Criar um universo em laboratório já não é uma piada no mundo da física

A ideia de um dia sermos capazes de criar um universo em laboratório deixou de ser apenas uma piada e passou a ser uma questão discutida no mundo da física.

Zeeya Merali, cosmóloga e autora do livro A Big Bang in a Little Room: The Quest to Create New Universes, aborda esta questão num texto publicado no site Aeon, analisando o tema e as suas ramificações práticas e filosóficas.

Assim, Merali inicia a sua lista de argumentos com a história de Andrei Linde, um cosmólogo da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, que escreveu um artigo sobre este tema no qual delineou a possibilidade de criar um universo em laboratório, no qual poderia desenvolver as suas próprias estrelas, planetas e até vida inteligente.

Mas Linde foi mais longe: no final do artigo, o autor sugere que o nosso próprio universo poderia ter sido criado desta forma por um físico alienígena. “Os revisores do artigo opuseram-se a esta ‘piada suja'”, conta Merali, adiantando que Linde mudou o título do artigo, mas manteve-se firme em relação à sua teoria.

É a partir desta história que Zeeya Merali afirma que a ideia da criação de um universo em laboratório tem sido cada vez mais levada a sério no mundo da física. “A noção de criação de universos – ou “cosmogénese”, como eu lhe chamo – parece menos cómica do que nunca”, refere.

Na verdade, os pares que fizeram a revisão de Linde (da Nuclear Physics B) preocuparam-se com o que não interessa, e Merali explica: “a questão que se impõem não tem a ver com quem pode, ou não, ficar ofendido com a cosmogénese (como é o caso dos religiosos), mas sim o que aconteceria se isso fosse realmente possível”.

Que responsabilidades morais surgiriam caso humanos falíveis assumissem o papel de criadores cósmicos?”, questiona.

Mas há outras questões que se impõem, como o facto de a criação de um novo universo em laboratório esbarrar de frente com as noções que os físicos têm sobre a criação do nosso próprio universo.

“Na década de 1980, o cosmólogo Alex Vilenkin, da Universidade Tufts, em Massachusetts, criou um mecanismo através do qual as leis da mecânica quântica poderiam ter gerado um universo a partir de um estado em que não havia nem tempo, nem espaço, nem matéria”, conta. Por outras palavras, o nosso cosmos poderia ter sido criado pelas leis da física.

Aliás, para Vilenkin, esta teoria desmistificava o Big Bang e o que havia antes desse evento: rigorosamente nada.

Contudo, no outro extremo, a cosmóloga encontrou Don Page, um físico e cristão evangélico da Universidade de Alberta, no Canadá. Para Page, Deus criou o Universo ex nihilo, ou seja, do nada.

Por contraste, o tipo de cosmogénese de Linde exigiria que os físicos inventassem um cosmos altamente técnico em laboratório, usando um instrumento muito mais poderoso do que o Large Hadron Collider e uma partícula-semente, chamada “monopólo magnético“, que ainda não foi encontrada.

Mas este novo universo não se iria expandir dentro do nosso. “Em vez de crescer em tamanho dentro do nosso universo, o monopólo em expansão dobraria o espaço-tempo dentro do acelerador para criar um minúsculo wormhole que levaria a uma região separada do espaço, explica a cientista.

Assim, no laboratório, “veríamos apenas a boca do wormhole, pequeno e totalmente inofensivo. Mas se pudéssemos viajar através dele, passaríamos, através de um portal, para um universo em rápida expansão”, conclui.

Responsabilidade divina

Mas Zeeya Merali aborda ainda o tema de outro ângulo: se criássemos um universo que tivesse, eventualmente, a sua própria vida inteligente, qual seria o osso papel enquanto criadores?

“Como explico no meu livro, a teoria atual sugere que, uma vez criado o novo universo, teríamos pouca capacidade de controlo da sua evolução com a possibilidade de causar sofrimento aos seus residentes. Isso não nos tornaria divindades irresponsáveis e imprudentes?”, questiona.

Merali fez a mesma pergunta a Eduardo Guendelman, da Universidade Ben Gurion, em Israel, e o físico demonstrou que as questões morais não lhe causam qualquer desconforto. “Guendelman compara os cientistas que refletem esta responsabilidade de criar um universo com os pais que decidem se querem ou não ter filhos, sabendo que irão inevitavelmente apresentá-los a uma vida cheia de dor e alegria”, conta.

No entanto, segundo a cosmóloga, os cientistas evitam falar sobre estas questões por as considerarem desnecessárias, pelo menos para já. Isto significa que as preocupações éticas podem esperar, considera a comunidade científica.

Ciência sem medo

No seu livro, Merali defende que todas as discussões são necessárias para que os cientistas consigam desenvolver o seu trabalho sem medo de ofender determinada religião.

“Os pares da Nuclear Physics B prestaram um ‘desserviço’ tanto à física quanto à teologia ao censurar a ideia de Andrei Linde de que o nosso universo poderia ter sido criado por físicos alienígenas”, aponta a cientista.

“Este pequeno ato de censura serviu apenas para sufocar uma discussão importante. O perigo real está em promover um ar de hostilidade entre estas duas visões, deixando os cientistas com medo de falar abertamente sobre as consequências religiosas e éticas do seu trabalho com medo de represálias ou, até, da sua própria ridicularização profissional”, critica a autora.

“Embora seja compreensível que os cientistas se afastem da filosofia, com medo de serem considerados estranhos por se afastarem da sua zona de conforto, o resultado indesejado é que muitos deles ficam quietos no que diz respeito às coisas que realmente importam”, conclui.

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. “Aliás, para Vilenkin, esta teoria desmistificava o Big Bang e o que havia antes desse evento: rigorosamente anda.”
    Amigos, estará esta frase correcta ?
    Continuação de bom trabalho

      • Não têm nada que agradecer amigos.
        Nós é que ficamos gratos pela informação que divulgam.
        Concordar-se com ela é “outra coisa”.
        Agora neste caso o “mensageiro” esforça-se por “entregar bem” a mensagem.
        Continuação de bom trabalho e muitas felicidades.

  2. Assumindo que o universo possa ter sido criado «a partir de um estado em que não havia *nem tempo*, nem espaço, nem matéria», que sentido faz falar do que existia *antes*? Sendo antes uma relação temporal, não faz sentido falar dela se o tempo não existir.
    Quando à possibilidade de terem sido seres, quaisquer que sejam (deus ou alienígenas), a criar o universo, essa é uma pergunta que nem sequer cabe no âmbito da ciência, pois qualquer hipótese a esse respeito não é falseável (testável). O melhor será a senhora Zeeya Merali não tentar publicar o seu pensamento em revistas de teologia ou filosofia, faz mais sentido. Ou então continuar a escrever livros e lançar para os média polémicas que lhe tragam publicidade que os faça vender.

Responder a Rui Cancelar resposta

Depois da polémica, Hank Azaria deixa de dar voz a Apu dos "Simpsons"

O ator que dá voz à personagem indiana Apu Nahasapeemapetilon, da série "Os Simpsons", anunciou que vai deixar de o fazer, depois de vários anos de polémica. Segundo a BBC, Hank Azaria anunciou, este fim-de-semana, que …

"Parasite" vence prémio principal do Sindicato dos Atores dos EUA

O filme do realizador sul-coreano Bong Joon-ho venceu, no domingo, o prémio mais importante do Sindicato dos Atores dos Estados Unidos (SAG), tornando-se o primeiro filme em língua estrangeira a receber tal distinção. A comédia negra …

Cientistas criam método inovador para tratamento de lesões agudas da pele

Investigadores do Centro de Neurociências e Biologia Celular (CNC) de Coimbra desenvolveram um método “inovador e sensível à luz”, que poderá ser útil no tratamento de lesões agudas da pele. Um grupo de investigadores do CNC …

Elon Musk quer enviar 10 mil pessoas a Marte até 2050

O CEO da Space X, Elon Musk, quer construir cem naves por ano e levar pelo menos dez mil pessoas a Marte até 2050, embora os protótipos das naves espaciais Starship ainda estejam sujeitos a …

Como será um iPhone daqui a um milhão de anos? Artista mostra o impacto de lixo eletrónico

https://vimeo.com/386000590 A exposição The World After Us: Imaging techno-aestethic futures tem instalações onde se pode ver a natureza a tomar conta de telemóveis, computadores, tablets e outros dispositivos, mostrando que dificilmente se desintegrarão nos próximos anos. Os …

Marca japonesa acusada de apropriação cultural por perucas de modelos

A marca japonesa Comme Des Garçons foi acusada de apropriação cultural devido às perucas usadas pelos seus modelos caucasianos num desfile na Paris Fashion Week, em França. De acordo com a BBC, as perucas com tranças …

Índia suspende a construção da primeira linha do comboio ultra-rápido Hyperloop

As autoridades estatais do estado indiano de Maharashtra decidiram suspender a construção da primeira linha do comboio ultra-rápido Hyperloop, que iria ligar as movimentadas cidades de Bombaim e Pune. O Governo local decidiu não avançar para …

Regina Duarte inicia "período de testes" na Secretaria da Cultura do Brasil

A atriz brasileira afirmou, esta segunda-feira, que iniciou um "período de testes" na Secretaria Especial da Cultura, pasta que foi convidada a liderar após a exoneração de um governante que parafraseou um discurso nazi. "Nós vamos …

Malásia devolve 150 contentores ilegais de lixo a países desenvolvidos

As autoridades da Malásia anunciaram, esta segunda-feira, que devolveram 150 contentores ilegais de lixo para os seus países de origem e afirmaram que não se querem tornar num "aterro sanitário" dos países desenvolvidos. Os países da …

Vietname contorna Huawei ao desenvolver tecnologia própria para o 5G

O maior grupo de telecomunicações do Vietname vai implementar este ano o 5G com recurso à sua própria tecnologia, contornando os chineses da Huawei, num sinal das implicações geopolíticas da rede de quinta geração. A empresa …