Astrónomos maias podem ter calculado movimentos de Vénus há mais de mil anos

(dr) University of California

A "Tabela de Vénus", no livro maia conhecido como o "Códice de Dresden"

A “Tabela de Vénus”, no livro maia conhecido como o “Códice de Dresden”

Uma nova análise ao Códice de Dresden, o mais antigo livro maia já conhecido até hoje pelos historiadores, sugere que um astrónomo pode ter feito uma grande descoberta há mais de mil anos.

De acordo com um novo estudo, levado a cabo pela Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos, os dados astronómicos escritos numa parte do texto, apelidada de “Venus Table” (ou “Tabela de Vénus”), não foram apenas criados, tal como se pensava anteriormente, com base em numerologia.

Segundo a pesquisa, agora publicada no Journal of Astronomy in Culture, os dados eram sim uma forma pioneira de manutenção de registos científicos que teve grande importância para a sociedade maia.

Gerardo Aldana, antropólogo responsável pelo estudo, fez uma leitura da “Tabela de Vénus”, que incorporou epigrafia (o estudo dos hieróglifos), arqueologia e astronomia.

O autor da investigação sugere que uma antiga correção matemática no texto, referente aos movimentos de Vénus, pode ser ligada à cidade de Chich’en Itza, durante o período clássico terminal de 800 a 1.000 d.C.

Até então, os especialistas na área consideravam esta “subtileza matemática” uma raridade numerológica.

No entanto, o antropólogo acredita que esta serve antes como uma correção para o ciclo irregular de Vénus, que dura 583,92 dias, tal como o nosso próprio calendário gregoriano que incorpora anos bissextos.

De acordo com a sua análise, um verbo chave no texto – “k’al” – tem um significado diferente daquele que os investigadores originalmente interpretaram.

O antropólogo considera que este termo deve ser lido como “incluir” ou “anexar”, o que lhe dá um novo significado cosmológico, ajudando a gravar uma mensagem científica bastante diferente.

“Vamos supor que os maias tinham registos históricos e mantinham esses registos de eventos astronómicos para consultá-los no futuro – exatamente o que os gregos, os egípcios e todos os outros fizeram”, explica Aldana à ScienceAlert.

Para testar essa hipótese, Aldana examinou outro sítio arqueológico maia: Copán, nas Honduras.

Os registos de Vénus nessa antiga cidade correspondiam aos registos na “Tabela de Vénus”, acrescentando peso à ideia de que as observações do movimento do planeta eram uma forma de registo histórico e científico.

Aldana acha provável que estas observações não tenham sido conservadas apenas para manutenção de registos astronómicos, mas que também serviriam como uma base importante para os cálculos dos calendários maias.

“Os maias não estudavam Vénus só para identificar estritamente quando é que o planeta ia aparecer – usavam-no para marcar os seus ciclos rituais no calendário”, explica Aldana.

ZAP / Hypescience

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Rússia está a criar a primeira unidade militar com tanques robôs

A agência de notícias estatal TASS avança que o Exército russo está a montar a sua primeira unidade militar armada com tanques robôs. O Exército russo está a desenvolver a sua primeira unidade militar armada com …

PSD propõe solução ao Governo para reduzir injeção no Novo Banco

O PSD defende que o Governo tem um argumento jurídico que pode usar para limitar os pagamentos do Fundo de Resolução ao Novo Banco este ano. Em causa está um artigo do Código Civil que …

Quarentena de 21 dias, testes e fecho de casinos levam Macau a erradicar covid-19

Macau, um dos primeiros territórios a identificar o novo coronavírus, é agora um dos locais livres de covid-19, estando há cerca de 380 dias sem qualquer registo de infeção local, segundo os dados oficiais. O …

Costa preocupado com desconfinamento. Concelhos de risco dão dores de cabeça

Com a terceira fase de desconfinamento aí à porta, o Governo ainda tem dúvidas sobre o que fazer, mantendo algumas pontas soltas. A maior preocupação incide nos conselhos onde há mais casos. Durante a reunião do …

Para prevenir acidentes, China inaugura o primeiro semáforo para camelos do mundo

Autoridades do norte da China inauguraram este domingo o que dizem ser o primeiro sinal de trânsito para camelos do mundo perto da cidade de Dunhuang, província de Gansu. O semáforo para camelos entrou em operação …

PRR terá mecanismo de fiscalização no Parlamento. PSD quer bazuca durante a presidência portuguesa da UE

O ministro do Planeamento, Nelson Souza recebeu nesta terça-feira, os partidos com assento parlamentar e as deputadas não inscritas para conversas bilaterais sobre o Plano de Recuperação e Resiliência (PRR). Trata-se da chamada "bazuca" que virá …

Ministro da Saúde austríaco demite-se por falta de apoio na gestão da pandemia

O ministro da Saúde de Áustria, Rudolf Anschober, anunciou esta terça-feira a sua demissão, devido à falta de apoio na gestão da crise pandémica, cessando funções na próxima segunda-feira. "A situação é dramática nos serviços de …

OMS quer suspender venda de mamíferos selvagens vivos em mercados de alimentos

A Organização Mundial de Saúde defende a suspensão da venda de mamíferos selvagens vivos nos mercados de alimentos para evitar a propagação de doenças, avança a AFP. "Os animais, especialmente os selvagens, são a fonte de …

“Frescura, juventude e capacidade“. Coligação improvável em Penafiel junta PS e partido de Tino de Rans

O PS e o partido RIR, liderado pelo ex-candidato presidencial Vitorino Silva, formaram a coligação Penafiel Unido, que vai concorrer às autárquicas em Penafiel, distrito do Porto, com Paulo Araújo Correia como cabeça de lista, …

Marcelo, IL e Chega querem avanço do desconfinamento. PSD pede travão nos concelhos de maior risco

Marcelo Rebelo de Sousa ouviu os partidos ao longo desta tarde. A renovação de mais um Estado de Emergência está na mira, mas há quem não concorde. O Presidente da República começou por receber o Iniciativa …