Papagaios, lémures, golfinhos e cães. Há vários animais que se auto-medicam

Há vários animais que, à semelhança do Homem, procuram determinadas substâncias na natureza para tratar a dor, prevenir o sofrimento ou simplesmente para se sentirem melhor – é uma espécie de auto-medicação do mundo animal. 

Este fenómeno comportamental observado em alguns animais, como papagaios, lémures, golfinhos ou cães, denomina-se de zoofarmacognosia e é um “ramo” relativamente recente da Biologia, tendo sido formalizado em meados de 1987.

Zoofarmacognosia surge da aglutinação das palavras gregas zoo (que significa “animal”), pharma (que pode ser traduzida como “droga” ou “medicamento”) e gnosis (que significa “conhecimento”), tal como frisa a Discover Magazine.

São várias as espécies que procuram na natureza produtos químicos – presentes em plantas, outros animais, fungos ou até no solo – para melhorar o seu bem-estar.

Este tipo de comportamento pode ser categorizado segundo o seu modo de administração: se é diretamente consumido, como as folhas das plantas de Aspilia, que os chimpanzés colocam na boca para libertar toxinas que matam vermes intestinais, ou se aplicado numa área corporal, como o ácido fórmico que algumas aves utilizam para tratar os piolhos.

A administração pode ser mesmo direta, segundo escreve o mesmo portal, que recorda que há algumas formigas que forram os seus ninhos com resina de árvores coníferas, que tem propriedades anti-fúngicas e anti-bacterianas, para manter a colónia a salvo de infeções.

A Zoofarmacognosia pode também ser categorizada pelos seus fins, que podem ser preventivos ou terapêuticos. O uso preventivo foi observado em papagaios tropicais, morcegos e lémures da família Indridae, que consomem terra e argila ricas numa enorme variedade de minerais e micro-nutrientes (cálcio, magnésio, zinco, entre outros).

Quanto ao uso terapêutico, este pode ser observado em cães e gatos, quando estes consumem ervas com emético, uma substância que induz ao vómito, para aliviar sintomas intestinais. Há, contudo, outros motivos para o consumo destas plantas.

Também os ursos-castanhos recorrem a produtos químicos para fins terapêuticos: na sua boca, mastigam raízes de Oshá que, juntamente com saliva, formam uma espécie de pasta e servem para prevenir as picadas de inseto.

Sara Silva Alves, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

O holograma de Whitney Houston vai dar um concerto em Las Vegas

No outono, poderá desfrutar de um concerto de Whitney Houston em Las Vegas. A diva será reencarnada, áudio e visualmente, no espetáculo An Evening With Whitney: The Whitney Houston Hologram Concert. Segundo a Forbes, o holograma …

TC recusa impugnação pedida pelo PSD sobre candidato de Castelo Branco. Direção avalia recurso

O Tribunal Constitucional (TC) decidiu que o PSD não tem legitimidade no pedido de anulação de uma deliberação do Conselho de Jurisdição Nacional do partido sobre o candidato autárquico em Castelo Branco, recusando admitir uma …

Orbán vai rejeitar dinheiro do fundo de recuperação se tiver de revogar lei anti-LGBTQI

O primeiro-ministro húngaro assegurou, este sábado, que o país não vai aceitar o dinheiro do fundo de recuperação se tiver de ceder perante Bruxelas e revogar a lei anti-LGBTQI. Segundo a agência Europa Press, Viktor Orbán …

Avaria em rede europeia causou "apagão" parcial em Portugal e falhas no 112

O incêndio que queimou, este sábado, 500 hectares de vegetação no sudoeste de França esteve na origem dos cortes de energia em Espanha e Portugal, segundo a agência francesa Rede de Transmissão de Energia Elétrica …

Um tumor e duas fraturas nas vértebras dificultaram a vida deste dinossauro (mas não o mataram)

Quando foi descoberto na década de 1980, na Argentina, este hadrossauro foi diagnosticado com uma fratura no pé. Porém, uma nova análise agora mostra que este tinha um tumor, bem como duas fraturas nas vértebras …

Morreu Otelo Saraiva de Carvalho, capitão de Abril

O capitão de Abril morreu, este domingo, aos 84 anos, no Hospital Militar, confirmou o presidente da Associação 25 de Abril. A notícia foi confirmada ao jornal online Observador pelo presidente da Associação 25 de Abril, …

Pela primeira vez, cientistas viram chimpanzés a matar gorilas

Investigadores testemunharam, pela primeira vez, chimpanzés e gorilas a lutar entre si, confrontos esses que provocaram a morte de alguns deles. De acordo com o site Science Alert, as duas disputas foram observadas no Parque Nacional …

Vírus com 15 mil anos descobertos no gelo do Planalto do Tibete

Cientistas que estudam glaciares encontraram vírus com quase 15 mil anos em duas amostras de gelo retiradas do Planalto do Tibete, na China. Muitos deles, que sobreviveram porque se mantiveram congelados, são diferentes de todos …

Leite sem lactose em laboratório (e com a ajuda de membranas de óxido de grafeno)

As membranas de óxido de grafeno (uma forma oxidada do material) têm sido muito estudadas para a dessalinização da água e separação de corantes, mas as suas propriedades podem não ficar por aqui. Uma equipa de …

Cientistas criam material de "auto-reparação" mais resistente do mundo (e é perfeito para ecrãs de telemóveis)

Investigadores do Instituto Indiano de Educação e Investigação Científica (IISER, na sigla em inglês) podem ter encontrado o material perfeito para fazer os ecrãs de smartphones: transparente, resistente e que a capacidade de se "auto-curar" …