Adolescente descobriu uma antiga cidade Maia a olhar para as estrelas (ou talvez não)

Google Earth

-

Um adolescente canadiano com 15 anos descobriu uma antiga cidade maia, na selva do Iucatão, sem sair de casa – apenas a observar imagens de constelações a partir do seu computador. Mas a história pode não ser bem assim.

William Gadoury, um jovem canadiano de 15 anos que confessa o seu fascínio pela civilização maia, afirma ter descoberto que a posição de estrelas em diversas constelações do mapa celeste correspondia à localização de 117 conhecidas cidades maias.

A correspondência entre constelações e cidades maias é uma descoberta que nunca tinha sido feita pelos arqueólogos e outros cientistas que durante séculos estudaram a civilização meso-americana, que se desintegrou antes da chegada de Cristóvão Colombo, em 1492.

Gadoury reparou que, no caso de uma constelação de três estrelas, apenas dois astros correspondiam a outras tantas cidades, pelo que começou a investigar se poderia haver uma urbe ainda não descoberta.

O adolescente de Saint-Jean-de-Matha, na região de Lanaudière (Québec), começou a estudar imagens de satélite proporcionadas pela agência espacial canadiana (CSA), até que descobriu o que pareciam estruturas humanas na selva do Iucatão, no sudoeste do México, segundo relata a notícia publicada inicialmente no Le Journal de Montréal.

Tanto a CSA como as agências espaciais dos EUA e do Japão corroboraram que as estruturas descobertas pelo jovem correspondem a uma pirâmide e a cerca de 30 edifícios do que parece ser uma das maiores cidades da civilização maia.

Gadoury batizou a suposta nova cidade como “K’aak Chi'”, que significa “Boca de Fogo” na língua maia.

Nem tudo o que reluz

Os especialistas em civilização maia, no entanto, já começaram a alertar para as falhas nesta teoria. Para alguns investigadores mexicanos e especialistas em arqueologia, a suposta descoberta do jovem William Gadoury é uma teoria que deve ser verificada e uma especulação arriscada.

O arqueólogo David Stuart refere à Wired que a descoberta é “falsa”, enquanto o colega Ivan Sprajc afirma que muito provavelmente as imagens captadas pelo jovem podem simplesmente retratar um campo abandonado e um lago seco.

Considerando a precisão das observações astronómicas dos maias, Héctor Hernández Álvarez, arqueólogo da Universidade Autónoma do Iucatão, no México, não considera a ideia descabida, já que os maias eram conhecidos por serem bons astrónomos e por manterem registos precisos da Lua, de Vénus e talvez até de Marte.

“Atualmente, as novas tecnologias de deteção remota permitem identificar povoações e descobrir sítios que foram ocupados por grupos de humanos no passado”, refere, citado pelo El País.

“O que tem de se confirmar é se isto realmente coincide com a ideia de que as cidades maias foram planeadas com base num cosmograma”, ou seja, uma mapa bidimensional do cosmos.

Por seu turno, Harri Kettunen, presidente da Associação Europeia de Maianistas e investigador na Universidade de Helsínquia, na Finlândia, refere ao Observador que “não há razões para acreditar que isto seja baseado em investigação científica”.

Nikolai Grube, especialista em hieróglifos maias e professor na Universidade de Bona, na Alemanha, explica que o padrão para a construção das cidades maias estava relacionado, principalmente, com “a disponibilidade de recursos, como água, bom solo e acesso a rotas comerciais”.

“A maior parte das cidades que o jovem liga por linhas para mostrar que representam constelações não são contemporâneas”, explicou ao Observador.

ZAP / Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Há gelo no polo sul da Lua e pode ter muitas fontes

Um novo estudo sugere que o gelo encontrado na superfície lunar pode ter milhares de milhões de anos, além de ter surgido de diferentes fontes. O estudo, publicado recentemente na Icarus, sugere que a maioria do …

A Evolução mostra que podemos ser a única forma de vida inteligente no Universo

As reduzidas probabilidades que acompanham a nossa evolução ao longo da história podem ser uma pista que talvez sejamos a única forma de vida inteligente no Universo. Será que estamos sozinhos no Universo? Tudo se resume …

A China está a usar a educação como arma para controlar o Tibete

A China quer obrigar crianças tibetanas a abandonarem as escolas da região e mudarem-se para escolas chinesas. O objetivo, segundo uma especialista, é "tirar o tibetano da criança". A batalha geopolítica entre a China e o …

Revelada explosão violenta no coração de um sistema que alberga um buraco negro

Uma equipa de astrónomos, liderada pela Universidade de Southampton, usou câmaras de última geração para criar um filme com alta taxa de quadros de um sistema com um buraco negro em crescimento e a um …

"É altura de dizer basta". Sporting corta com as claques

O Sporting rescindiu “com efeitos imediatos” os protocolos que celebrou em 31 de julho com a Associação Juventude Leonina e com o Diretivo Ultras XXI – Associação, anunciou hoje o clube, devido à “escalada de …

Poluição atmosférica associada a abortos espontâneos

Elevados níveis de poluição atmosférica foram associados a abortos espontâneos num estudo feito com mulheres grávidas a viver e trabalhar em Beijing, na China. A China é um dos países que mais sofre com a poluição …

Empresas espanholas dominam obras públicas na ferrovia

As empresas espanholas dominam as obras públicas na ferrovia em Portugal, ascendendo a sua quota a 70%, avança o Expresso na sua edição deste sábado. Para presidente da Associação de Empresas de Construção e Obras …

Cada vez mais mulheres denunciam abusos médicos durante o parto

Um número crescente de mulheres tem vindo a denunciar casos de abuso durante o trabalho de parto. No entanto, pouco está a ser feito para mudar isto. Durante o parto, as mulheres ficam numa posição vulnerável …

Já podemos explorar "Melckmeyd", naufrágio holandês do século XVII

Nas profundezas do Oceano Atlântico, perto da costa da Islândia, encontram-se os destroços de um navio holandês que afundou há 360 anos, no qual agora podemos "mergulhar" graças a uma experiência de realidade virtual. Quando a …

Os furacões podem provocar atividade sísmica tal como um terramoto

Uma equipa de cientistas descobriu um novo fenómeno geofísico no qual furacões ou fortes tempestades podem produzir vibrações no fundo do oceano tão fortes quanto um terramoto de magnitude 3.5. "As tempestades, furacões ou ciclones extratropicais …