Pode existir vida numa das luas de Saturno

sjrankin / Flickr

Encelado, uma das luas de Saturno, captada pela sonda Cassini, da NASA

Encelado, uma das luas de Saturno, captada pela sonda Cassini, da NASA

A NASA anunciou, esta quinta-feira, que os mesmos tipos de reacções químicas que sustentam a vida perto de fontes hidrotermais de profundidade na Terra podem estar a ocorrer no oceano subterrâneo de Encélado.

Essas reações dependem da presença de hidrogénio molecular (H2), que, segundo o novo estudo, publicado na “Science”, provavelmente está a ser produzido continuamente devido a reacções entre água quente e rocha no fundo do mar de Encélado.

“A abundância de H2, juntamente com as espécies de carbonato previamente observadas, sugere um estado de desequilíbrio químico no oceano Encélado que representa uma fonte de energia química capaz de sustentar a vida”, escreveu Jeffrey Seewald, do Departamento de Química e Geoquímica Marinha do Instituto Oceanográfico de Woods Hole em Massachusetts, nos Estados Unidos, que não estava envolvido no estudo.

Com apenas 314 quilómetros de largura, Encélado é só a sexta maior lua de Saturno, mas tem se destacado na astrobiologia desde 2005. Naquele ano, a nave espacial Cassini, que está a terminar a sua missão na órbita de Saturno, encontrou pela primeira vez géiseres de água gelada a sair das fissuras perto do pólo sul de Encélado.

Os cientistas acreditam que estes géiseres estão a expelir material de um oceano de tamanho considerável enterrado sob a crosta de gelo do satélite. Este oceano permanece líquido porque o imenso puxão gravitacional de Saturno movimenta a lua, gerando calor interno de “maré”.

Portanto, Encélado tem água líquida, um dos ingredientes-chave necessários para a vida como a conhecemos. E o novo estudo sugere que o satélite possui outro ingrediente chave: uma fonte de energia.

Uma equipa de cientistas liderada por Hunter Waite, do Southwest Research Institute, nos Estados Unidos, analisou as observações feitas em outubro de 2015 pela Cassini durante um mergulho através dos géiseres de Encélado.

Este mergulho foi especial de várias maneiras. A sonda chegou a uma distância de apenas 49 quilómetros da superfície de Encélado e o instrumento de espectrometria de massa de ião e neutro (INMS) da Cassini alternou entre os modos “fonte aberta” e “fonte fechada” durante o encontro, em vez de ficar apenas com a fonte fechada (o modo que normalmente usa).

O INMS é apenas 0,25% tão sensível no modo fonte aberta como no modo de fonte fechada. Mas a fonte aberta tem uma vantagem chave: minimiza factores que complicaram as tentativas anteriores de medir os níveis de H2 nas plumas/colunas de matéria de Encélado.

Com este obstáculo analítico removido, Waite e a sua equipa foram capazes de calcular que H2 constitui entre 0,4% e 1,4% do volume da pluma dos géiseres de Encélado. Outros cálculos revelaram que o dióxido de carbono (CO2) compõe 0,3% a 0,8% do volume da pluma.

O hidrogénio molecular provavelmente está a ser produzido por reações entre água quente e rocha dentro do núcleo de Encélado. A equipa considerou outras possíveis explicações e descobriram que não eram suficientes. Por exemplo, nem o oceano de Encélado nem a sua concha de gelo são reservatórios viáveis a longo prazo para o volátil H2 e os processos que separam o H2 do gelo de água na crosta não parecem ser capazes de gerar o volume medido na pluma.

A explicação baseada nas fontes hidrotermais também é consistente com um estudo de 2016 realizado por outro grupo de cientistas, que concluiu que minúsculos grãos de sílica detectados pela Cassini só poderiam ter sido produzidos em água quente em profundidades significativas.

“A história parece estar a encaixar-se”, disse Chris Glein, da SwRI, co-autor do estudo publicado na “Science”.

Reações químicas em profundidade

Na Terra, as aberturas hidrotermais do fundo do mar sustentam comunidades ricas em vida e são ecossistemas alimentados por energia química em vez de luz solar.

“Algumas das vias metabólicas mais primitivas utilizadas pelos micróbios nesses ambientes envolvem a redução do dióxido de carbono (CO2) com H2 para formar metano (CH4), num processo conhecido como metanogénese”, escreveu Seewald.

As indicações da presença de H2 e CO2 no oceano de Encélado sugere, portanto, que podem estar a ocorrer reações semelhantes abaixo do solo gelado da lua. Os níveis de H2 observados indicam que uma grande quantidade de energia química está potencialmente disponível no oceano, explicou Glein.

Glein sublinhou, no entanto, que ninguém sabe se tais reações estão realmente a ocorrer em Encélado.

“Isto não é uma detecção de vida. Isto aumenta a habitabilidade, mas eu nunca iria sugerir que isto faz com que Encélado seja mais ou menos provável de hospedar vida”, afirmou Glein.

PARTILHAR

RESPONDER

Astrónomos treinam IA para encontrar antigas colisões de galáxias

Há luzes brilhantes em todo o Universo que representam as colisões de galáxias. Os astrónomos encontraram agora uma nova forma de as encontrar. Há luzes brilhantes em todo o Universo que representam as colisões de galáxias. …

Inteligência Artificial está a reviver jogos de tabuleiro ancestrais

A Inteligência Artificial consegue descobrir, com um grande grau de precisão, o conjunto de regras de vários jogos de tabuleiro ancestrais. Jogos de tabuleiro com centenas de anos são, por vezes, encontrados em escavações arqueológicas. Sem …

Panteras da Flórida estão a agir como se tivessem sido envenenadas (e os cientistas não sabem porquê)

Algumas panteras da Flórida, nos Estados Unidos, estão a ter um comportamento estranho ao andar, quase como se tivessem sido envenenadas. Os cientistas ainda não conseguiram perceber porquê. De acordo com o Washington Post, pelo menos …

SL Benfica 0-2 FC Porto | "Dragão" astuto arranca triunfo na Luz

O FC Porto foi ao Estádio da Luz vencer o “clássico” por 2-0 e recuperar a desvantagem de três pontos que tinha no campeonato. Com uma estratégia muito bem montada, baseada numa grande pressão sobre o …

Câmaras de Inteligência Artificial podem ser a solução para evitar tiroteios

Câmaras de videovigilância com Inteligência Artificial podem ser a solução para pôr um fim aos tiroteios. Esta tecnologia é capaz de detetar armas de fogo e avisar logo de seguida as autoridades. Com as dificuldades em …

Violência policial é uma das principais causas de morte de jovens negros nos EUA

A violência policial é uma das principais causas de morte entre jovens nos Estados Unidos, com os negros a terem 2,5 vezes mais hipóteses de serem mortos do que os homens brancos. O estudo, publicado este …

A Volocopter apresenta o seu táxi voador mais potente (e já andou no ar)

https://vimeo.com/355573555 Desde 2013 a Volocopter tem vindo a aprimorar o seu projeto de táxi voador. Desta vez, o design é mais redondo, mais simples e mais potente. O Volocopter é uma aeronave 100% elétrica que os criadores …

Israel desenvolve terapia à base de ecstasy para tratar stress pós-traumático

O Ministério da Saúde israelita desenvolveu uma terapia à base de MDMA - o componente ativo da metanfetamina popularmente conhecida como 'ecstasy' - para tratar pessoas que sofrem de stress pós-traumático resistente. Num entrevista sobre a …

Quaresma de saída do Besiktas. "Presidente não me quer na equipa"

Revelação feita pelo jogador, no Instagram: "Acabei de ser informado pelo presidente do clube que ele não quer que eu continue a jogar na equipa. Estou a tentar encontrar solução para o meu futuro". O internacional …

O Dr. House português diz que 90% do que os médicos fazem é "fantochada"

É conhecido como o Dr. House português, numa referência à série televisiva norte-americana, pela forma como faz diagnósticos certeiros. E Vítor Brotas que trabalha no Hospital dos Capuchos, em Lisboa, admite que é "um médico …