Dentes fossilizados revelam que os primeiros mamíferos estavam longe de ter sangue quente

John Sibbick / University of Bristol

Representação artística dos primeiros mamíferos.

Os primeiros mamíferos eram mais como répteis de sangue frio e o sangue quente só apareceu muito mais tarde, concluiu um novo estudo.

Sangue quente é uma das principais características que levaram ao sucesso dos mamíferos à medida que evoluíram para se espalharem na selvagem e maravilhosa coleção de animais que conhecemos hoje.

Mas um novo estudo, publicado esta semana na revista científica Nature Communications, que envolveu a análise raio-X de centenas de dentes fossilizados, sugere que os primeiros mamíferos eram mais como répteis de sangue frio, e que o sangue quente só apareceu muito mais tarde.

O sangue quente ajuda-nos a manter a temperatura corporal independentemente do ambiente, permitindo-nos recolher alimentos à noite e em climas frios, e ajuda-nos a permanecer ativos por mais tempo do que os nossos parentes de sangue frio. No entanto, exatamente quando, por que e como isso evoluiu ainda é pouco compreendido.

Sabemos por minúsculos fósseis de ossos e dentes que os mamíferos evoluíram pela primeira vez há mais de 200 milhões de anos e tinham muitas das características que associamos aos mamíferos. Mas a fisiologia desses animais é difícil de estimar usando métodos tradicionais, já que os órgãos normalmente não são fossilizados.

O novo estudo oferece um vislumbre da fisiologia dos primeiros mamíferos, graças a imagens pioneiras de raio-X para contar anéis de crescimento nos dentes e medir o fluxo sanguíneo nos ossos. Embora tenha sido previamente assumido que mesmo os primeiros mamíferos eram de sangue quente, este estudo sugere que eles ainda tinham um caminho a percorrer antes de desenvolver o sangue quente e os seus benefícios que desfrutamos hoje.

Maior longevidade e metabolismo lento

Pela primeira vez, os cientistas estimaram a expectativa de vida dos primeiros mamíferos. Isto foi possível graças à análise de centenas de dentes fossilizados encontrados no sul do País de Gales de dois pequenos mamíferos, Morganucodon e Kuehneotherium, da época do Jurássico Inferior.

A análise permitiu contar as linhas de crescimento anual preservadas nos dentes, quase como os anéis de árvore usados para estimar a sua idade.

A contagem de anéis nos dentes fossilizados dos mamíferos deu uma vida útil de 14 anos para o Morganucodon e nove anos para o Kuehneotherium. Surpreendentemente, a expectativa de vida é significativamente maior do que os de mamíferos de tamanho comparável dos dias de hoje, cuja expectativa de vida selvagem raramente excede dois a três anos. Isto sugere um metabolismo dramaticamente mais lento.

PARTILHAR

RESPONDER

Os novos iPhones não trazem carregador. Apple poupa muito nos custos, mas não no ambiente

A Apple decidiu vender os seus novos iPhones sem carregador ou auscultadores, alegando que a alteração tem em conta o ambiente, uma vez que serão utilizados menos produtos na embalagem dos telemóveis, mas os especialistas …

Caça ao tesouro secular. Lendária ilha pode esconder Santo Graal, manuscritos de Shakespeare e jóias reais

Perto da Nova Escócia, no Canadá, há uma lendária ilha com misteriosos túneis e estranho artefactos. Há quem acredite que esconde o Santo Graal, os manuscritos de Shakespeare e um tesouro de um capitão. Porém, …

Aprender "baleiês" pode evitar choque de navios com o animal

Uma equipa de cientistas da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, tem uma nova ideia para salvar as baleias-azuis em migração das colisões com navios. Durante a época de migração das baleias-azuis, os animais enfrentam sérios …

Afinal, os carros elétricos não são a melhor resposta para combater as alterações climáticas

Os carros elétricos, surgem como alternativas mais sustentáveis aos veículos a gasolina ou gasóleo, podem não ser a melhor forma de combater as alterações climáticas no âmbito dos transportes, de acordo com um novo estudo. …

Seria Jesus um mágico? Há arte romana que parece sugerir que sim

Em alguma arte antiga, Jesus é retratado a fazer milagres com algo na mão que parece ser uma varinha. Investigadores sugerem que se trata de um cajado, que era usado como símbolo de poder. Segundo a …

Nem todos os clubes estão a afundar – alguns estão a prosperar durante a pandemia

Nem todos os clubes estão a sofrer às mãos desta pandemia de covid-19. Alguns deles têm conseguido bons resultados financeiros apesar da crise. A covid-19 provou ser um adversário devastador para o desporto profissional em todo …

Kibus: o aparelho que vai revolucionar a forma como os nossos cães se alimentam

Ter cães como melhores amigos pode ser muito benéfico, mas também traz a sua dose de trabalho e responsabilidades. Levar ao veterinário, dar banho, levar a passear, brincar, dar de comer... No fundo é como …

Marta Temido antevê dias complicados e alta pressão sobre o SNS (e admite novas medidas)

A ministra da Saúde disse que se vive "um momento muito difícil da evolução da pandemia em Portugal e na Europa" e que "os próximos dias se anteveem complicados e com elevada pressão sobre o …

O maior navio de guerra americano disparou o seu primeiro míssil

O maior navio de guerra norte-americano, o USS Zumwalt, disparou pela primeira vez um míssil. O projétil disparado intercetou com sucesso o alvo de teste. Em 2015, o maior e mais futurista contratorpedeiro da Marinha norte-americana …

Republicanos no Senado preparam-se para um possível "mundo pós-Trump"

Enquanto os republicanos enfrentam um eleição que pode trazer más notícias para o Presidente e o seu partido, alguns começam a se distanciar de Donald Trump, ao mesmo tempo que tentam não atrair a sua …