Ainda há criaturas marinhas do Japão a chegar aos EUA depois do tsunami de 2011

(dr) John Chapman / oregonstate.edu

Lesmas marinhas japonesas que deram à costa no Oregon, Estados Unidos, em 2015

Os resultados do tsunami de 2011 no Japão ainda podem ser observados. Meses depois do maremoto, objetos japoneses começaram a chegar à costa oeste dos EUA, nos estados do Havai, Alasca, Washington, Oregon e Califórnia, além da província canadiana de British Columbia.

Estes objetos ainda estão a chegar, e são recolhidos por equipas de voluntários que limpam as praias norte-americanas. A distância entre os dois países é de 7,7 mil km.

John Chapman, investigador da Universidade Estadual de Oregon, pediu que essas equipas lhe enviassem os materiais. O cientista descobriu que 300 espécies de criaturas marinhas chegaram ao país agarradas aos objetos. Alguns deles são crustáceos, lesmas-do-mar e minhocas marinhas, segundo o The Guardian.

“Esta acabou por ser a maior experiência natural não planeada da biologia marinha, talvez na história”, diz Chapman. A pesquisa foi publicada na revista Science.

O tsunami do dia 11 de março de 2011 criou cerca de cinco milhões de toneladas de detritos que foram engolidos pela onda e arrastados pelo mar. Especialistas calculam que 70% desses materiais tenham afundado próximo do país, mas bóias, docas, barcos e outros itens flutuantes foram levados pelo mar.

Alguns desses itens surpreenderam toda a gente, como uma bola de futebol de um adolescente japonês que perdeu a casa no desastre e uma Harley-Davidson que apareceu numa praia canadiana.

Entre junho de 2012 e fevereiro de 2017, 600 objetos foram recolhidos na costa oeste dos EUA com criaturas a bordo. Muitas das criaturas são descendentes daqueles que deixaram o Japão em 2011.

A diversidade é de ficarmos boquiabertos“, diz James Carton, professor de ciências marinhas da Williams College, em Massachusetts. “É uma parte da fauna japonesa”.

Em 2016 um barco japonês chegou a Oregon com 20 peixes do oeste do Pacífico dentro. Alguns dos peixes foram colocados para exposição no aquário de Oregon.

O transporte de todas essas espécies através do Pacífico só foi possível devido aos objetos plásticos produzidos pelos humanos. Grandes tsunamis que atingiram o Japão antes da adoção desse tipo de material não produziram resultados semelhantes em termos de transferências de espécies. Materiais como plástico e fibra de vidro não se decompõem.

“Não achava que a maioria desses organismos de litoral teriam sobrevivido no mar por tanto tempo. Mas antes não tinham essa oportunidade. Agora o plástico combinado com o tsunami e eventos de tempestade podem criar essa oportunidade em grande escala”, diz Greg Ruiz, biólogo do Centro de Pesquisa Ambiental Smithsonian.

Apenas o tempo irá dizer se essas novas criaturas conseguiram colonizar a costa oeste dos EUA. Especialistas torcem para que isso não aconteça, já que isso pode significar o fim de algumas espécies nativas.

PARTILHAR

RESPONDER

Novo método deteta metais tóxicos em alimentos e água em apenas algumas horas

Uma equipa de cientistas da Universidade de Joanesburgo, na África do Sul, desenvolveu um método sensível para detetar níveis perigosos de metais pesados em alguns alimentos e água. Os vestígios de metais como chumbo (Pb), arsénico …

Meghan Markle vence primeira batalha judicial contra jornal britânico

A Duquesa de Sussex conseguiu que o Tribunal Superior de Londres optasse por manter anónima a identidade das suas cinco amigas, como parte da ação legal que está a ser levada a cabo. O 39º aniversário …

Cientistas obrigados rebatizar dezenas de genes humanos por causa do Excel

Só no ano passado, os cientistas viram-se obrigados a mudar os nomes de 27 genes humanos por causa de um erro de leitura do Microsoft Excel. Tal como explica o portal The Verge, que avança …

"Vai continuar a queimar". Covid-19 é parecida com fogo florestal, não com ondas e picos

Com o surgimento do novo coronavírus no mundo, vários especialistas previam que este iria surgir em ondas e picos. Agora a visão de futuro é outra e os especialistas dizem que a pandemia se compara …

Mudanças climáticas podem vir a causar mais mortes do que a covid-19, alerta Bill Gates

  As mudanças climáticas podem custar muito mais vidas nas próximas décadas do que a pandemia do novo coronavírus (covid-19). O alerta é do co-fundador da Microsoft, Bill Gates, que, através de uma reflexão no seu …

Descoberta a primeira disrupção gigante nas nuvens de Vénus

Uma equipa internacional de cientistas, que incluiu um investigador do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA), descobriu a "primeira disrupção gigante" nas nuvens de Vénus que tem fustigado as zonas profundas da atmosfera …

TVI aposta em estúdio a Norte. Nuno Santos quer Informação mais ao estilo da SIC Notícias do que da CMTV

O diretor-geral da TVI, Nuno Santos, afirmou, em entrevista ao jornal Público, que a estação de Queluz de Baixo vai apostar num estúdio no Norte, revelando ainda que pretende mudar a Informação do canal mais …

Fair-play financeiro. UEFA mantém restrições ao FC Porto

A UEFA informou, esta sexta-feira, que o FC Porto "cumpriu parcialmente as metas estabelecidas para a época 2019/20" a nível do fair-play financeiro e que vai manter as restrições impostas ao clube azul e branco. "O …

Procuradora-geral de Nova Iorque quer dissolver NRA após investigação de fraude

A procuradora-geral de Nova Iorque anunciou, esta quinta-feira, ter movido um processo judicial contra a National Rifle Association (NRA), depois de uma investigação que mostra que os seus dirigentes desviaram milhões de dólares para benefício …

MP abre inquérito sobre surto em lar de Reguengos de Monsaraz

O Ministério Público (MP) instaurou um inquérito sobre o surto de covid-19 num lar em Reguengos de Monsaraz, no distrito de Évora, que já provocou 18 mortos. Questionada pela agência Lusa, a Procuradoria-Geral da República (PGR) …