Papagaios, lémures, golfinhos e cães. Há vários animais que se auto-medicam

Há vários animais que, à semelhança do Homem, procuram determinadas substâncias na natureza para tratar a dor, prevenir o sofrimento ou simplesmente para se sentirem melhor – é uma espécie de auto-medicação do mundo animal. 

Este fenómeno comportamental observado em alguns animais, como papagaios, lémures, golfinhos ou cães, denomina-se de zoofarmacognosia e é um “ramo” relativamente recente da Biologia, tendo sido formalizado em meados de 1987.

Zoofarmacognosia surge da aglutinação das palavras gregas zoo (que significa “animal”), pharma (que pode ser traduzida como “droga” ou “medicamento”) e gnosis (que significa “conhecimento”), tal como frisa a Discover Magazine.

São várias as espécies que procuram na natureza produtos químicos – presentes em plantas, outros animais, fungos ou até no solo – para melhorar o seu bem-estar.

Este tipo de comportamento pode ser categorizado segundo o seu modo de administração: se é diretamente consumido, como as folhas das plantas de Aspilia, que os chimpanzés colocam na boca para libertar toxinas que matam vermes intestinais, ou se aplicado numa área corporal, como o ácido fórmico que algumas aves utilizam para tratar os piolhos.

A administração pode ser mesmo direta, segundo escreve o mesmo portal, que recorda que há algumas formigas que forram os seus ninhos com resina de árvores coníferas, que tem propriedades anti-fúngicas e anti-bacterianas, para manter a colónia a salvo de infeções.

A Zoofarmacognosia pode também ser categorizada pelos seus fins, que podem ser preventivos ou terapêuticos. O uso preventivo foi observado em papagaios tropicais, morcegos e lémures da família Indridae, que consomem terra e argila ricas numa enorme variedade de minerais e micro-nutrientes (cálcio, magnésio, zinco, entre outros).

Quanto ao uso terapêutico, este pode ser observado em cães e gatos, quando estes consumem ervas com emético, uma substância que induz ao vómito, para aliviar sintomas intestinais. Há, contudo, outros motivos para o consumo destas plantas.

Também os ursos-castanhos recorrem a produtos químicos para fins terapêuticos: na sua boca, mastigam raízes de Oshá que, juntamente com saliva, formam uma espécie de pasta e servem para prevenir as picadas de inseto.

  Sara Silva Alves, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Novo ano letivo marcado pelo recorde de pedidos de bolsas de estudo no superior

Número crescente de alunos e perda de rendimentos das famílias são duas das razões apontadas para os pedidos recorde. O ano letivo 2021/22 ainda agora arrancou, mas já está a bater recordes no que respeita aos …

Urgências em Lisboa estão cheias. Situação pode piorar nas próximas semanas

As urgências do Hospital de Santa Maria, em Lisboa, e do Hospital Beatriz Ângelo, em Loures, estão em situação crítica, com tempos de espera elevados. A situação de calamidade multiplica-se em vários hospitais do país, de …

Portugal já tem 86% da população totalmente vacinada contra a covid-19

A vacinação completa contra a covid-19 abrange já 86% da população portuguesa e são já mais de nove milhões de pessoas as que têm pelo menos uma dose da vacina, de acordo com os dados …

Direção do CDS desautoriza Telmo Correia e defende eleições "o mais brevemente possível"

A direção do CDS-PP não gostou de ouvir o líder parlamentar dizer que a melhor altura para realizar eleições legislativas seria no final de janeiro ou fevereiro. Depois de uma reunião com o presidente da Assembleia …

Órban e Le Pen apoiam a Polónia e criticam "imperialismo" da UE

O primeiro-ministro húngaro, Viktor Órban, e a líder da União Nacional (RN, na sigla em francês), Marine Le Pen, manifestaram esta terça-feira apoio à Polónia no conflito que mantém com a UE, a qual acusam …

Após goleada frente ao Bodø/Glimt, Mourinho põe de lado quatro jogadores

Em duas convocatórias consecutivas, José Mourinho deixou de fora quatro futebolistas que participaram na derrota por 6-1 frente ao Bodø/Glimt. Naquela que foi a maior derrota de sempre da carreira de José Mourinho, o Tottenham perdeu …

O que cai e o que fica: as medidas que o chumbo do OE deita por terra e as que permanecem

O grosso das medidas previstas na proposta de Orçamento do Estado para 2022 não deverá sair do papel. As aprovadas em Conselho de Ministros, por sua vez, manter-se-ão viáveis, já foram discutidas fora da sede …

Truque permite que o Orçamento não seja votado esta quarta-feira

Há um mecanismo que, se for acionado, permite que o Orçamento do Estado para 2022 sobreviva mesmo que não seja votado. O Orçamento do Estado para 2022 pode baixar à comissão sem votação. Este mecanismo, nunca …

Conceição reconhece supremacia do Santa Clara e admite culpa na derrota

O treinador do FC Porto, Sérgio Conceição, reconheceu que o Santa Clara foi superior e diz-se culpado pela derrota pesada que deixa o clube fora da Taça da Liga. O FC Porto está fora da Taça …

"Vechtpartij", quadro de Jan Steen.

Antigos jogos de bebida acabavam em vinho derramado e esfaqueamentos

Hoje vistos como jogos de diversão para jovens, na antiguidade, os drinking games (jogos de bebida) eram comuns em toda a sociedade — e, por vezes, terminavam mal. O kottabos era um antigo jogo de bebida …