Coca-Cola está a financiar os cientistas que culpam o sedentarismo pela obesidade

A Coca-Cola está a apoiar um novo modelo da ciência para explicar o problema da obesidade: a principal causa não é a má alimentação mas sim o sedentarismo.

Para manter um peso saudável, faça mais exercício e preocupe-se menos com as calorias. É esta a mensagem que a Coca-Cola, uma das maiores empresas de refrigerantes, quer passar para combater a obesidade, de acordo com o artigo do The New York Times.

Para assegurar que alguns cientistas do meio ajudam a espalhar a mensagem, a empresa tem apoiado, de uma forma logística e financeira, a Global Energy Balance Network, uma organização sem fins lucrativos.

“O principal foco dos media populares e dos que estão ligados à ciência é ‘As pessoas comem demasiado’ – e culpam o fast food, as bebidas açucaradas e por aí fora”, afirmou o vice-presidente do grupo Steven N. Blair.

“E realmente não há provas de que, de facto, seja essa a causa”, acrescenta.

https://www.youtube.com/watch?v=d5bAcK_PpKI

Especialistas da área não concordam, no entanto, com a mensagem passada pela nova organização e acreditam que este é mais um esforço da Coca-Cola para desviar as críticas sobre o papel significativo que os refrigerantes têm desempenhado na disseminação de doenças como a obesidade e a diabetes tipo 2.

Para além disso, esta preocupação por parte da empresa e da nova organização coincide com um período de crescente esforço para taxar as bebidas açucaradas, para as remover das escolas e para fazer com que parem de as incentivar, através de campanhas de marketing, às crianças.

Nas últimas duas décadas, o consumo de refrigerantes pelos americanos caiu, em média, 25%.

“As vendas da Coca-Cola estão a descer e apareceu este enorme avanço político e público contra os refrigerantes, com todos os autarcas das cidades a tentar conter o seu consumo”, diz Michele Simon, uma defensora de saúde pública.

“Isto é uma resposta direta que mostra que a empresa está a perder. A Coca-Cola está desesperada para parar este fenómeno”, acrescenta.

Alegadamente, a Coca-Cola fez, no ano passado, um donativo de 1,5 milhões de dólares à nova organização, um investimento significativo para que a Global Energy Balance Network iniciasse os trabalhos.

Para além disso, desde 2008 que a empresa providenciou cerca de 4 milhões em financiamento para vários projetos de dois fundadores da organização.

Blair, um professor da Universidade de South Carolina cuja investigação, nos últimos 25 anos, tem moldado os princípios sobre o exercício físico, e Gregory A. Hand, reitor da Escola de Saúde Pública da Universidade de West Virginia.

Segundo o The New York Times, dados mostram que o site da organização sem fins lucrativos foi registado pela sede da Coca-Cola, em Atlanta, e que a empresa é também a administradora da página.

O presidente do grupo, James O. Hill, professor da Escola de Medicina da Universidade do Colorado, defendeu que a Coca-Cola registou o site porque os membros da organização não sabiam como o fazer.

Face a esta situação, a gigante dos refrigerantes emitiu um comunicado, no qual relembrou ter uma longa história no apoio às investigações científicas ligadas às bebidas que produz.

“Temos uma parceria com alguns dos principais especialistas em nutrição e atividade física. É importante para nós que os investigadores com quem colaboramos, independentemente dos resultados, partilhem os seus pontos de vista, novas descobertas e que sejam transparentes e abertos sobre o nosso financiamento”, lê-se no comunicado.

Blair e outros cientistas afiliados com o grupo disseram que a Coca-Cola não tem controlo no trabalho que fazem e que não veem problema no facto de a companhia apoiar as suas investigações.

Porém, tanto a página oficial como as redes sociais da organização sem fins lucrativos continuam a não mencionar o apoio da Coca-Cola. Até agora, a campanha tem falhado e as redes sociais são a prova disso. O Twitter da organização conta apenas com cerca de 1000 seguidores.

Este não é o único caso de parcerias entre grandes marcas e instituições ligadas à saúde. A Sociedade Americana de Nutrição e a Academia de Nutrição e Dietética foram alvo de críticas por formarem parcerias com empresas como a Kraft Foods, a McDonald’s, a PepsiCo e a Hershey’s.

Alguns dietistas também enfrentaram duras críticas por, alegadamente, terem aceite pagamentos por parte da Coca-Cola para reconhecer o refrigerante como uma bebida saudável.

Alguns defensores da saúde pública dizem mesmo que a empresa está um passo à frente, uma vez que recruta cientistas de renome para fazer a propaganda pela empresa.

Em comunicado à imprensa, na página oficial do grupo, as declarações dizem que “os media tendem a responsabilizar os nossos hábitos alimentares para explicar a epidemia da obesidade. Mas serão as batatas fritas realmente as culpadas? Só não devemos acreditar em tudo o que vemos na televisão”. Blair sugere que o sedentarismo é também um grande fator.

Porém, vários estudos evidenciam que manter a perda de peso é mais fácil quando as pessoas controlam aquilo que comem, limitando alimentos com alto teor glicémico.

“Fazer exercício enquanto se faz uma dieta ajuda. Mas para realmente perder peso, o impacto é muito maior com as mudanças na alimentação”, diz a doutora Anne McTiernan, investigadora da Fred Hutchinson Cancer Center, em Seattle.

FM, ZAP

PARTILHAR

RESPONDER

Segurança Social demora quase cinco meses a pagar pensões

Em 2018, os beneficiários da Segurança Social tiveram de esperar, em média, 147 dias - cerca de cinco meses -, entre o dia que se aposentaram e o momento que começaram a receber a pensão …

Empresas fechadas e 28 mil despedimentos. Setor têxtil pode atravessar crise

Até 2025, a indústria têxtil em Portugal pode ver um terço das empresas a fecharem e 28 mil trabalhadores a serem despedidos. Este é o pior cenário equacionado no setor nos próximos anos. O setor da …

Ministério Público arquiva queixa de Aguiar-Branco contra Ana Gomes por difamação

Aguiar Branco tinha levantado um processo de difamação a Ana Gomes por declarações sobre alegadas ligações entre o seu escritório de advogados e o grupo Martifer. O Ministério Público (MP) arquivou a queixa apresentada pelo ex-ministro …

66 louvores a funcionários. Centeno é o ministro mais "agradecido" de todo o Governo

Mário Centeno e os seus secretários de Estado publicaram em Diário da República 66 louvores. O seu gabinete garante que não há qualquer significado político associado - nem mesmo uma despedida anunciada. O louvor é dado …

Os glaciares da Nova Zelândia estão a mudar de cor

À medida que o Hemisfério Sul entra no verão, acontece uma temporada catastrófica de incêndios florestais na costa leste da Austrália. Há casas destruídas, coalas a morrer e um fumo espesso que cobre o estado …

Não se irrite. Fisco vai comunicar de forma mais clara

A Autoridade Tributária e Aduaneira vai lançar um serviço de apoio e defesa ao contribuinte que usará uma linguagem mais simples e clara. A alteração é inspirada num modelo britânico. A Autoridade Tributária e Aduaneira vai …

Juiz Rui Rangel justificou ganhos com direitos de autor de programa televisivo

O juiz afirmou, perante o plenário do Conselho Superior da Magistratura, que os ganhos fora da magistratura correspondiam a direitos de autor de um programa na televisão. O juiz Rui Rangel, que foi demitido da magistratura esta …

Governo faz ultimato: empresas têm 30 dias para regularizar fundos europeus parados (ou devolver dinheiro)

O Governo vai dar 30 dias para que as empresas que têm fundos comunitários parados regularizem a situação. Findo esse período, terão de devolver o dinheiro. José Mendes, secretário de Estado do Planeamento, garantiu, em entrevista …

Pelo menos 58 mortos em naufrágio ao largo da Mauritânia

Pelo menos 58 pessoas morreram, esta quinta-feira, num naufrágio ao largo da costa da Mauritânia. Pelo menos 58 migrantes morreram num naufrágio ao largo da costa da Mauritânia, anunciou a Organização Internacional para as Migrações (OIM). …

Sá Carneiro, hipocrisia e maçonaria. Após troca de ataques, candidatos à liderança do PSD concordaram (mas pouco)

Os três candidatos à liderança do PSD trocaram esta quarta-feira acusações de hipocrisia e de maus resultados em diferentes momentos da história do partido, com Luís Montenegro e Miguel Pinto Luz a negarem pertencer à …