Turista belga é a mais recente vítima da ilha da morte

Per Salomonsson / Flickr

Ilha da morte, Tailândia

Ilha da morte, Tailândia

Um verdadeiro paraíso para amantes de desportos aquáticos, mas a ilha tem sido falada por outras razões. Nos últimos três anos, oito turistas perderam a vida na ilha de Koh Tao, na Tailândia, já conhecida como a “ilha da morte”.

Elise Dallemange é o último caso conhecido de mortes na “ilha da morte”. A belga de 30 anos viajava pela Ásia há quase dois anos e meio quando foi encontrada morta. A jovem vivia num retiro de yoga, que era por muitos considerado um culto.

De acordo com as autoridades, a jovem suicidou-se em abril, apesar de a história só ter sido conhecido esta quinta-feira. De acordo com o Telegraph, Elise foi encontrada na floresta enforcada e parcialmente comida por lagartos.

A mãe da jovem, Michele van Egten, não acredita no suicídio da filha, receando que alguém esteja envolvido na morte da filha: “Receamos que alguém esteja envolvido. Não aceito que a minha filha se tenha suicidado.”

A rapariga já tinha inclusive dito à mãe que ia retornar à Bélgica em breve e a mãe aponta ainda o facto de as malas de Elise terem partido num ferry que esta ia apanhar, para depois se dirigir para Banguecoque. “Não sei por que motivo ela compraria um bilhete e depois iria para a selva cometer suicídio“, afirmou.

Outras mortes

Nos últimos três anos, diversos turistas perderam a vida nesta ilha, na costa oeste do golfo da Tailândia, o que lhe deu o pouco simpático apelido de “ilha da morte”.

A primeira morte foi a de Nick Person, com 25 anos. Na passagem de ano de 2014 o jovem terá caído de uma falésia. O seu corpo foi encontrado a flutuar. A mãe do jovem, num documentário realizado depois da tragédia, aconselhou todos os pais a não deixarem os filhos viajarem para a ilha. “Peço a todos os pais que façam de tudo o que puderem para não os deixar ir. É muito perigoso”, disse.

Dimitri Povse, um turista francês de 29 anos foi encontrado enforcado no bungalow na noite de passagem de ano, em 2015. As autoridades prontamente classificaram o caso como uma situação de homicídio. No entanto, na altura da morte, vários especialistas questionaram o relatório policial.

Já em 2015, uma jovem inglesa de 23 anos foi encontrada morta nesta mesma ilha. Christina Annesley estava a tomar antibióticos e uma mistura com álcool poderá ter estado na origem da morte. Este acidente continua envolto em grande mistério. Os pais da rapariga alegam que a polícia local não realizou qualquer exame para averiguar as verdadeiras causas da morte.

No início de 2016, Luke Miller, de 26 anos, foi encontrado morto na piscina de um hotel. O corpo do jovem inglês estava a boiar e a polícia não encontrou qualquer indício de homicídio. A família aponta vários erros à polícia que, ao longo de todo o processo, apresentou diferentes versões para o que poderá ter acontecido.

David Miller, de 24 anos, e Hannah Witheridge, de 23, um casal de origem britânica, foram encontrados mortos numa praia desta ilha. A polícia da Tailândia deteve três birmaneses suspeitos de terem assassinado um casal. Dois dos suspeitos acabaram mesmo por assumir a culpa.

A turista russa Valentina Novozhyonova desapareceu do hotel em fevereiro e nunca mais foi vista. A jovem de 23 anos tinha dado entrada no hotel no dia 11 e a estadia deveria prolongar-se até ao dia 16. O staff do hotel encontrou o telemóvel, o passaporte e a câmara no quarto, mas nada que ajudasse as autoridades a encontrar a rapariga.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE