O corpo comporta-se de forma diferente quando a morte está a chegar

Os biólogos separam a vida em três fases: desenvolvimento, envelhecimento e vida adiantada. Mas um crescente número de cientistas sugere agora que há uma quarta fase, imediatamente anterior à morte, a que chamam “espiral da morte”.

Embora a maioria das pesquisas sobre a “espiral da morte” se tenha concentrado nas drosophila, as famosas moscas da fruta usadas nos estudos científicos, os cientistas acham que estes estudos podem oferecer também uma perspectiva valiosa da última etapa da vida humana.

“Acreditamos que faz basicamente parte do processo da morte geneticamente programada”, explica Laurence Mueller, director do Departamento de Ecologia e Biologia Evolutiva da Universidade da Califórnia, nos EUA.

Ao longo da última década, vários estudos com moscas da fruta sugeriram que esta espiral pode ser observada na queda da taxa reprodutiva da espécie, de acordo com uma revisão publicada por Mueller e seus colegas no início deste ano na Biogerontology.

Por exemplo, os pesquisadores descobriram que o primeiro dia em que uma mosca fêmea coloca zero ovos é um indicador significativo do fim da vida: os indicadores de fecundidade começaram a diminuir cerca de 10 dias antes de moscas da fruta jovens terem zero ovos. Os cientistas consideram que o que leva à morte das moscas também afecta a sua capacidade de reprodução nos últimos dias.

Pesquisas realizadas em 2002 com moscas da fruta do Mediterrâneo descobriram que 97% dos machos começam a ficar de cabeça para baixo 16 dias antes de morrer. Em termos relativos, este indicador potencial de uma espiral da morte também é aproximadamente igual ao momento do declínio da fecundidade nas moscas da fruta.

Em outro estudo, cientistas observaram moscas da fruta, nemátodos e peixes-zebra para verificar se os seus intestinos mostravam mais actividade, ou permeabilidade, antes da morte, testando-a administrando corantes na alimentação de cada animal.

Se a permeabilidade aumentasse, o corante escaparia para dentro do corpo do animal, e o seu corpo mudaria de cor – azul nas moscas e nos peixes e verde fluorescente nos nemátodos. A pesquisa, publicada em 22 de março na revista Scientific Reports, concluiu que o vazamento intestinal é um marcador de morte nas três espécies.

A esperança é que a investigação da espiral da morte em moscas da fruta e outros organismos possa um dia dizer aos cientistas mais sobre o declínio do corpo dos seres humanos antes da morte.

Uma espiral de morte humana?

No seu artigo de revisão, Mueller e colegas citaram um estudo de 2008, publicado na  Proceedings of the National Academy of Sciences, que apresenta evidências de que também as pessoas podem experimentar a espiral da morte.

Nesse estudo, os pesquisadores analisaram dados recolhidos sobre as capacidades físicas e cognitivas de 2262 dinamarqueses com idades entre 92 e 100 anos, entre 1998 e 2005.

A equipa de cientistas descobriu que as pontuações físicas e cognitivas de indivíduos que morreram nos dois primeiros anos do estudo foram significativamente inferiores às pontuações dos que ainda estavam vivos em 2005.

As avaliações incluíram exames de avaliação cognitiva, medidas de força física, e capacidade de realizar actividades diárias como usar o quarto-de-banho ou comer.

Basicamente, explica Mueller, uma espiral da morte nas pessoas poderia ser a razão pela qual muitas vezes vemos um aumento claro nas suas deficiências antes de uma pessoa morrer.

O estudo da morte em seres humanos é sempre um desafio, tanto por razões éticas como biológicas, mas a visão da espiral da morte em outros organismos poderia dar aos cientistas uma janela sobre como funciona em humanos.

Segundo Mueller, o próximo passo na pesquisa pode ser criar selectivamente moscas para ter grupos com espirais de morte de diferentes durações.

“Uma vez que criemos populações que são geneticamente diferentes, podemos perguntar que genes foram alterados para reduzir a espiral da morte”, prevê Mueller.

Usando esse conhecimento, os investigadores poderiam procurar no genoma humano marcadores genéticos similares. “Os seres humanos são geneticamente semelhantes às moscas da fruta”, recorda Mueller.

De acordo com o yourgenome.com, um site do Wellcome Genome Campus, organização que recolhe dados genéticos, 75% dos genes que causam doenças em humanos também estão presentes nas moscas da fruta.

Mueller diz que a pesquisa não é sobre como parar ou mesmo atrasar a morte. Em vez disso, é uma forma de melhorar a qualidade de vida das pessoas quando estão a chegar ao seu fim – e, potencialmente, reduzir brutalmente custos em cuidados de saúde no fim de vida.

“Mesmo que não sejamos capazes de alterar a data da morte de uma pessoa, gostaríamos de conseguir mantê-la completamente funcional até ao dia da sua morte”, conclui Mueller.

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Em Portugal os idosos vão para os Lares quando precisam de cuidados especiais sobretudo depois dos 80. Estarão já na tal espiral da morte com a redução das propriedades cognitivas e perda de mobilidade. No entanto alguns vivem mais 20 anos nos lares. Essa espiral da morte pode ser muito longa …

RESPONDER

Físicos produziram o campo magnético mais forte e controlável de sempre

Um grupo de cientistas do Instituto de Física do Estado Sólido da Universidade de Tóquio, no Japão, produziu o campo magnético mais forte e controlável já criado em ambientes fechados - é um macro para …

"Impossível" puzzle químico do ouro foi finalmente resolvido

Uma equipa de cientistas russos e alemães conseguiu decifrar o segredo da estabilidade da estrutura cristalina do calaverita (AuTe2) - um raro mineral metálico também conhecido como telúrio de ouro. A descoberta, publicada nesta terça-feira na …

Há caranguejos mutantes e zangados a invadir a costa dos EUA (e são verdes)

Uma espécie agressiva de caranguejo verde está a invadir as águas do estado norte-americano de Maine, deixando um rasto de destruição nos habitats e ecossistemas aquáticos. Os caranguejos (Carcinus maenas) ameaçam várias espécies, como mexilhões azuis, …

Porsche quer ser a primeira fabricante alemã a deixar o diesel

A Porsche quer tornar-se a primeira fabricante automobilística alemã a deixar o diesel, apostando em motores a gasolina, híbridos e, a partir de 2019, em veículos elétricos, anunciou este domingo o presidente executivo da empresa. "Agora …

Viver nas cidades aumenta risco de demência (e a culpa é da poluição)

Viver na cidade influencia a nossa saúde. Segundo um estudo recente, a poluição do ar pode aumentar em 40% o risco de desenvolver demência. O impacto da poluição do ar na nossa saúde já era conhecido, …

Finalmente resolvido o mistério do assassino de gatos em Londres

Um dos mistérios criminais que intrigava a Inglaterra está finalmente resolvido. A conclusão é que, afinal, o famoso assassino de gatos de Croydon não existe. O mistério à volta da morte de mais de 400 gatos …

Benfica - Aves | Triunfo de águia exuberante e perdulária

O Benfica respondeu ao triunfo do FC Porto no sábado com uma vitória caseira sobre o Desportivo das Aves, por 2-0. O resultado pode indicar algumas dificuldades por parte da formação “encarnada”, mas pode-se dizer, sem …

Aquecimento global no Pleistoceno elevou nível do mar até 13 metros

O aquecimento global no final do período do Pleistoceno, com temperaturas similares às previstas para este século, reduziu a camada de gelo da Antártida oriental e elevou o nível do mar até 13 metros acima …

Autor dos mais famosos estudos sobre comida viu 13 artigos retirados

O famoso investigador norte-americano está envolvido numa polémica, depois de 13 dos seus estudos científicos terem sido retirados de algumas publicações. É provável que nunca tenha ouvido falar de Brian Wansink mas, tal como recorda o …

NASA observa movimentos tectónicos recentes em Marte

A sonda Mars Express da NASA observou fissuras proeminentes em Marte causadas devido à ação de falhas tectónicas que atingiram a superfície do planeta há menos de dez milhões de anos. As imagens foram capturadas …