Revista científica publica estudo inventado por jornalistas

Uma revista científica pouco conhecida publicou um falso estudo sobre cancro, feito por jornalistas, no contexto de uma investigação sobre publicações pouco escrupulosas.

O inquérito visa demonstrar que qualquer pessoa, desde que pague, pode fazer passar “falsa ciência” por verdadeira, noticia esta sexta-feira o Le Monde.

Os jornalistas de dois meios alemães, o diário Süddeutsche Zeitung e a rádio pública NDR, transmitiram à revista Journal of Integrative Oncology “os resultados de um estudo clínico” que apontavam para “o extrato de própolis ser mais eficaz no caso do cancro colorretal que as quimioterapias convencionais”.

A própolis é uma substância resinosa obtida das árvores e transformada pelas abelhas para construírem os alvéolos das colmeias.

“O estudo era falso, os dados fabricados e os autores, filiados num instituto de investigação fictício, também não existiam. Porém, a publicação foi aceite em menos de dez dias e publicada em 24 de abril”, detalhou o jornal francês.

O site do Le Monde disponibilizava de uma ligação na Internet para uma versão do estudo, que, entretanto, foi retirado, depois de os responsáveis da revista terem sido avisados.

Aí se lia que os investigadores tinham comparado a eficácia da quimioterapia com cápsulas de própolis. Na conclusão do falso artigo científico, aludia-se ainda a um tema sem qualquer relação com o assunto, no caso, o efeito das massagens sobre as doenças trombo embólicas.

A ministra alemã da Investigação Científica, Anja Karliczek, declarou-se favorável a um inquérito para determinar como é que este estudo falso pôde ser publicado. “É no próprio interesse da ciência”, declarou, citada pela agência noticiosa alemã, a DPA.

Para a ministra, tudo deve ser feito “para que a credibilidade e a confiança na ciência não sejam afetadas (…). Tais erros devem ser expostos, porque só assim se pode mudar o que está mal”.

A revista em questão é publicada por um editor indiano, Omics. Mas, segundo o Le Monde, existem “dezenas de editoras pouco escrupulosas”, que “criaram centenas de revistas em aceso livre com nome ressonante, com todas as características de verdadeiras revistas eruditas”, e estão presentes em várias disciplinas científicas.

Sem qualquer controlo sobre a qualidade dos trabalhos apresentados, reclamam aos autores “centenas de euros” por artigo para o publicarem, segundo o Le Monde e a NDR.

Nas revistas mais prestigiadas, onde publicar necessita uma apreciação do texto por cientistas conhecedores do domínio em causa, a designada avaliação por pares, e onde o processo de validação requer geralmente vários meses, os autores não pagam.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Várias notas:

    1 – Quem é sério e sabe o que faz não submete artigos para este tipo de revistas “científicas”. Quem é sério e sabe o que faz só considera artigos de fontes fiáveis na parte de revisão de literatura e comparação de resultados. Em caso de dúvida, basta pesquisar nos vários índices científicos (por exemplo, Scimago) ou até no Google, a credibilidade de dada revista.
    2 – Ter artigos deste género vale zero, e até pode ser prejudicial, a carreira científica dos investigadores nos países desenvolvidos.
    3 – Existem revistas prestigiadas onde os autores pagam para publicar, ou podem optar por pagar se pretenderem que o artigo tenha acesso aberto. Mas esta é outra guerra.

RESPONDER

Inspetores da PJ entregam pré-aviso de greve (e fazem ultimato a Costa)

A Associação Sindical dos Funcionários de Investigação Criminal dá uma semana ao Governo para alterar estatuto profissional dos polícias, caso contrário, não desmarca a greve. A Associação Sindical dos Funcionários de Investigação Criminal (ASFIC) da Polícia …

Ministro coloca Chefe das Forças Armadas em sentido e abre-lhe a porta da saída

O ministro da Defesa desdramatiza as declarações do Chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas (CEMGFA) que falou numa situação "insustentável". João Gomes Cravinho fala em "infelicidade na linguagem" e diz que se o CEMGFA …

Tribunal de Contas deteta falta de controlo na gestão de donativos de Pedrógão Grande

A auditoria do Tribunal de Contas detetou graves falhas nas decisões de fundo gerido pelo Estado, destinado à reconstrução das casas em Pedrógão Grande. A auditoria do Tribunal de Contas ao Fundo Revita - criado pelo …

Vingança pode ter motivado o atentado ao estúdio de animação no Japão

O autor do atentado ao estúdio de animação em Quioto terá dado a entender às autoridades que agiu por vingança quando lançou o incêndio que levou à morte de 33 pessoas. Segundo as fontes da Jiji …

Presidente da TAP fala em "fake news" sobre os enjoos nos aviões A330neo

Apesar de ter admitido os relatos de enjoos, o presidente da TAP, Antonoaldo Neves, disse que ainda não foi comprovada a correlação com os cheiros estranhos detetados. O presidente executivo da TAP falou esta quinta-feira por …

Iniciativa Liberal defende taxa única de IRS e liberdade de escolha da escola

Esta é a primeira vez que o partido concorre a umas eleições legislativas e, em declarações à agência Lusa, o presidente do partido e cabeça-de-lista pelo círculo do Porto, Carlos Guimarães Pinto, destacou algumas das …

Depois do veto de Marcelo, PSD chumba lei do lóbi

O grupo parlamentar do PSD vai votar conta as propostas de alteração do CDS e PS à lei do lóbi, fazendo cair o diploma. A 7 de junho, data da aprovação da lei do lóbi no …

Bloco defende fim das propinas na próxima legislatura

O Bloco de Esquerda vai propor o fim das propinas durante a próxima legislatura, anunciou esta quinta-feira, em Coimbra, a coordenadora nacional do partido, Catarina Martins, que defendeu também o financiamento plurianual para as universidades. “O …

Neto de Moura também processou outros juízes

O juiz Neto de Moura apresentou uma participação crime contra os juízes do Tribunal de Loures que absolveram um agente da PSP num processo apresentado pelo magistrado em 2012. Após os polémicos acórdãos sobre casos de …

PCP incita Parlamento a condenar ciganofobia do PAN

O grupo parlamentar do PCP apresentou um voto de condenação no Parlamento, que será votado esta sexta-feira, sobre a “atitude discriminatória e xenófoba” de uma representante do PAN para com a comunidade cigana na Moita, …