/

Ainda há quem não acredite que Júpiter exista (os mesmos que acham que a Terra é plana)

2

NASA / JPL / SwRI

Impressão de artista de Júpiter, criada a partir de imagens captadas pela sonda Juno da NASA, que tem vindo a estudar o planeta desde que aí chegou no dia 4 de julho de 2016.

Parece que ainda ontem lamentamos a perda de Plutão. Por isso, é difícil imaginar perdermos outro planeta do sistema solar. Mas a boa notícia é que não temos de o fazer.

De acordo com o Futurism, os negacionistas  que tentaram provar que Júpiter não existe estão 100 por cento errados.

Tem circulado uma imagem desde 2021, onde se encontra uma lata de refrigerante a explodir no vácuo. A afirmação explica que se um refrigerante não consegue sobreviver ao espaço, não há maneira de um planeta feito de gás se manter unido.

“Esta simples experiência, na qual uma bebida com gás pode explodir num ambiente de vácuo, demonstra a impossibilidade da existência de um ambiente pressurizado dentro de um vácuo, sem a presença de um recipiente adequado”, lê-se na imagem partilhada pelos TRUTH Seekers, no Facebook.

“Planetas gasosos, como nos diz a NASA, não podem existir”, lê-se na publicação do grupo de conspiração.

Muitos se questionaram se o meme não seria apenas uma piada. Afinal, o grupo que o partilhou, também acredita que a Terra é plana.

Porém, muitas das pessoas que comentaram a publicação parecem estar a levar a ideia a sério, e há certamente muitas pessoas que, por razões que desafiam a compreensão, ainda pensam que a Terra é plana.

Antes de mais, é bastante claro que os gigantes do gás, de facto, existem. Pode-se ver vários deles a olho nu, por exemplo.

E além do nosso sistema solar, a NASA relata atualmente mais de 1.400 descobertas de gigantes de gás, definidos por serem um grande planeta, composto principalmente por hélio, hidrogénio, ou ambos.

Tal como Júpiter e Saturno, estes planetas não têm superfícies duras e, em vez disso, apresentam um gás que gira em torno de um núcleo sólido.

Comparar um gigante do gás a uma lata de refrigerante é extremamente redutor, e é também por isso que a experiência não desvaloriza a investigação da NASA.

Elise Knittle, professora de Ciências da Terra e Planetárias na Universidade da Califórnia, Santa Cruz, referiu, em entrevista ao USA Today, que as latas de alumínio são pressurizadas para manterem a efervescência do dióxido de carbono.

A força da lata e a pressão atmosférica exterior seguram o líquido na lata, mas quando deixada cair num vácuo, a diferença de pressão é grande e a lata rebenta.

É preciso um objeto grande para ter auto-gravidade suficiente para se manter unido, algo que os planetas têm, mas as latas de refrigerantes não.

“A gravidade do planeta é tão grande que contraria o gradiente de pressão entre o espaço exterior e o planeta”, sublinhou Knittle.

Também vale a pena mencionar que o nosso próprio Sol é uma bola gigantesca de gás queimado e parece manter a sua forma muito bem, tal como todas as estrelas.

  ZAP //

2 Comments

  1. Possivelmente os mesmos que acreditam que existem mais do que 2 géneros e que os homens podem engravidar.

    Em suma, os malucos tomaram conta do manicómio

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.