Cultura bancária torna as pessoas desonestas? A Ciência foi à procura de resposta

Será que são as pessoas desonestas que se tornam banqueiras ou será que é toda a cultura envolvente que torna as pessoas desonestas? Uma equipa de cientistas foi à procura de resposta.

A profissão de banqueiro nem sempre traz as melhores memórias a maior parte da pessoas. Escândalos financeiros, fuga ao fisco, manipulação de taxas de juros, entre outros, são vários assuntos que nos deixam de pé atrás quando pensamos num banqueiro. Mas será este um estereótipo que temos em relação à profissão ou será que a cultura bancária torna as pessoas desonestas?

Um estudo publicado esta semana na revista científica Natura procurou resposta para esta pergunta, mas acabou por chegar a uma conclusão ambígua.

Para o fazer, os cientistas analisaram dois bancos comerciais, um no Médio Oriente e outro na Ásia, e perceberam que os banqueiros não são mais propensos a serem desonestos do que as pessoas de outras profissões.

De acordo com a Inverse, a conclusão deste estudo contrasta com os resultados de outro estudo de 2014, publicado na mesma revista científica, que sugeriu que os banqueiros são mais propensos a fazer batota num jogo de moeda ao ar depois de lhes fazerem perguntas sobre o banco em que trabalham e sobre há quanto tempo estão lá.

Surpreendentemente, por outro lado, caso perguntassem aos banqueiros como é que passavam os seus tempos livres, estes eram menos propensos a fazer batota.

Michel Maréchal, coautor do estudo de 2014, realça que quando as pessoas não eram relembradas daquilo que faziam na vida, “não havia sinais de batota”. Por essa mesma razão, o especialista acredita que os resultados sugerem que “as pessoas que são bancárias não são particularmente desonestas“.

Neste novo estudo, liderado por Max Planck, 148 banqueiros do Médio Oriente e 620 banqueiros asiáticos jogaram o mesmo jogo de moeda ao ar. Apesar de algumas das pessoas que foram relembradas da sua ocupação profissional terem feito batota, os valores não foram significativos o suficiente.

Dos 27 bancos contactados para participar na experiência, apenas dois deles aceitaram. Como tal, a equipa de cientistas reconhece que a amostra em estudo pode ter sido enviesada. O estudo de 2014 pode ter sido responsável, já que, à partida, os bancos não quereriam participar num estudo que faz a sua profissão ficar mal vista.

Os cientistas destacam que é necessária mais investigação sobre as diferenças culturais dentro dos bancos para identificar fatores que possam influenciar a cultura da empresa — tanto negativa como positivamente. Contudo, os cientistas encontram dificuldades em estudar a desonestidade nos banqueiros, uma vez que estes não querem ser estudados.

“Consegue-se imaginar que as pessoas que decidem se os seus funcionários devem ou não participar num estudo sobre desonestidade optem por não o fazer”, realçou Maréchal. “Esse é o problema de replicar o nosso estudo — é difícil encontrar bancos que queiram participar”.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Estado de emergência devido a novo derrame de combustível no Círculo Polar Ártico

As autoridades russas declararam o estado de emergência na localidade de Tukhard, na Sibéria, devido ao derramamento de 44,5 toneladas de combustível num lago, naquele que é o segundo desastre ecológico no Círculo Polar Ártico …

Bélgica inclui Alentejo e Algarve na zona laranja com "maior vigilância"

Os viajantes que entrem na Bélgica oriundos do Alentejo e do Algarve serão sujeitos a “maior vigilância” devido à pandemia da covid-19, segundo o site do Ministério dos Negócios Estrangeiros (MNE) belga, que não especifica …

Infetado detido em Miranda do Douro por desrespeitar confinamento obrigatório

A GNR deteve em Miranda do Douro um homem, de 26 anos, por não respeitar o confinamento obrigatório que lhe foi decretado pela autoridade de saúde pública naquele concelho do distrito de Bragança. "O homem encontrava-se …

Sudão aprova criminalização da mutilação genital feminina

O Conselho Soberano, a mais alta autoridade do Sudão, aprovou a criminalização da mutilação genital feminina (MGF), uma prática muito antiga que continua generalizada no país, anunciou o Ministério da Justiça. O Conselho Soberano, composto por …

Andrzej Duda reeleito Presidente da Polónia

O chefe de Estado polaco venceu a segunda volta das eleições Presidenciais com 51,21% dos votos, derrotando o liberal Rafal Trzaskowski, anunciou, esta segunda-feira, a Comissão Eleitoral. Segundo a Comissão Eleitoral, Andrzej Duda conseguiu a reeleição …

Manifestantes criticam escolha de Macron para o Ministério do Interior. Ministro é acusado de violação

Ativistas dos direitos das mulheres protestaram, em França e no estrangeiro, contra a nomeação do novo ministro do Interior, acusado de violação, e do ministro da Justiça, que ridicularizou o movimento #MeToo. Ativistas dos direitos das …

Cinco meses depois, chefes de diplomacia da UE voltam a reunir-se em Bruxelas

A reunião contempla temas como o impacto da pandemia, a situação na Líbia, Hong Kong e na Venezuela, as relação da União Europeia com a Índia e África e o Processo de Paz do Médio …

Há 12 países que conseguiram escapar à pandemia

Tendo em conta os casos registados e comunicados oficialmente pelas autoridades, há 12 países no mundo que não registam qualquer caso de infeção. Segundo a universidade norte-americana Johns Hopkins, a covid-19 chegou a 188 países, mas, …

"Prisioneira em casa" há 4 meses. Algarvia já fez 14 testes e não se livra do coronavírus

A algarvia Tânia Poço está infectada com o novo coronavírus há quatro meses. Nesta altura, já não tem sintomas de covid-19, mas os testes que tem feito continuam a assinalar a presença do vírus naquele …

Mais duas mortes e 306 novos casos em Portugal

Portugal regista, esta segunda-feira, mais duas mortes e 306 novos casos de infeção por covid-19 em relação a domingo. Segundo o boletim diário da Direção-Geral de Saúde (DGS), dos 306 novos casos (aumento de 0,7%), 254 são …