No vazio do Espaço, a Voyager 1 detetou um “zumbido” de plasma

A Voyager 1 – uma de duas naves espaciais irmãs da NASA que foi lançada há 44 anos e agora é o objeto de fabricação humana mais distante no espaço – ainda funciona e aproxima-se do infinito.

A nave já passou há muito tempo a borda do sistema solar através da heliopausa – a fronteira do Sistema Solar com o Espaço interestelar – para o meio interestelar.

Agora, os seus instrumentos detetaram o zumbido constante de gás interestelar – ondas de plasma.

Examinando dados enviados lentamente de mais de 14 mil milhões de quilómetros de distância, Stella Koch Ocker, uma estudante de doutoramento em astronomia da Cornell University, descobriu a emissão.

“É muito fraco e monótono, porque está numa largura de banda de frequência estreita”, disse Ocker, em comunicado. “Estamos a detetar o zumbido fraco e persistente do gás interestelar.”



Segundo a investigadora, este trabalho permite aos cientistas entender a forma como o meio interestelar interage com o vento solar e como a bolha protetora da heliosfera do Sistema Solar é moldada e modificada pelo ambiente interestelar.

Lançada em setembro de 1977, a nave espacial Voyager 1 voou por Júpiter em 1979 e depois por Saturno no final de 1980. Viajando a cerca de 61 mil quilómetros por hora, a Voyager 1 passou a heliopausa em agosto de 2012.

Depois de entrar no espaço interestelar, o Sistema de Ondas de Plasma da nave detetou perturbações no gás. Porém, entre essas erupções – causadas pelo nosso próprio Sol turbulento -, os investigadores descobriram uma assinatura constante e persistente produzida pelo ténue quase vácuo do Espaço.

“O meio interestelar é como uma chuva tranquila ou suave”, disse James Cordes, professor de astronomia. “No caso de uma explosão solar, é como detetar a explosão de um raio numa tempestade e depois voltar para uma chuva suave.”

Ocker acredita que há mais atividade de baixo nível no gás interestelar do que os cientistas pensavam anteriormente, o que permite aos investigadores rastrear a distribuição espacial do plasma – ou seja, quando não está a ser perturbado por explosões solares.

“Independentemente do que o Sol esteja a fazer, a Voyager está a enviar detalhes de volta. A nave está a dizer: ‘Esta é a densidade pela qual estou a navegar agora. E aqui está agora. E aqui está agora. E aqui está agora’. A Voyager está muito distante e fará isso continuamente”, explicou Shami Chatterjee, investigador da Cornell University.

“Cientificamente, esta investigação é um feito e tanto. É uma prova da incrível nave espacial Voyager”, disse Ocker. “É o presente da engenharia para a ciência que continua a ser oferecido.”

Este estudo foi publicado esta semana na revista científica Nature Astronomy.

Maria Campos, ZAP //

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. A Voyager 1 está a mais de 22700 milhões de km da Terra, e não 14000 milhões de km. Este último valor é em milhas.

RESPONDER

Astrónomos resolvem mistério cósmico com 900 anos

Um mistério cósmico com 900 anos, em torno das origens de uma famosa supernova observada pela primeira vez na China no ano 1181, foi finalmente resolvido. Uma nova investigação, publicada dia 15 de setembro no The …

Bons hábitos alimentares podem reduzir a probabilidade de contrair covid-19

Um novo estudo indica que as pessoas que comem muitas frutas e vegetais podem ter menos probabilidades de contrair covid-19. Num pesquisa que envolveu 590 mil adultos, os investigadores descobriram que as pessoas que eram adeptas …

Inteligência Artificial está a "alimentar" a violação dos direitos humanos, alerta ONU

Num novo relatório, a Organização das Nações Unidas (ONU) alertou os países que o uso imprudente de Inteligência Artificial (IA) pode estar a pôr em causa o respeito pelos direitos humanos. Michelle Bachelet, Alta Comissária das …

Foi viajar e não voltou. O misterioso desaparecimento de Gabby Petito (e do namorado)

Gabrielle Petito, uma jovem norte-americana de 22 anos, desapareceu misteriosamente. Gabby foi viajar com o namorado, que voltou para casa sozinho e não quis contar o que aconteceu — e agora também está desaparecido. Gabby Petito, …

Aos 101 anos, Ginny é a "Senhora Lagosta" e não planeia reformar-se

Virginia Oliver continua a trabalhar na pesca da lagosta, apesar de já ter 101 anos de idade. 'Ginny' não planeia reformar-se e já se tornou um meme na internet. Virginia 'Ginny' Oliver tem 101 anos e …

Dinamarca. Reclusos condenados a prisão perpétua proibidos de iniciar novos romances

Os reclusos que cumprem prisão perpétua na Dinamarca serão proibidos de iniciar novos relacionamentos amorosos, decisão proposta pelo governo após uma jovem de 17 anos se apaixonar por Peter Madsen, que assassinou a jornalista Kim …

Casal queria que o seu filho se chamasse Vladimir Putin. A Suécia não deixou

Na Suécia, os pais são obrigados a comunicar os nomes dos seus filhos recém-nascidos ao Skatteverket nos primeiros três meses a partir do nascimento. Um casal sueco, que vive na cidade de Laholm, foi proibido pela …

44 jogos seguidos sem ganhar. Mas o presidente não está preocupado

O Atlético Mogi não vence qualquer jogo oficial há mais de quatro anos. Perdeu em 42 desses 44 duelos. 17 de Junho de 2017 foi o último dia em que o Atlético Mogi venceu um jogo …

Autárquicas: António Costa promete que os municípios terão mais mil milhões de euros

O secretário-geral do PS, António Costa, indicou hoje, em Celorico de Basto, no distrito de Braga, que os municípios “vão passar a ter, a partir de abril, mais mil milhões de euros que acompanham a …

Mais de trinta anos após ter sido lançada ao mar no Japão, mensagem em garrafa é encontrada no Hawaii

Durante uma viagem ao Hawaii, uma jovem de apenas 9 anos encontrou uma garrafa que foi lançada ao mar há mais de trinta anos. Esta continha uma mensagem que, posteriormente, acabou por revelar uma experiência …