológico submerso do mundo mora no México (e está a surpreender os especialistas)

Uma equipa de especialistas está a explorar há cerca de quatro anos o Grande Aquífero Maia, localizado no México, e tem feito descobertas surpreendentes que vão desde numerosos sítios arqueológicos a vestígios de homens primitivos.  Durante …

Passes baixam para 70 e 80 euros para utentes da região Oeste

Os passes nos transportes públicos para Lisboa vão baixar para 70 euros para utentes de Alenquer, Arruda dos Vinhos, Sobral de Monte Agraço e Torres Vedras, e para 80 euros dos restantes concelhos da região. A …

Parar de comer quando se está cheio nem sempre é fácil (e há uma razão para isso)

Com alguns alimentos, parar de comer — mesmo quando se está cheio — nem sempre é fácil. Isto porque algumas destas comidas podem ter sido feitas de forma a que tal aconteça. Nenhum alimento é criado …

Há milhares de misteriosos buracos no fundo do mar da Califórnia

Surgiu um novo mistério perto da costa de Big Sur, na Califórnia, no fundo do Oceano Pacífico: há milhares de pequenos fragmentos redondos retirados dos sedimentos do fundo do mar.   A descoberta foi feita como parte …

NASA apresenta "mapa do tesouro" para encontrar água em Marte

Uma equipa de cientistas da NASA elaborou um mapa da água congelada que existe em Marte e que se acredita estar a apenas 2,5 centímetros abaixo da superfície do Planeta Vermelho - isto é, à …

Já se sabe como é que planetas florescem a partir de pequenos pedaços de poeira

Uma equipa de investigadores validou uma teoria que pode explicar como é que os planetas crescem a partir de pequenos pedaços de poeira interestelar. O crescimento de um pequeno pedaço de poeira até um planeta inteiro …

Rainha Isabel II está a procura de um gestor de redes sociais

A família real britânica está à procura de um gestor de redes sociais. O salário vai oscilar entre os 53 e 59 mil euros anuais por 37 horas semanais, de segunda a sexta-feira. A rainha Isabel II …

Cinco antepassados de crocodilos viveram há 150 milhões de anos na Lourinhã

Pelo menos cinco crocodilomorfos, antepassados dos crocodilos, viveram na região da Lourinhã há 150 milhões de anos, durante o período do Jurássico. Num artigo publicado na Zoological Journal of the Linnean Society, os paleontólogos Alexandre Guillaume, …

A radiação de Chernobyl está a deixar as abelhas esfomeadas (e isso é má notícia)

Apesar de não haver humanos na Zona de Exclusão de Chernobyl, a área em torno da cidade ucraniana de Pripyat onde a Central Nuclear de Chernobyl entrou em colapso em 1986, e apesar do nível …