A vida pode ser milhares de milhões de vezes mais comum no Multiverso

A vida parece ser o resultado de um conjunto de constantes físicas fundamentais e perfeitamente ajustadas. Se as lei da física fossem diferentes, não estaríamos aqui para debater essa questão. Então, será tudo uma questão de coincidência ou sorte?

A teoria do Multiverso sugere que o nosso Universo é apenas um no meio de tantos outros num Multiverso infinito no qual novos universos nascem constantemente. No entanto, apesar desta multiplicidade, faria sentido que houvesse um universo com estranhas configurações, perfeitamente ajustadas, que permitissem vida.

Agora, uma nova descoberta, publicada recentemente na Monthly Notices da Royal Astronomical Society, sugere que, afinal, não é bem assim: a vida pode ser muito mais comum em universos paralelos do que pensávamos.

Embora (ainda) não existam provas físicas da existência de universos paralelos, as teorias que explicam como surgiu o nosso Universo parecem ser inevitáveis. O nosso Universo começou com o Big Bang, que foi seguido de um período de expansão muito rápido, conhecido como inflação.

No entanto, de acordo com a física moderna, é improvável que a inflação tenha sido um evento único. Em vez disso, muitas áreas diferentes do cosmos poderiam ter-se expandido subitamente, isto é, cada “bolha” criaria, por si só, um único universo.

Enquanto que uns acreditam que no futuro poderemos testemunhar impressões de colisões com universos paralelos, outros, pelo contrário, consideram que o Multiverso não passa de uma peculiaridade matemática.

Energia escura

Cerca de 70% do Universo é representado por uma misteriosa e desconhecida força, apelidada de energia escura. Segundo o SingularityHub, em vez de o nosso Universo desacelerar à medida que se expande, a energia escura faz com que a sua expansão acelere.

Muitas das teorias atuais sugerem que a energia escura deveria ser muito (mas muito) mais abundante, graças ao Multiverso. A maioria dos universos deve ter uma abundância gigantesca em relação ao nosso, mas se a energia escura fosse assim tão abundante, o universo separar-se-ia antes que a gravidade conseguisse reunir matéria para formar galáxias, estrelas, planetas e até pessoas.

O nosso Universo tem um valor estranhamente baixo de energia escura, e é esse valor que torna o nosso Universo hospitaleiro de vida.

Todavia, a teoria exige que o valor do nosso Universo para a abundância de energia escura esteja próximo do máximo permitido para que a vida inteligente exista, dado que valores maiores de energia escura devem ser mais comuns no Multiverso do que valores menores.

Em simultâneo, esperamos que a vida exista apenas num grupo muito pequeno de universos com um valor abaixo do máximo – aquele que permite que a matéria se agrupe para formar estrelas e galáxias.

Isto significa que universos com um valor comparativamente alto de energia escura (próximo do máximo) hospitaleiros de vida devem ser mais numerosos do que universos com valores baixos (próximos do mínimo).

Mal qual é esse nível máximo?

O modelo computacional do Universo – o projeto EAGLE – desenvolvido pelos investigadores envolvidos no estudo, fez uso de simulações de computador para explicar as propriedades das galáxias do nosso Universo – e fê-lo com sucesso.

Através deste projeto, os cientistas tornaram possível (e de maneira convincente) estudar como é que a formação de estrelas e galáxias continuaria em outras partes do Multiverso.

Os investigadores criaram um conjunto de universos, gerados por computador, muito idênticos, mas com diferentes quantidades de energia escura. Inicialmente, os universos expandiram-se em proporções semelhantes, mas, à medida que a energia que sobrou do Big Bang se dissipou, o poder da energia escura tornou-se importante. Os universos com muita energia escura aceleraram bastante a sua expansão.

No entanto, e para surpresa dos investigadores, os universos bebés com 100 vezes mais energia escura produzem quase tantas estrelas e planetas quanto o nosso próprio Universo. Isto significa que o nosso Universo não tem um valor de energia escura próximo do máximo.

Segundo esta investigação, a vida seria bastante comum em todo o Multiverso, talvez milhares de milhões de vezes mais comum do que pensávamos até agora.

Assim, os cientistas são forçados a concluir que o valor da energia escura não explica o motivo pelo qual estamos aqui.

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. “Coincidência ou sorte?” pode ser uma questão de sorte coincidir… LOL Têm medo de ferir suscetibilidades ao dizer que pode ter sido criado?!

    O Multiverso denota Inteligência. Inteligência não existe por acaso. O nada não forma nada.
    Nós ainda estamos a tentar descodificá-lo, somos meras crianças cósmicas ainda, mas lá chegaremos.

RESPONDER

Cientista americana diz estar certa de que a Terra será atingida por asteroide

https://vimeo.com/355132338 Uma cientista americana de uma ONG dedicada a proteger a Terra diz que é 100% certo que um asteroide atingirá o nosso planeta. A cientista é Danica Remy, presidente da Fundação B612. Após um asteroide não …

NASA vai mesmo explorar Europa, a lua de Júpiter que pode ter vida extraterrestre

A NASA deu luz verde a uma missão para explorar uma lua de Júpiter que é considerada um dos melhores candidatos para a vida extraterrestre. A Europa - que é um pouco mais pequena do que …

País de Gales cancela plano controverso de criar "casas de banho robô"

O objetivo da construção era impedir atividade sexual, vandalismo e dormidas nas casas de banho públicas. O projeto ia recorrer às tecnologias de piso sensível ao peso, jatos de água, sensores anti-movimento e alarmes. O conselho …

Sem saber, uma mulher viveu durante 17 anos com a sua "gémea" dentro dela

Uma jovem na Índia, sem saber, viveu com uma das condições médicas mais raras e perturbadoras durante quase duas décadas. De acordo com um relatório de caso desta semana, a mulher tinha um saco que continha …

Novo filme da saga 007 já tem nome e data de estreia marcada

O novo filme da saga 007, realizado por Cary Fukunaga chama-se "No time to die" e estreia-se no Reino Unido e nos Estados Unidos em abril de 2020. "Daniel Craig regressa como James Bond, 007 em... …

Comporta pode tornar-se na nova Ibiza (e tudo começou com a queda do BES)

Após anos de um quase esquecimento, em termos de desenvolvimento imobiliário, a Comporta está a atrair investidores internacionais que encaram a pequena vila de Setúbal como uma "nova Ibiza". Um cenário que está a preocupar …

Família de Aretha Franklin cria fundo para a investigação de cancro raro

Um ano após a morte da cantora, a família de Aretha Franklin criou um fundo de apoio à investigação na área dos tumores neuroendócrinos, a doença rara que se revelou fatal para a celebridade, a …

Sporting vai monitorizar tudo o que se diz e escreve sobre jogadores

A empresa Noisefeed tem uma enorme base de dados relativa à atividade nas redes sociais de milhares de jogadores a nível global. Os jogadores de futebol de todo o mundo usam, cada vez mais, as redes …

Boris janta hoje com Merkel para mudar acordo. Maioria quer novo referendo

A pouco mais de dois meses da data marcada para a saída do Reino Unido da União Europeia, uma nova sondagem mostra que a maioria dos britânico quer que qualquer novo acordo vá a referendo. Um …

Oficial: Pardal Henriques candidato a deputado pelo partido de Marinho Pinto

O advogado Pedro Pardal Henriques anunciou esta quarta-feira que aceitou o convite para encabeçar a lista do PDR a Lisboa, deixando de ser porta-voz do Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas para "não misturar …