Etna e Vesúvio não são os únicos a ameaçar o sul de Itália. Há um gigante submerso que também preocupa

Orietta Scardino / EPA

Vulcão Etna em erupção

Na costa sul de Itália, o maior vulcão ativo da Europa está escondido debaixo das ondas do mar. Os cientistas estão a investigar o que aconteceria se explodisse.

O Etna, na Sicília, e o Vesúvio, que destruiu Pompeia, não são a maior ameaça para as populações locais. O Marsili roubou-lhes o rótulo de inimigo vulcânico e pode devastar a península do sul da Itália e as suas ilhas.

Localizado a cerca de 175 quilómetros ao sul de Nápoles, Marsili tem 3.000 metros de altura, uma base de 70 quilómetros de comprimento e 30 quilómetros de largura. Segundo a BBC, é o maior vulcão ativo de toda a Europa e um dos muitos vulcões num arco localizado na costa sul da Sicília.

Apesar de ser gigantesco, é impossível observá-lo, uma vez que o cume fica a 500 metros de profundidade, no meio do mar Tirreno.

Guido Ventura, vulcanologista do Instituto Nacional Italiano de Geofísica e Vulcanologia, adiantou ao diário britânico que este vulcão nasceu há cerca de um milhão de anos e acumulou, ao longo dos milénios, 80 cones eruptivos, que se estendem de norte-nordeste a sul-sudoeste, ao longo de inúmeras fraturas que podem drenar lava.

Esta verdadeira bomba-relógio só foi descoberta há cerca de 100 anos. “Só no início do século XX é que começamos a mapear as bacias marítimas”, contou Ventura.

O uso crescente de submarinos pelos militares e dos novos sistemas de comunicação internacional exigiram a instalação de cabos telegráficos no fundo do mar. Como resultado, os cartógrafos identificaram o monte submarino na década de 1920.

Os primeiros estudos sobre a sua atividade só arrancaram na década de 2000. Segundo as descobertas, a última erupção do vulcão ocorreu há alguns milhares de anos. Atualmente, a sua atividade limita-se a alguns “estrondos”, acompanhados de emissões de gases e tremores de baixa energia.

Se explodisse novamente, a lava e as cinzas produzidas pela explosão seriam absorvidas pelos 500 metros de água que cobrem o monte submarino, pelo que haveria pouco risco de uma erupção atingir a terra ou ferir os habitantes das ilhas próximas.

Isso não significa, no entanto, que não existe razão para alarme.

“O perigo não é a erupção, mas os possíveis deslizamentos submarinos“, especificou o investigador. Se os movimentos sísmicos causassem o colapso de um dos lados, o fenómeno deslocaria um volume tão grande de água que provocaria um tsunami.

Além disso, é impossível evitar um desastre iminente, razão que leva os cientistas a pedir novas tecnologias para monitorizar os movimentos do Mediterrâneo.

  Liliana Malainho, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Num momento único, astrónomos viram uma anã branca a "ligar e desligar"

Pela primeira vez, uma equipa de astrónomos usou o Transiting Exoplanet Survey Satellite (TESS) para ver uma anã branca a desligar e ligar abruptamente.  Em astronomia, uma anã branca é um remanescente estelar composto principalmente por …

Pela primeira vez, o Princípio da Equivalência de Einstein foi verificado em quasares

Investigadores conseguiram medir o desvio para o vermelho gravitacional em quasares e assim estender o teste a regiões muito distantes de onde a luz foi emitida quando o nosso Universo era jovem. De acordo com a …

Cogumelos laminados

O consumo de cogumelos pode diminuir o risco de depressão

Além de reduzirem o risco de cancro e morte prematura, os cogumelos podem beneficiar a saúde mental de uma pessoa. Uma equipa de investigadores da Faculdade de Medicina de Penn State, nos Estados Unidos, analisou dados …

Os hipopótamos de Pablo Escobar começaram a ser esterilizados

O grupo de hipopótamos, mais uma parte do indesejado legado deixado na Colômbia pelo traficante de droga Pablo Escobar, está a ser esterilizado. Quando o Cartel de Medellín estava no seu auge, Pablo Escobar gastou parte …

Ian Brackenbury Channell, o "feiticeiro de Christchurch"

Duas décadas depois, uma cidade neozelandesa decidiu despedir o seu feiticeiro

Vinte e três anos depois, a autarquia de Christchurch, na Nova Zelândia, decidiu despedir Ian Brackenbury Channell, o famoso feiticeiro da cidade. Desde 1998 que Ian Brackenbury Channell era o "feiticeiro de Christchurch", sendo responsável por …

Um dos microscópios de Darwin vai a leilão. Esteve nas mãos da sua família durante quase 200 anos

Um microscópio que Charles Darwin ofereceu ao filho Leonard - e que esteve nas mãos da sua família ao longo de quase 200 anos - vai ser leiloado em dezembro e poderá valer cerca de …

Pedro Sánchez promete abolir a prostituição em Espanha, por considerar que esta "escraviza" as mulheres

Espanha é um dos países europeus com mais trabalhadoras na indústria do sexo, as quais são sobretudo originárias de países da Europa mais pobres, da América Latina e de África. O primeiro-ministro espanhol Pedro Sánchez anunciou …

"Um milagre". Dois jovens sobreviveram quase uma semana no deserto australiano

Dois jovens, de 14 e 21 anos, sobreviveram durante quase uma semana no deserto, sem água e sem comida, depois de se terem perdido no Território do Norte, na Austrália. A polícia fala num verdadeiro …

Carlos Moedas

Moedas vai "dar tudo como presidente" e exige que seja respeitada a legitimidade do seu mandato

Carlos Moedas tomou posse, esta segunda-feira, como novo presidente da Câmara de Lisboa, tendo falado dos objetivos para o próximo quadriénio e deixado um elogio ao seu antecessor e alguns avisos à esquerda. Depois dos cumprimentos …

Chanceler austríaco Sebastian Kurz

Sondagens falsas e notícias favoráveis. O lado negro de Sebastian Kurz foi desmascarado

Sebastian Kurz e pessoas que lhe são próximas foram acusados de tentar garantir a sua ascensão à liderança do partido e do país com a ajuda de sondagens manipuladas e notícias favoráveis na imprensa, financiadas …