Ainda há criaturas marinhas do Japão a chegar aos EUA depois do tsunami de 2011

(dr) John Chapman / oregonstate.edu

Lesmas marinhas japonesas que deram à costa no Oregon, Estados Unidos, em 2015

Os resultados do tsunami de 2011 no Japão ainda podem ser observados. Meses depois do maremoto, objetos japoneses começaram a chegar à costa oeste dos EUA, nos estados do Havai, Alasca, Washington, Oregon e Califórnia, além da província canadiana de British Columbia.

Estes objetos ainda estão a chegar, e são recolhidos por equipas de voluntários que limpam as praias norte-americanas. A distância entre os dois países é de 7,7 mil km.

John Chapman, investigador da Universidade Estadual de Oregon, pediu que essas equipas lhe enviassem os materiais. O cientista descobriu que 300 espécies de criaturas marinhas chegaram ao país agarradas aos objetos. Alguns deles são crustáceos, lesmas-do-mar e minhocas marinhas, segundo o The Guardian.

“Esta acabou por ser a maior experiência natural não planeada da biologia marinha, talvez na história”, diz Chapman. A pesquisa foi publicada na revista Science.

O tsunami do dia 11 de março de 2011 criou cerca de cinco milhões de toneladas de detritos que foram engolidos pela onda e arrastados pelo mar. Especialistas calculam que 70% desses materiais tenham afundado próximo do país, mas bóias, docas, barcos e outros itens flutuantes foram levados pelo mar.

Alguns desses itens surpreenderam toda a gente, como uma bola de futebol de um adolescente japonês que perdeu a casa no desastre e uma Harley-Davidson que apareceu numa praia canadiana.

Entre junho de 2012 e fevereiro de 2017, 600 objetos foram recolhidos na costa oeste dos EUA com criaturas a bordo. Muitas das criaturas são descendentes daqueles que deixaram o Japão em 2011.

A diversidade é de ficarmos boquiabertos“, diz James Carton, professor de ciências marinhas da Williams College, em Massachusetts. “É uma parte da fauna japonesa”.

Em 2016 um barco japonês chegou a Oregon com 20 peixes do oeste do Pacífico dentro. Alguns dos peixes foram colocados para exposição no aquário de Oregon.

O transporte de todas essas espécies através do Pacífico só foi possível devido aos objetos plásticos produzidos pelos humanos. Grandes tsunamis que atingiram o Japão antes da adoção desse tipo de material não produziram resultados semelhantes em termos de transferências de espécies. Materiais como plástico e fibra de vidro não se decompõem.

“Não achava que a maioria desses organismos de litoral teriam sobrevivido no mar por tanto tempo. Mas antes não tinham essa oportunidade. Agora o plástico combinado com o tsunami e eventos de tempestade podem criar essa oportunidade em grande escala”, diz Greg Ruiz, biólogo do Centro de Pesquisa Ambiental Smithsonian.

Apenas o tempo irá dizer se essas novas criaturas conseguiram colonizar a costa oeste dos EUA. Especialistas torcem para que isso não aconteça, já que isso pode significar o fim de algumas espécies nativas.

ZAP // HypeScience

PARTILHAR

RESPONDER

Portugal regista 677 novos casos de covid-19 e cinco mortes

Portugal registou, este domingo, 677 novos casos e cinco mortes na sequência da infeção por covid-19, de acordo com o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). Segundo o último boletim da Direção-Geral da Saúde, Portugal …

Estudo mostra como diferentes espécies de polvos coexistem no mesmo ambiente

Existem mais de 300 espécies de polvos a viver em diversos habitats que abrangem recifes de coral, leitos de ervas marinhas, planícies de areia e regiões de gelo polar. Mas de que forma cefalópodes tão …

As máquinas estão "muito longe" de serem mais inteligentes (mas muito perto de agir como pessoas)

A especialista em inteligência artificial Daniela Braga considera que as máquinas estão "muito longe" de substituírem totalmente os humanos ou serem mais inteligentes, mas estão "muito perto" de interagirem como as pessoas. "Acho que estamos muito …

Secreto e lucrativo, o mercado de venda de "fezes de cachalote" pode também ser violento

O âmbar cinza é altamente raro, mas também altamente valioso. Usada na indústria dos perfumes, o mercado deste material pode ser muito perigoso. Deixa na pele uma resina oleosa e tem um cheiro a tabaco, madeira, …

Empresa norueguesa garante que pode "parar" furacões antes que estes se tornam destrutivos

Especialistas ambientais advertem que o sistema de "cortina de bolhas" proposto pela empresa pode provocar efeitos indesejados. A OceanTherm, uma startup norueguesa, assegura que a sua nova tecnologia pode evitar que as tempestades tropicais se tornem …

Afeganistão: Familiares consideram "insuficientes" pedido de desculpas dos EUA

Familiares dos civis afegãos mortos por "engano" durante um ataque de um avião não tripulado 'drone' norte-americano no final de agosto em Cabul consideraram este sábado "insuficiente" o pedido de desculpas de Washington, numa entrevista …

Descoberta de pegadas fossilizadas em Espanha revela a existência de um "berçário" de elefantes

Pegadas fossilizadas foram encontradas numa praia no sul da Espanha e mostram o que pode ter sido o berçário de uma espécie extinta de elefantes. O local costeiro, situado na região de Huelva, estava normalmente coberto …

Morreu aos 98 anos o historiador, sociólogo e crítico de arte José-Augusto França

O historiador, sociólogo e crítico de arte José-Augusto França morreu este sábado, aos 98 anos, na casa de saúde de Jarzé, perto da cidade francesa de Angers, disse à Lusa a pintora Emília Nadal, sua …

Ventura: "Não vejo outra possibilidade senão a ministra da Saúde ou pedir desculpa ou ser afastada"

O Chega vai questionar formalmente o Governo pelo “facto de a ministra da Saúde ter utilizado um carro do Estado” para ir a uma ação de campanha no Porto na sexta-feira, anunciou este sábado André …

Ouvir 30 segundos de uma sonata de Mozart pode reduzir ataques de epilepsia

Ouvir a Sonata para Dois Pianos em Ré Maior (K448), de Wolfgang Amadeus Mozart, durante pelo menos 30 segundos, ajuda a reduzir a atividade elétrica cerebral associada à epilepsia resistente a medicação. Os resultados também sugerem …