Dentes fossilizados revelam que os primeiros mamíferos estavam longe de ter sangue quente

John Sibbick / University of Bristol

Representação artística dos primeiros mamíferos.

Os primeiros mamíferos eram mais como répteis de sangue frio e o sangue quente só apareceu muito mais tarde, concluiu um novo estudo.

Sangue quente é uma das principais características que levaram ao sucesso dos mamíferos à medida que evoluíram para se espalharem na selvagem e maravilhosa coleção de animais que conhecemos hoje.

Mas um novo estudo, publicado esta semana na revista científica Nature Communications, que envolveu a análise raio-X de centenas de dentes fossilizados, sugere que os primeiros mamíferos eram mais como répteis de sangue frio, e que o sangue quente só apareceu muito mais tarde.

O sangue quente ajuda-nos a manter a temperatura corporal independentemente do ambiente, permitindo-nos recolher alimentos à noite e em climas frios, e ajuda-nos a permanecer ativos por mais tempo do que os nossos parentes de sangue frio. No entanto, exatamente quando, por que e como isso evoluiu ainda é pouco compreendido.

Sabemos por minúsculos fósseis de ossos e dentes que os mamíferos evoluíram pela primeira vez há mais de 200 milhões de anos e tinham muitas das características que associamos aos mamíferos. Mas a fisiologia desses animais é difícil de estimar usando métodos tradicionais, já que os órgãos normalmente não são fossilizados.

O novo estudo oferece um vislumbre da fisiologia dos primeiros mamíferos, graças a imagens pioneiras de raio-X para contar anéis de crescimento nos dentes e medir o fluxo sanguíneo nos ossos. Embora tenha sido previamente assumido que mesmo os primeiros mamíferos eram de sangue quente, este estudo sugere que eles ainda tinham um caminho a percorrer antes de desenvolver o sangue quente e os seus benefícios que desfrutamos hoje.

Maior longevidade e metabolismo lento

Pela primeira vez, os cientistas estimaram a expectativa de vida dos primeiros mamíferos. Isto foi possível graças à análise de centenas de dentes fossilizados encontrados no sul do País de Gales de dois pequenos mamíferos, Morganucodon e Kuehneotherium, da época do Jurássico Inferior.

A análise permitiu contar as linhas de crescimento anual preservadas nos dentes, quase como os anéis de árvore usados para estimar a sua idade.

A contagem de anéis nos dentes fossilizados dos mamíferos deu uma vida útil de 14 anos para o Morganucodon e nove anos para o Kuehneotherium. Surpreendentemente, a expectativa de vida é significativamente maior do que os de mamíferos de tamanho comparável dos dias de hoje, cuja expectativa de vida selvagem raramente excede dois a três anos. Isto sugere um metabolismo dramaticamente mais lento.

PARTILHAR

RESPONDER

"O medo não é a vacina". Centenas de pessoas contestam medidas do Governo em Lisboa

Centenas de pessoas contestaram este sábado as medidas impostas pelo Governo para mitigar os efeitos da pandemia de covid-19, com gritos pela “liberdade” e pela “verdade”, numa manifestação realizada na praça do Rossio, em Lisboa. A …

Os humanos estão a pôr em causa a alimentação dos animais predadores

Os animais predadores que vivem perto de humanos estão a obter metade dos alimentos supostos e isso pode ser muito prejudicial, referem investigadores americanos. De acordo com um novo estudo publicado no jornal Proceedings of the …

Plataformas de streaming passam a ter de pagar 1% do seu lucro ao Estado

As plataformas de streaming passam a pagar uma taxa, após a proposta de lei ser aprovada esta sexta-feira, na Assembleia da República. Serviços como a Netflix, a HBO Portugal ou a Disney +, passam a …

Porto 1-0 Gil Vicente | Dupla Shoya-Evanilson embala “dragão”

Difícil, mas justo. O FC Porto recebeu o Gil Vicente numa noite chuvosa no Dragão, dominou claramente até aos 75 minutos – altura em que Zaidu foi expulso – e venceu por 1-0. Um resultado …

O novo recurso da Google encontra qualquer música. Basta cantarolar, assobiar ou cantar

Na semana passada, a gigante tecnológica da Google lançou uma versão atualizada da aplicação que ajuda a encontrar qualquer música que esteja presa na sua cabeça - mas que não saiba o nome. Com a nova …

Pintura de Jacob Lawrence desaparecida há 60 anos foi encontrada em Nova Iorque

Uma visitante do Met, nos Estados Unidos, descobriu o paredeiro do quadro desaparecido de Jacob Lawrence. A mulher associou o quadro a um pendurado na sala de estar dos seus vizinhos, suspeitando que poderia fazer …

Fezes ancestrais ajudam a descobrir como o microbioma afeta a nossa saúde

Um novo estudo, realizado em Israel e na Letónia, analisou fezes ancestrais e comparou-as com o nosso microbioma para tentar descobrir pistas sobre as doenças modernas. A equipa de investigadores, que trabalhou enterrada até aos joelhos …

Santa Clara 1-2 Sporting | “Leão” mostra POTEncial nas ilhas

Ao final da tarde deste sábado, o Sporting venceu o Santa Clara por 2-1, num duelo a contar para a 5ª jornada da Liga NOS que decorreu no Estádio de São Miguel, em Ponta Delgada. …

Robô ultrarrealista pode vir a substituir os golfinhos em cativeiro em parques temáticos

A empresa de engenharia Edge Innovations, com sede em São Francisco, Estados Unidos, projetou e construiu um golfinho-robô que se parece e age quase exatamente como um. Nadando ao redor da piscina enquanto um grupo de …

PCP avisa: Abstenção é “apenas e só” para discutir o OE2021

O secretário-geral do PCP avisou este sábado que a abstenção anunciada pelo partido visa "apenas e só" fazer passar o Orçamento do Estado de 2021 a "outra fase de discussão" e recusou estar garantido um …