/

NASA revela em detalhe superfície do “Asteróide do Apocalipse”

24

NASA / Goddard / Universidade do Arizona

A NASA divulgou novas imagens captadas pela sonda OSIRIS-REx a uma distância de apenas 4,8 quilómetros do “Asteróide do Apocalipse”.

A Sonda OSIRIS-REx, da agência espacial norte-americana, é responsável por estudar o asteroide Bennu, tendo sido lançada no final do ano passado com essa missão. O “asteróide do Apocalipse” tem um diâmetro de, aproximadamente, 493 metros e é considerado “potencialmente perigoso” para a Terra, de acordo com a NASA.

As fotografias capturadas pela câmara PolyCam, incorporada na sonda da NASA, mostram em detalhe a superfície do Bennu. Na primeira fotografia, é possível observar a maior rocha no hemisfério norte do asteróide, cujo ponto mais alto atinge os 23,5 metros.

https://twitter.com/OSIRISREx/status/1116402612436226048

Numa outra imagem é possível observar uma área perto do equador do Bennu. Das duas grandes formações rochosas que se conseguem ver na fotografia, aquela que está na parte superior à direita tem 21 metros de comprimento, o equivalente a quatro lugares de estacionamento.

Um grande número de rochas de maiores dimensões foi também detetado numa região do hemisfério sul de Bennu. “Este é um bom exemplo de alguns dos ângulos de visão oblíquos em que estamos a trabalhar para obter fotografias do Bennu”, escreveu a equipa no Twitter.

“As sombras neste ângulo dão uma sensação da altitude da rocha, e podemos ver mais detalhes da superfície a partir deste ângulo“, sublinham ainda.

A sonda OSIRIS-REx entrou na órbita de Bennu em dezembro de 2018. A sonda foi lançada em setembro de 2016, com o objetivo de trazer à Terra uma amostra dos materiais da superfície do asteróide para obter informações adicionais sobre as origens do Universo.

Uma vez em cada seis anos, o “Asteróide do Apocalipse” aproxima-se da Terra. Devido a esta aproximação, há uma alta possibilidade de Bennu impactar com a Terra no final do século XXII. O seu tamanho, composição primitiva e órbita potencialmente perigosa tornam-no num dos asteróides mais fascinantes e acessíveis para estudar.

  ZAP // Sputnik News

24 Comments

  1. Acho que Bennu tem que ser estudado de todas maneiras possíveis para para que possamos desde de já descobrir nossas origens. Quanto ao fato de chocar-se contra a terra até o final do século XXII, acho que Bennu não será será mais um risco para nosso planeta, devido aos avanços tecnológicos da época.

  2. fico preocupada com final dos tempo com a salvação da minha familia sou evangélica sei que Deus é fiel sou fanática de jesus

        • Tal como tu que, claramente, ainda não aprendeste a respeitar a opinião dos outros!!
          Alguém vir a correr falar de deuses sempre que se fala de astronomia, além de falta de noção, inteligência e bom senso, também já começa a ser uma falta de respeito por quem se interessa por esta ciência!…

          • É malta… toca a respeitar aqui o cientista da tuge! Nada de falar de deuses e muito menos de Deus que o tipo ofende-se…

            • Acho bem!!
              A notícia é sobre ciência; os deuses e as religiões não são para aqui chamados – o lugar desses é nos templos ou no circo!

  3. Estou falando das fotos do asteroide e que obviamente deveria aparecer as estrelas ao fundo. Estranho não aparecer as estrelas porque elas existem em todo o lugar do espaço, aos bilhões e nas fotos do asteroide não aparece nenhuma…É algo que não está se encaixando e desta vez não tem a desculpa que a superfície do objeto é muito iluminado pelo sol e “ofusca” a visão…

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.