Adeptos sentados e sem cânticos. O novo silêncio ensurdecedor do desporto japonês

Ao contrário de outros países, como Portugal, o Japão já permite a entrada de adeptos nos recintos desportivos, mas com condicionantes: não há cânticos e têm de estar sentados.

A pandemia de covid-19 deixou milhares de adeptos fora dos estádios nas principais ligas europeias, mas no Japão a entrada já é permitida desde o início de julho. Tipicamente, escreve o jornal norte-americano The New York Times, os adeptos japoneses não só são barulhentos, como são altamente orquestrados e disciplinados.

Normalmente, há todo um espetáculo fora de campo, nas bancadas, onde os fãs cantam, apoiam, tocam tambores e fazem esvoaçar as enormes bandeiras com o emblema da equipa. Agora, a situação é completamente oposta, já que muitas destas atividades estão banidas, com medo de que a euforia gere contacto e, consecutivamente, um surto do novo coronavírus.

O silêncio reina no estádio, com os adeptos a quebrarem-no momentaneamente apenas para aplaudir um golo ou algum momento de brilhantismo.

Esta terça-feira, por exemplo, o Japão registou apenas 301 novos casos de covid-19, um valor inferior ao de Portugal, que registou 425. Os nipónicos fizeram um ótimo trabalho no controlo da pandemia, principalmente se tivermos em consideração que a sua população é mais de 10 vezes maior que a de Portugal.

A abertura dos estádio ao público é apenas uma das medidas implementadas para manter a economia saudável. Os adeptos agradecem e, em contrapartida, apenas têm de se manter ordeiros. É um quid pro quo que os amantes de futebol nipónicos estão dispostos a participar. Muitos deles usam máscara e vêm munidos com álcool gel para evitar a propagação do vírus.

No estádio, todos submetem-se à avaliação de um termómetro infravermelho nos torniquetes. Marcas no chão mantêm os adeptos a uma distância social enquanto fazem filas, escreve o Times.

Apenas adeptos com lugar anual são permitidos, mantendo dois lugares de distância entre si e sempre com uma fila alternadamente vazia. Durante o jogo, ninguém se levanta. Além disso, é-lhes pedido que forneçam o nome e informações de contacto para que seja possível rastreá-los caso haja um caso positivo no estádio. Até ao momento, esse registo mantém-se inviolável.

“Abanar uma bandeira ou tocar tambores pode deixar as pessoas entusiasmadas”, disse Shoji Fujimura, gerente no escritório de resposta ao coronavírus da J-league, o principal escalão japonês. “E isso pode fazer com que outros se reúnam, o que pode fazer com que todos levantem as suas vozes”.

Kiyomi Muramatsu, adepto do FC Tokyo desde 2000, diz que a prioridade é proteger todos. “Não queremos causar problemas ao FC Tokyo ou voltar à situação em que não eram permitidos espetadores no estádio”, disse.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Marcelo satisfeito com reabertura “sensata”. Alívio das restrições arranca hoje

O levantamento gradual das restrições em função da vacinação contra a covid-19 arranca este domingo com regras aplicáveis em todo o território continental, inclusive o limite de horário de encerramento até às 2h00 para restauração …

Restos mortais de morcego-vampiro podem desvendar mistérios sobre a espécie extinta

A descoberta da mandíbula de um morcego que viveu há 100 mil anos pode ajudar a responder a algumas incógnitas sobre a espécie extinta. Os restos mortais foram encontrados numa caverna na Argentina. De acordo com …

Vacinação de crianças saudáveis está aberta à "livre escolha dos pais"

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, salientou este sábado que as autoridades de saúde não proibiram a vacinação contra a covid-19 para crianças saudáveis, considerando que “esse espaço continua aberto à livre escolha …

Tal como nos humanos, a cafeína ajuda as abelhas a aumentar o foco e a eficácia

Um novo estudo indica que, tal como em muitos humanos, uma injeção de cafeína ajuda as abelhas a manterem-se mais concentradas e a realizarem o trabalho com mais eficiência. Uma equipa da Universidade de Greenwich percebeu …

Astrónomos detetam, claramente e pela primeira vez, um disco a formar satélites em torno de exoplaneta

Com o auxílio do ALMA, do qual o ESO é um parceiro, os astrónomos detetaram pela primeira vez de forma clara a presença de um disco em torno de um planeta fora do nosso Sistema …

E se a Terra parasse subitamente de girar?

O nosso planeta demora 23 horas e 56 minutos a completar uma volta em torno do seu eixo, movendo-se a cerca de 1.770 quilómetros por hora. Aprendemos estes pormenores sobre o planeta azul na escola, …

Sporting 2 - 1 Braga | Leão entra em 2021/22 a rugir

O Sporting parece querer manter a senda de sucesso da época passada e entrou em 2021/22 com o pé direito. Os “leões” bateram o Sporting de Braga por 2-1, num jogo que valeu, sobretudo, pela primeira …

Ensinar crianças a dizer palavrões? Uma cientista acha que é boa ideia

A auto-intitulada "cientista dos palavrões" acredita que ensinar as crianças a usá-los de forma eficiente ajuda os mais novos a perceber como este palavreado afecta outras pessoas. Já se sabia que dizer palavrões é um sinal …

Fósseis misteriosos podem ser uma das provas mais antigas de vida animal na Terra

Elizabeth Turner, cientista numa universidade do Canadá, poderá ter encontrado a prova mais antiga de vida animal na Terra. Uma cientista encontrou possíveis sinais de vida animal multicelular em restos de recifes microbianos de há 890 …

E se o mundo entrasse em colapso? Cientistas descobrem qual o país onde há maior probabilidade de sobreviver

Caso a civilização entre em colapso - uma possível consequência das alterações climáticas - os cientistas já descobriram qual o lugar do mundo onde há maior probabilidade de sobreviver: é na Nova Zelândia. Numa pesquisa, dois …