Como Sócrates está a ajudar Maduro a ganhar as eleições na Venezuela

22

chavezcandanga / Flickr

O ex-presidente venezuelano Hugo Chávez com o ex-primeiro-ministro português, José Sócrates

O Grupo Lena está a construir, na Venezuela, milhares de casas no âmbito de um projecto social que é um dos trunfos eleitorais do presidente Nicolás Maduro. Uma obra de milhões para a qual José Sócrates contribuiu decisivamente, em 2010.

Esta participação do Grupo Lena no projeto social “Gran Misión Vivienda Venezuela” foi negociada directamente por José Sócrates, quando era primeiro-ministro. O ex-governante assinou com o presidente venezuelano de então, o falecido Hugo Chávez, vários acordos, envolvendo várias empresas portuguesas em diversas áreas de actividade, incluindo o Grupo Lena.

A intervenção de Sócrates é considerada essencial para que a participação do conglomerado empresarial na construção se tenha efectivado, um processo que está a ser investigado, no âmbito da Operação Marquês, sob suspeita de um eventual tratamento de favor do ex-governante ao Grupo Lena.

O certo é que a obra prossegue na Venezuela, onde o grupo empresarial português está encarregue de construir “uma autêntica cidade”, nota o Jornal de Notícias.

Até ao fim do ano, para antes das eleições venezuelanas, onde Nicolás Maduro espera ser reeleito presidente do país, o Grupo Lena deverá terminar “8.200 apartamentos para 40 mil pessoas”, de acordo com o mesmo diário.

As obras decorrem na região de Ocumare, a cerca de 60 quilómetros de Caracas, e a ideia de Nicolás Maduro é oferecer habitação a milhares de famílias pobres, conquistando eleitorado e reduzindo o problema da falta de casas que assola um país com forte índice populacional.

O Jornal de Notícias repara o contributo que o Grupo Lena está a dar para este desiderato numa construção que decorre com matérias-primas totalmente portuguesas.

ZAP

22 Comments

    • Eu cá por mim acho bem que se consigam negócios para as empresas portuguesas.
      8200 apartamentos para 40000 pessoas é obra!
      Qualquer politico que se preze, deveria gostar de ter no seu curriculum uma conquista destas!… Mas preferem chamam-lhe corrupção!

    • O certo é que a obra prossegue na Venezuela, onde o grupo empresarial português está encarregue de construir “uma autêntica cidade”,
      … o contributo que o Grupo Lena está a dar para este desiderato numa construção que decorre com matérias-primas totalmente portuguesas.

  1. Esta notícia poderia ter por título: – COMO D. AFONSO HENRIQUES ESTÁ A AJUDAR MADURO A GANHAR AS ELEIÇÕES NA VENEZUELA. Senão vejamos… o referido rei, fundou o país. Sem país, nunca teríamos primeiros-ministros. Sem primeiros-ministros, esses criminosos nunca ajudariam as empresas portuguesas na internacionalização (o que se nos surpreende, agora, ser crime – sendo mais legítimo o “dolce far niente “), donde, como não tem aquário, um Maduro qualquer poderá ser eleito na Venezuela. Tudo uma questão de lógica (para evitar o vómito com as caixas das notícias).

    • É da cacha. Lá que não foi menino de coro não foi. Nem um nem outro com a mãe.
      Queira desculpar qualquer coisinha: O vazio do trocadilho só pode ser consequência de grave estado de desidratação – “…Ajudariam as empresas portuguesas à internacionalização…” sob influência de práticas nacionais tipo ‘jobs for the boys’? 350€ por gravidez até à idade escolar? Milhões à mercê de certa gravidade (corre só para o mesmo lado)?
      Sabe que a desidratação pode influenciar estados de alienação! Não se deixe ir nos cortejos abrilhantados de hino “e tudo à volta” – Obrigado pela vida – Sócrates (vidinhas).

  2. Claro …neste pais se fosse qualquer aglomerado de habitações de luxo para gente de poder (ricalhaços) num pais como a Alemanha ou USA, seria um grande feito para os portugas, mas, como se trata de gente com necessidade de habitação e o governo que neste caso é de esquerda e utiliza os dinheiros públicos para este fim é uma medida anti popular. Tenha sido o Sócrates ou tivesse sido outro qualquer, foi uma medida acertada com encaixes financeiros para portugal.
    Nota: Esta é uma noticia tendenciosa sem qualquer sentido.

  3. Pois é, isto de haver uma empresa portuguesa a conseguir trabalho e facturar ainda por cima lá fora, é uma chatice, cambada de malandros, que não querem alinhar com o marasmo e miséria colectiva entretanto instituída, assim as pessoas vão pensar que têm valor e deixarão de se resignar a trabalhar pelo prato de sopa.

  4. Qué vergonha ao ler estas noticias. Até onde chega a corrupção tao miserável. Esse senhor o seu Grupo pagarão caro.

    • 8200 apartamentos para 40000 pessoas é obra!
      Qualquer politico que se preze, deveria gostar de ter no seu curriculum uma conquista destas!…
      Mas preferem parar o país e andar à procura de rabos de palha!

    • Que envergonhado você me saiu Tonino…
      O ex-governante assinou com o presidente venezuelano de então, o falecido Hugo Chávez, vários acordos, envolvendo várias empresas portuguesas em diversas áreas de actividade, incluindo o Grupo Lena.
      E você tem vergonha?! Tire-lhe “masé” o chapéu, homem, e curve-se…

  5. Sócrates ajuda, estando onde está, engavetado, basta fazer-se de morto, para tudo continuar na mesma, é uma vergonha Portugal ser considerado um país de corruptos !

  6. A ignorância inata merece respeitabilidade. Agora, a arrogante ignorância que confunde fluxos de milhões interbancários compensatórios entre duas contas e às vezes três, sempre no mesmo sentido…
    Não sei se Jota-Jota não reivindicaria para si o gorro da “santa ignorância”.

  7. Implementar limites de riqueza, esta para quem ainda não pensou que comece a pensar, pois será a única solução, o dinheiro acumulado não circula e vai fazer falta neste caso aos menos abastados.

    Ideia superior, obrigado.

  8. Eu cá por mim acho bem que se consigam negócios para as empresas portuguesas.
    8200 apartamentos para 40000 pessoas é obra!
    Qualquer politico que se preze, deveria gostar de ter no seu curriculum uma conquista destas!… Mas preferem chamam-lhe corrupção!

  9. Por aquilo que vou entendendo, o Grupo Lena, empresa portuguesa, está a construir na Venezuela milhares de casas. Essa obra foi conseguida para uma empresa portuguesa que assegura trabalho a muitos portugueses.
    Para a execução dessa obra, exporta para a Venezuela produtos portugueses e isto, pelo que se conclui do artigo, por mérito de José Sócrates e estes comentadores, só pensam em rabos de palha!
    Procurem os rabos de palha, mas não se esqueçam do mérito das pessoas que tanto perseguem! .
    Repare-se ainda, esta empresa desde 1974, passou por 17 governos e sempre contribuiu com as suas obras em todos os diferentes governos.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.