Afinal, não é por sermos bípedes que os nossos partos são dolorosos

A tese de que o bipedismo é a explicação por detrás dos partos dolorosos pode não estar correcta. Um novo estudo aponta o pavimento pélvico como a causa.

Pergunte-se a qualquer mãe como foi o processo de dar à luz e o mais provável é ouvir-se termos como cansativo, doloroso ou difícil. No entanto, este não é o caso para os nossos parentes mais próximos que ainda vivem. Para os macacos africanos, o processo de nascimento é bastante mais fácil.

A justificação mais óbvia desta diferença é que os bebés humanos têm cérebros e cabeças grandes, o que dificulta a saída através de uma entrada pélvica pequena, e este não é o caso para os macacos. Mas o que causou esta diferença nas nossas evoluções?

Durante décadas, a ideia defendida pelos antropologistas era de que o formato da pélvis feminina era resultado de um compromisso entre as exigências da locomoção bípede dos humanos e de dar à luz a bebés grandes.

Apesar de uma pélvis mais estreita ser mais eficiente para andar e correr, uma pélvis mais larga tornaria mais fácil os nascimentos. Esta contradição é muitas vezes apelidada de “dilema obstétrico“.

Mas esta tese está a ser desafiada, em parte devido à maior diversidade nos ramos da paleoantropologia e da biologia da evolução humana. Antropologistas já conseguiram mostrar de forma experimental que o sexo humano não faz diferença na eficiência da corrida e que a locomoção bípede não é prejudicada por uma pélvis mais larga.

É de realçar que os canais de nascimento não são todos do mesmo tamanho, o que coloca também em causa a teoria de que o bipedismo é a razão dos nossos partos dolorosos.

Para tentar responder de uma vez a esta questão, uma equipa de antropólogos juntou-se a um engenheiro num estudo, cujos resultados foram publicados em Abril na PNAS, revista da Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos.

O estudo testou a hipótese com uma série de modelos matemáticos criados com dados experimentais obtidos através de ressonâncias magnéticas. Esta técnica permitiu aos investigadores medir a pressão colocada sobre pavimentos pélvicos — o conjunto de músculos que formam a base do canal pélvico — de diferentes tamanhos e espessuras.

De acordo com o estudo, a razão para os partos dolorosos pode afinal ser o nosso próprio pavimento pélvico, que tem um papel fundamental para apoiar os órgãos internos e garantir que as grávidas não se tornam incontinentes enquanto o corpo suporta um feto grande.

O pavimento pélvico precisa de ser suficientemente forte para aguentar com o peso a que é sujeito e a pressão feita sobre o abdómen quando tossimos, por exemplo.

Ao mesmo tempo, tem de ser flexível o suficiente para permitir os nascimentos — um compromisso entre a força que impeça a ruptura e a elasticidade que permita dar à luz, concluiu o estudo.

AP, ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Há uma rua no Texas onde todas as casas foram impressas em 3D

Esta é a primeira comunidade de casas impressas em 3D nos EUA que está pronta a receber habitantes. A construção torna as habitações mais resistentes ao fogo e a inundações. Chama-se East 17th Street e fica …

A filha de Picasso doou nove obras do artista espanhol a França

A família de Pablo Picasso doou nove obras do artista ao Estado francês, que serão agora integradas no Museu Picasso, em Paris. Maya, a filha de Pablo Picasso, doou nove obras do artista como parte de …

Dormir bem? Depois da pandemia, não

O novo coronavírus criou uma "nação" de pessoas com insónias. Trabalhar menos horas pode ajudar. Insónias. Já eram um problema para muita gente até ao início de 2020 mas a pandemia que mudou o mundo também …

"Não posso ficar sentado a ver-nos voltar a 1972". Médico desafia a lei no Texas e admite que já fez um aborto

Um médico texano escreveu uma coluna de opinião no Washington Post a admitir que já fez um aborto no estado, depois da lei que proíbe interromper as gravidezes após seis semanas ter entrado em vigor. Em …

A cidade mais segura do mundo foi revelada (e é europeia)

Copenhaga foi eleita a cidade mais segura do mundo em 2021 pelo Índice de Cidades Seguras (SCI), da Economist Intelligence Unit. Quando se trata de escolher o destino a visitar, a segurança é um dos aspetos …

Benfica 3-1 Boavista | Águia evolui com Darwin para a vitória

Desde 1982/83 que o Benfica não vencia os primeiros seis jogos no Campeonato. Pois bem, na noite desta segunda-feira, os encarnados venceram o duelo ante o Boavista e fizeram xeque-mate graças ao bis de Darwin …

Milhões de pessoas em risco de tráfico e escravidão devido à crise climática, revela relatório

Milhões de pessoas forçadas a deixar as suas casas por causa da seca severa e ciclones correm o risco da escravidão moderna e de tráfico humano nas próximas décadas, alertou um novo relatório publicado esta …

Mercado teme corrida ao imobiliário com o fim dos vistos gold

A partir de janeiro, segundo as novas regras aplicáveis aos vistos gold, vão deixar de estar abrangidos os investimentos em imobiliário com destino a habitação em Lisboa, no Porto e no litoral. O regime que visa …

Desempregados inscritos no IEFP caem 10% em agosto

O número de desempregados inscritos no Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP) voltou a cair, pelo quinto mês consecutivo. Agosto fechou com 368.404 desempregados inscritos nos serviços públicos de emprego De acordo com os dados …

Agora que a catedral de Notre-Dame está estabilizada, pode dar-se início à reconstrução

Dois anos e meio após o incêndio que devastou a catedral de Notre-Dame, o edifício encontra-se seguro para iniciar o processo de reconstrução, que se espera estar concluído em 2024. Os trabalhos de segurança e consolidação …