Ténis: árbitro português expulso. Atribuiu pontos ao jogador errado por causa de apostas

2

Daniel Zeferino foi irradiado da modalidade, depois de ter manipulado resultados. Director-geral do COP deixa alerta às federações desportivas.

Daniel Zeferino nunca mais vai dirigir jogos de ténis. O árbitro português foi irradiado da modalidade.

O comunicado da Agência Internacional de Integridade no Ténis informou nesta terça-feira que o português foi expulso de qualquer partida oficial de ténis porque manipulou resultados em jogos que dirigiu.

Daniel foi acusado de alterar o resultado de jogos de um torneio em 2020, na categoria ITF M15, organizado pela Federação Internacional de Ténis.

Nesse torneio – não foi divulgada a localização – o árbitro atribuiu, propositadamente, pontos ao tenista errado, para beneficiar apostadores.

O árbitro admitiu o seu comportamento e não vai recorrer da decisão, tendo aceitado o castigo.

João Paulo Almeida, director-geral do Comité Olímpico Português, já reagiu a esta situação e deixou um alerta às federações portuguesas ligadas ao desporto.

“São muito poucas as federações que apostam na prevenção. Essa é a palavra-chave: prevenção. Porque é melhor do que trabalhar no à ‘posteriori’, na repressão. As federações minimizam este problema, vivem em negação“, avisou João Paulo Almeida.

O director-geral tem noção de que há redes criminosas a aproveitarem-se do facto de as federações terem poucos recursos para estes casos – embora haja algumas que poderiam aproveitar o aumento das receitas (precisamente por causa das apostas) para apostar mais na prevenção.

“A Federação Portuguesa de Ténis é uma das que disparou imenso. São cerca de quatro milhões de euros anuais que recebe do mercado de apostas desportivas, o que é considerável para um organismo de média dimensão. Quanto gastam em prevenção? Não gastam”, apontou João Paulo Almeida.

  Nuno Teixeira da Silva, ZAP //

2 Comments

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE