“Águia de Sangue”, o ritual de tortura e execução dos vikings, era anatomicamente possível

Conhecido como “Águia de sangue”, este ritual de tortura e execução dos vikings era anatomicamente possível, revela um novo estudo.

Famosos pelos seus longos barcos e incursões sangrentas, os vikings há muito são associados à violência brutal e exagerada. Entre os séculos VIII e XI, esses grupos deixaram as suas terras nórdicas para fazer fortuna a negociar e invadir a Europa.

Particularmente infame é a chamada “águia de sangue”, um ritual sangrento que esses guerreiros teriam realizado nos seus inimigos mais odiados. O ritual supostamente envolvia esculpir as costas da vítima e tirar as suas costelas da coluna, antes de os pulmões serem arrancados pelas feridas resultantes.

O movimento final dos pulmões espalhados nas costelas estendidas supostamente assemelha-se ao movimento das asas de um pássaro — daí a águia no nome.

Representações do ritual apareceram recentemente na série de TV Vikings e no videojogo Assassins Creed: Valhalla, bem como no filme de terror sueco de 2019 Midsommar.

Durante décadas, os investigadores rejeitaram a “águia de sangue”, sugerindo que era uma lenda. Nenhuma evidência arqueológica do ritual foi encontrada, e os próprios vikings não mantiveram nenhum registo, listando as suas realizações apenas em poesia falada e sagas que foram escritas séculos depois.

Portanto, o rito sangrento foi rejeitado como improvável, resultante de repetidos mal-entendidos de poesia complexa e um desejo dos escritores cristãos de pintar os seus atacantes nórdicos como bárbaros pagãos.

No entanto, um novo estudo tem uma abordagem totalmente nova sobre o assunto.

Uma equipa de investigadores, composta por cientistas médicos e um historiador, contornou a velha questão de “a águia de sangue aconteceu realmente?”, Perguntando em vez disso: “Este ritual poderia ter sido feito?” A resposta é um sim definitivo.

Estudos anteriores sobre a águia de sangue sempre se focaram nos detalhes de relatos medievais da tortura, com debates prolongados concentrando-se nos termos exatos usados para descrever o “corte” ou “entalhe” da águia nas costas da vítima.

Uma posição amplamente defendida é que todo o fenómeno é um mal-entendido de alguma poesia complicada, não algo que poderia realmente ter sido tentado.

Usando o conhecimento moderno de anatomia e fisiologia, juntamente com uma reavaliação meticulosa dos nove relatos medievais do ritual, os autores investigaram o efeito que uma águia de sangue teria no corpo humano. O que descobriram foi que o procedimento em si seria difícil, mas longe de impossível de ser realizado, mesmo com a tecnologia da época.

Os autores suspeitam que um tipo específico de ponta de uma lança Viking poderia ter sido usado como uma ferramenta improvisada para “abrir o fecho” da caixa torácica rapidamente na parte de trás. Essa arma pode até ser retratada num monumento de pedra encontrado na ilha sueca de Gotland, onde uma cena esculpida retrata algo que poderia ter sido uma águia de sangue ou outra execução.

No entanto, os investigadores também perceberam que mesmo que o ritual fosse executado com cuidado, a vítima teria morrido muito rapidamente. Portanto, qualquer tentativa de remodelar as costelas em “asas” ou remover os pulmões teria sido realizada num cadáver.

Embora isso possa tornar o som da águia de sangue ainda menos provável para os ouvidos modernos, também ficou demonstrado que, embora mutilar cadáveres e realizar rituais em cadáveres fosse incomum, não estava totalmente fora do personagem da elite guerreira da Era Viking.

Baseando-se em dados arqueológicos e históricos, o novo estudo mostrou que o ritual da águia de sangue encaixa-se com o que sabemos sobre como é que a elite guerreira da Era Viking se comportava.

Eles não hesitavam em exibir cadáveres de humanos e animais em rituais especiais, inclusive durante execuções.

O estudo examinou especificamente os chamados “sepultamentos desviantes”, como o esqueleto de uma nobre que foi decapitada na Birka do século X e posteriormente enterrada com os restos da sua cabeça entre o braço e o torso, com a sua mandíbula (possivelmente destruída durante a decapitação) substituída por uma mandíbula de porco.

Os guerreiros desta camada da sociedade também eram obcecados pela sua reputação e estavam dispostos a ir ao extremo para proteger a sua imagem.

A águia de sangue parece ter sido um caso mais extremo desse tipo de comportamento conduzido apenas em circunstâncias excecionais: num prisioneiro de guerra capturado que tinha anteriormente submetido o pai do praticante do ritual (ou outro parente masculino) a uma morte vergonhosa.

Nas sagas medievais, algumas dessas mortes incluem vítima a serem atiradas a uma cova de cobras, queimadas até à morte e até mesmo tendo as suas tripas arrancadas e pregadas a um poste. Nas sagas, a águia de sangue é retratada como uma forma de os familiares da vítima reivindicarem a sua honra perdida.

Os autores argumentam, portanto, que a águia de sangue poderia muito bem ter ocorrido na Era Viking. Era fisicamente possível, em consonância com os hábitos sociais mais amplos de execução e tratamento de cadáveres, e refletia uma obsessão cultural em demonstrar a sua honra e prestígio.

Além de mais, a sua brutalidade teria garantido que todos que ouvissem sobre o ritual ficassem ansiosos para contar a história em todos os seus detalhes sangrentos — assim como ainda está a ser contada hoje.

  ZAP // The Conversation

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.