Astrónomos maias podem ter calculado movimentos de Vénus há mais de mil anos

(dr) University of California

A "Tabela de Vénus", no livro maia conhecido como o "Códice de Dresden"

A “Tabela de Vénus”, no livro maia conhecido como o “Códice de Dresden”

Uma nova análise ao Códice de Dresden, o mais antigo livro maia já conhecido até hoje pelos historiadores, sugere que um astrónomo pode ter feito uma grande descoberta há mais de mil anos.

De acordo com um novo estudo, levado a cabo pela Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos, os dados astronómicos escritos numa parte do texto, apelidada de “Venus Table” (ou “Tabela de Vénus”), não foram apenas criados, tal como se pensava anteriormente, com base em numerologia.

Segundo a pesquisa, agora publicada no Journal of Astronomy in Culture, os dados eram sim uma forma pioneira de manutenção de registos científicos que teve grande importância para a sociedade maia.

Gerardo Aldana, antropólogo responsável pelo estudo, fez uma leitura da “Tabela de Vénus”, que incorporou epigrafia (o estudo dos hieróglifos), arqueologia e astronomia.

O autor da investigação sugere que uma antiga correção matemática no texto, referente aos movimentos de Vénus, pode ser ligada à cidade de Chich’en Itza, durante o período clássico terminal de 800 a 1.000 d.C.

Até então, os especialistas na área consideravam esta “subtileza matemática” uma raridade numerológica.

No entanto, o antropólogo acredita que esta serve antes como uma correção para o ciclo irregular de Vénus, que dura 583,92 dias, tal como o nosso próprio calendário gregoriano que incorpora anos bissextos.

De acordo com a sua análise, um verbo chave no texto – “k’al” – tem um significado diferente daquele que os investigadores originalmente interpretaram.

O antropólogo considera que este termo deve ser lido como “incluir” ou “anexar”, o que lhe dá um novo significado cosmológico, ajudando a gravar uma mensagem científica bastante diferente.

“Vamos supor que os maias tinham registos históricos e mantinham esses registos de eventos astronómicos para consultá-los no futuro – exatamente o que os gregos, os egípcios e todos os outros fizeram”, explica Aldana à ScienceAlert.

Para testar essa hipótese, Aldana examinou outro sítio arqueológico maia: Copán, nas Honduras.

Os registos de Vénus nessa antiga cidade correspondiam aos registos na “Tabela de Vénus”, acrescentando peso à ideia de que as observações do movimento do planeta eram uma forma de registo histórico e científico.

Aldana acha provável que estas observações não tenham sido conservadas apenas para manutenção de registos astronómicos, mas que também serviriam como uma base importante para os cálculos dos calendários maias.

“Os maias não estudavam Vénus só para identificar estritamente quando é que o planeta ia aparecer – usavam-no para marcar os seus ciclos rituais no calendário”, explica Aldana.

ZAP / Hypescience

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Estrela morta emite cocktail de radiação nunca antes visto

Um grupo internacional de cientistas explorou o potencial do telescópio espacial de raios gama da Agência Espacial Europeia (ESA) - e outros telescópios e instrumentos - para detetar um cocktail de radiação inédita de uma …

Ator francês Dieudonné banido do Facebook por comentários antissemitas

O ator francês foi banido definitivamente do Facebook e do Instagram por causa dos comentários sobre as vítimas do Holocausto marcados por termos e expressões "desumanizantes contra os judeus". O anúncio do afastamento permanente de Dieudonné …

Última temporada de "La Casa de Papel" terá filmagens em Portugal

A rodagem da quinta temporada da série espanhola "La Casa de Papel", de Álex Pina, começa esta segunda-feira e terá filmagens em Portugal, revelou a plataforma Netflix. Em comunicado, na última sexta-feira, a Netflix explica que …

Janelas com vista para o Espaço. Virgin Galactic revela interior de nave espacial para turistas

A Virgin Galactic acaba de revelar o luxuoso design do interior da cabine do primeiro veículo SpaceshipTwo - o VSS Unity - que permitirá a astronautas e entusiastas explorar o Espaço com conforto. A Virgin Galactic, …

Irão garante ter detido líder de "grupo terrorista" dos EUA

Este sábado, o Irão anunciou a detenção do líder de um "grupo terrorista" norte-americano alegadamente responsável por um bombardeamento mortal, em 2008, numa mesquita da cidade de Shiraz, entre outros ataques. "Jamshid Sharmahd, líder do grupo …

Engenheiro reconstrói máquina que decifrou os códigos alemães Enigma na II Guerra Mundial

Hal Evans construiu a primeira réplica funcional de um ciclómetro: uma máquina construída no início da década de 1930 (e usada na II Guerra Mundial) por matemáticos polacos para ajudar a decifrar as mensagens secretas …

Governo britânico paga metade da conta para atrair clientes aos restaurantes

A medida para fazer os britânicos regressar aos restaurantes e, assim, ajudar o setor, que foi um dos mais afetados pela pandemia de covid-19, começa esta segunda-feira e vai prolongar-se até ao fim de agosto. De …

Revelados os segredos originais do "Cordeiro Místico"

Uma equipa de cientistas belgas e norte-americanos radiografou a pintura A Adoração do Cordeiro Místico para descobrir como era a obra de arte flamenga, pintada pelos irmãos Hubert e Jan Van Eyck, quando foi concluída, em …

Trump abre a porta à compra do TikTok pela Microsoft

A rede social deve ser vendida até 15 de setembro para se manter em operação nos Estados Unidos, disse, esta segunda-feira, o Presidente norte-americano. Depois de, na sexta-feira, ter anunciado que iria proibir a TikTok nos …

Egito convida Musk a verificar pessoalmente que as pirâmides não foram construídas por alienígenas

O Egito convidou o multimilionário Elon Musk a verificar pessoalmente que as míticas pirâmides do país não foram construídas por alienígenas, ao contrário do que sugeriu o CEO da Tesla e da SpaceX na rede …