Ucrânia converte tanques soviéticos em veículos chave para a sua sobrevivência

2

Ministro da Defesa da Rússia / EPA

A necessidade continua a aguçar o engenho da mecânica ucraniana. Na ausência de veículos militares ocidentais, estão a converter os obsoletos tanques soviéticos capturados dos russos em blindados valiosos para os engenheiros.

De acordo com imagens e vídeos publicados no Telegram e no Twitter, referidos pelo Confidencial, os ucranianos estão a transformar os tanques soviéticos T-62 em veículos blindados para apoiar os seus tanques.

Tal como os BREM (sigla russa para veículos blindados de salvamento e evacuação) de fábrica, estes tanques são concebidos para salvar blindados avariados e retirá-los da linha da frente. Também transportam equipamento e engenheiros necessários para ajudar as tripulações dos tanques que necessitam de ajuda mecânica.

À Forbes, o analista de defesa David Axe disse que os T-62 são praticamente inúteis. Os russos foram forçados a enviá-los para a linha da frente porque estão a ficar sem os tanques mais modernos, que os ucranianos continuam a destruir sistematicamente.

Os obsoletos tanques soviéticos começaram a ser produzidos em 1961 e são peças fáceis para mísseis Javelin e outras armas anti-tanque ocidentais.

Os BREM, por outro lado, são extremamente precisos. Como explicou David Axe, a transformação dos veículos blindados é “uma grande ideia”. Segundo o analista, os “veículos blindados de recuperação” – ou ARV, na sigla em inglês – “são realmente úteis e estão quase sempre em falta”.

Os ucranianos, continuou, têm muito poucos BREM operacionais. E embora não possam utilizar os T-62 para combater, estes são uma base mecânica poderosa para a construção de novas unidades BREM.

De acordo com David Axe, os ucranianos têm apenas 36 veículos BREM para servir um contingente de quase 1.000 T-64, T-72 e T-80. E, em breve, terão também de apoiar os Leopard 2 e os M1 Abrams.

Os T-62 são convertidas em BREM ao remover a torre e ao instalar uma grua no seu lugar. São também adicionados componentes, como uma escavadora à frente. O resultado é algo informalmente chamado de BREM-62, um modelo que não existe no arsenal ucraniano ou russo.

Como sublinhou o Confidencial, a Rússia continua a ser o principal fornecedor de armas do exército ucraniano.

  ZAP //

2 Comments

  1. Isto só prolonga o sofrimento. Para onde estamos indo agora? O profeta Daniel escreve: “No tempo designado [o rei do norte] voltará [as tropas russas voltarão para onde estavam anteriormente estacionadas. Isto também significa ação militar, grande crise, desintegração da União Europeia e da NATO. Muitos países do antigo bloco de Leste voltará à esfera de influência russa]. E entrará no sul [este será o início de uma guerra nuclear], mas não serão como antes ou como mais tarde [estas ações militares não conduzirão a uma guerra nuclear global. Esta guerra só começará após o retorno do rei do norte, e por causa do conflito étnico], porque os habitantes das costas de Quitim [o distante Ocidente, ou para ser mais preciso, os americanos] virão contra ele, e (ele) se quebrará [mentalmente], e voltará atrás”. (Daniel 11:29, 30a) Este será um abate mútuo. A “poderosa espada” também será usada. (Apocalipse 6:4) Jesus o caracterizou assim: “coisas atemorizantes [φοβητρα] tanto [τε] quanto [και] extraordinárias [σημεια] do [απ] céu [ουρανου], poderosos [μεγαλα] serão [εσται].” É precisamente por causa disso haverá tremores significativos ao longo de todo o comprimento e largura das regiões [estrategicamente importantes], e fomes e pestes.
    Muitos dos manuscritos contém as palavras “και χειμωνες” – “e geadas”.
    A Peshitta Aramaica: “וסתוא רורבא נהוון” – “e haverá grandes geadas”. Nós chamamos isso hoje de “inverno nuclear”. (Lucas 21:11)
    Em Marcos 13:8 também há palavras de Jesus: “και ταραχαι” – “e desordens” (a falta de ordem pública).
    A Peshitta Aramaica: “ושגושיא” – “e confusão” (sobre o estado da ordem pública).
    Mas todas essas coisas serão apenas como as primeiras dores de um parto. (Mateus 24:8)

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.