O nosso cérebro evoluiu para acumular mantimentos (e julgar os outros por fazer o mesmo)

Christian Bruna / EPA

O nosso cérebro evoluiu de uma forma que, em situações de stress, acumulamos mantimentos e julgamos os outros por fazer exatamente o mesmo.

Os media estão repletos de histórias – e a condenação – de pessoas que açambarcam as prateleiras dos supermercados . Como pode uma pessoa encher demais o carrinho e julgar as outras que estão a fazer o mesmo?

A neurocientista comportamental Stephanie Preston estuda o comportamento da acumulação há 25 anos e argumenta que isto é normal e esperado. As pessoas estão a agir da maneira que a evolução as preparou.

A palavra “acumulação” pode lembrar parentes ou vizinhos cujas casas estão cheias de lixo. Uma pequena percentagem de pessoas sofre com o que os psicólogos chamam de “transtorno de acumulação compulsiva“, guardando bens em excesso.

Mas a acumulação é, na verdade, um comportamento totalmente normal e adaptativo, que ocorre a qualquer momento em que há um fornecimento desigual de recursos. Todos acumulamos, mesmo nos melhores momentos, sem sequer pensar nisso. As pessoas gostam de ter feijão na despensa, dinheiro em poupança e chocolates escondidos das crianças.

As pessoas esquecem-se de que, não há muito tempo, a sobrevivência geralmente dependia de trabalhar incansavelmente durante todo o ano para encher a despensa para que uma família pudesse durar um inverno longo e frio – e ainda assim muitos morreram.

Da mesma forma, os esquilos trabalham todos para esconder nozes e comer durante o resto do ano. As semelhanças entre o comportamento humano e os animais não são apenas analogias. Refletem uma capacidade profundamente enraizada do cérebro para nos motivar a adquirir e economizar recursos que nem sempre estão lá. Estes comportamentos são menos motivados pela lógica e mais por um impulso de se sentir mais seguro.

Preston e a sua equipa descobriram que o stress parece sinalizar o cérebro para mudar para o modo de “acumular”. Por exemplo, um rato-canguru age com preguiça ao alimentar-se regularmente. Mas se o seu peso começar a baixar, o seu cérebro sinaliza para libertar hormonas que incitam o esconderijo meticuloso de sementes por toda a gaiola. Os ratos-canguru também aumentam a acumulação se forem roubados por um animal vizinho.

As pessoas fazem o mesmo. Se, nos estudos de laboratório, os investigadores os deixavam ansiosos, depois os participantes queriam levar mais coisas para casa com eles.

Demonstrando esta herança compartilhada, as mesmas áreas cerebrais ficam ativas quando as pessoas decidem levar papel higiénico para casa, água engarrafada ou barras de granola. Os cérebros entre as espécies usam estes antigos sistemas neurais para garantir o acesso aos bens necessários – ou àqueles que parecem necessários.

Assim, quando as notícias induzem o pânico de que as lojas estão a ficar sem comida ou que os moradores vão ficar presos durante semanas, o cérebro é programado para açambarcar e armazenar. Faz-nos sentir mais seguros, menos stressados e realmente protege-nos em caso de emergência.

Mais do que aquilo que é justo

Ao mesmo tempo em que enchem as suas próprias despensas, as pessoas ficam chateadas com quem está a consumir demais. Esta é uma preocupação legítima; é uma versão da “tragédia dos comuns”, na qual um recurso público pode ser sustentável, mas a tendência das pessoas a levar um pouco mais para si mesmas degrada o recurso a um ponto em que ele não pode mais ajudar ninguém.

Ao julgar as outras pessoas nas redes sociais, por exemplo, as pessoas exercem a pouca influência que têm para garantir a cooperação com o grupo. Como espécie social, os seres humanos prosperam quando trabalham juntos e envergonham para garantir que todos ajam no melhor interesse do grupo.

E funciona. Os utilizadores do Twitter foram atrás de um homem que diz ter acumulado 17.700 garrafas de desinfetante para as mãos na esperança de obter lucro; ele acabou por doar tudo e está sob investigação por manipulação de preços.

As pessoas vão continuar a acumular enquanto estiverem preocupadas. Também vão continuar a julgar os que levam mais do que aquilo que consideram ser justo. Ambos são comportamentos normais e adaptativos que evoluíram para equilibrar um ao outro, a longo prazo.

PARTILHAR

RESPONDER

Concorrência condena MEO a pagar 84 milhões por combinar preços com a NOWO

A Autoridade da Concorrência (AdC) aplicou uma coima de 84 milhões de euros à MEO por combinar preços e repartir mercados com a operadora NOWO nos serviços de comunicações móveis e fixas. “A Autoridade da Concorrência …

PEV quer reverter privatização dos CTT. PS admite todos os cenários

O Partido Ecologista “Os Verdes” (PEV) defendeu hoje, no parlamento, a “reversão da nacionalização” dos CTT, e ouviu o PS admitir “todos os cenários”. Numa declaração política no parlamento, o deputado José Luís Ferreira afirmou que, …

Voltar à normalidade "não está longe, mas não é já", avisa Pfizer

O administrador executivo da Pfizer, Albert Bourla, apelou na quarta-feira para que os governos de todo o mundo não reabram as suas economias demasiado depressa devido ao otimismo gerado pelas vacinas de covid-19. Bourla, de 59 …

Biden quer retomar acordo nuclear com o Irão, embora reconheça que será "difícil"

O vencedor das eleições presidenciais norte-americanas, Joe Biden, pretende retomar o acordo nuclear com Irão antes mesmo de novas negociações, assumiu o democrata numa entrevista ao New York Times. Joe Biden afirmou, durante a campanha eleitoral, …

Processo de reprivaticação da Efacec atrasado devido à discussão do OE2021

Apesar de as avaliações no âmbito do processo de nacionalização e futura reprivatização da Efacec já estarem concluídas, o processo esteve condicionado pela discussão do Orçamento de Estado para 2021 (OE2021). De acordo com o Jornal …

Costa sobre vacinação: “Há uma luz ao fundo do túnel, mas o túnel é muito comprido e penoso”

O primeiro-ministro, António Costa, advertiu esta quinta-feira que o processo de vacinação terá imponderabilidades externas a Portugal, sendo também complexo ao nível interno, com as dificuldades a aumentarem quanto maior for o universo de cidadãos …

Alterações climáticas podem colapsar os sistemas de saúde, alertam especialistas

O quinto relatório anual da Lancet sobre saúde e clima revelou que todos os países enfrentam ameaças à saúde humana, "que se multiplicam e se intensificam" à medida que as alterações climáticas originam novas pandemias …

Obama, Bush e Clinton vão vacinar-se publicamente para encorajar os norte-americanos

Os ex-presidentes dos EUA Barack Obama, George W. Bush e Bill Clinton disseram que estão prontos para serem vacinados publicamente contra a covid-19, a fim de encorajar os seus concidadãos a fazer o mesmo. Obama disse …

Retenção na fonte mensal reduzida em cerca de 2%. Salários terão um "ligeiro aumento"

As retenções na fonte em 2021 sobre salários de trabalho dependente vão reduzir-se em cerca de 2% face às praticadas este ano e irão permitir um “ligeiro aumento” do rendimento líquido mensal, segundo simulações da …

Em março já deverá haver imunização “suficientemente grande” da população

O epidemiologista Manuel do Carmo Gomes defendeu esta quinta-feira que “se tudo correr normalmente” com a vacinação contra a covid-19, no final de março haverá uma imunização “suficientemente grande” na população para evitar “grandes aumentos …