/

“Revolta” com cena de novela da TVI que “ofende” Castro Laboreiro

3

Harpagornis / wikimedia

Castro Laboreiro

Castro Laboreiro, Melgaço.

Uma cena de um episódio da telenovela “Para Sempre” da TVI está a ser vista como uma “ofensa grave” à população de Castro Laboreiro, em Melgaço, no distrito de Viana do Castelo. A Assembleia Municipal exige uma retratação pública do canal.

A Assembleia Municipal de Melgaço aprovou, por unanimidade, uma moção de repúdio à TVI, proposta pelo PS, considerando que “o povo, a história e a cultura de Castro Laboreiro” foram alvo de “difamação” numa novela do canal.

Em causa está uma cena do episódio n.º 115 da telenovela “Para Sempre”, transmitido a 20 de Abril passado pela TVI. Algumas das gravações da novela foram feitas no Alto Minho.

A cena em causa tem a participação de várias personagens e decorre numa “mercearia fictícia localizada na vila de Soajo, onde os habitantes de Castro Laboreiro são acusados do furto de uma viatura“, aponta-se na moção de repúdio.

Além disso, “são apelidados de ladrões, bandalhos, manhosos, entre outros epítetos”, fazendo-se ainda “a insinuação de que a raça do cão de Castro Laboreiro resulta de uma apropriação ilegítima dos cães Sabujos da Serra do Soajo”, destaca ainda a moção.

Estes diálogos transmitidos na novela “constituem uma ofensa grave à tradição e cultura de Castro Laboreiro, afectando o bom nome e reputação das suas gentes”, nota-se na moção aprovada em Assembleia Municipal.

O “conteúdo da cena do episódio em causa distorce, de modo grave, a origem, classificação e reconhecimento público da raça canina do cão de Castro Laboreiro” e provoca “uma indignação generalizada da população” local que, “compreensivelmente se sentiu insultada e ultrajada“.

“Liberdade criativa” vs “ignorância”

Apesar de admitir que se trata de “uma obra de ficção e que, por isso, a margem de liberdade criativa é bastante ampla”, a mesma moção refere “desconhecer os motivos do autor do texto/guionista ou o conhecimento que o mesmo tem sobre a história e cultura castrejas”.

“O contexto, o tom e o conteúdo dos referidos diálogos, para além de relevarem um profundo desconhecimento e ignorância da cultura de Castro Laboreiro, atentam contra os mais básicos princípios de ética e de respeito por uma comunidade com uma história e tradição ímpares da nossa cultura e território”, realça o documento.

Castro Laboreiro “é uma região cuja ocupação humana é comprovável até ao longo passado de quatro ou cinco mil anos, tendo-se aqui desenvolvido sucessivamente duas grandes culturas que atingiram um grau elevado de civilização: a cultura dolmética e a cultura castreja, onde ainda hoje são visíveis inúmeros vestígios”.

A população de Castro Laboreiro “é justamente conhecida pela sua integridade, carácter, honradez e espírito de sacrifício e colaboração”.

Cães Sabujo e de Castro Laboreiro são “totalmente distintos”

Já sobre a origem e características dos cães de raça Castro Laboreiro e Sabujo, a moção nota que “são totalmente distintas, possuindo características genéticas, morfológicas e funcionais que não admitem qualquer controvérsia ou erro de identificação”.

O cão de Castro Laboreiro “é uma das raças caninas mais antigas da Península Ibérica, sendo uma das onze raças com estadão, reconhecidas em Portugal”, frisa também a moção.

“Trata-se de um cão de guarda tipo mastim, enquanto o Sabujo é um cão de caça, de faro por excelência, usado em matilha ou à trela para farejar rastos de odor ou sangue de caça grossa”, explica o documento.

“Só mesmo por desconhecimento, ignorância ou algum propósito difamatório, se pode pretender confundir a comunidade acerca da origem ou identidade destas espécies caninas, ainda que no contexto de uma obra de ficção”, sustenta por fim.

Além de enviada à TVI, a moção será endereçada à Autoridade Nacional de Comunicações (ANACOM), à Associação Portuguesa do Cão de Castro Laboreiro, à Câmara Municipal de Melgaço e à União das Freguesias de Castro Laboreiro e Lamas do Mouro.

  ZAP // Lusa

3 Comments

  1. é uma novela, por amor de deus…
    Há gente mesmo sem nada que fazer, ficar ofendido por isto… enfim!

  2. Que grande “filme”… de onde saíram estes cromos “indignados”??
    Será que não sabem o que é ficção?
    A população de Melgaço merecia melhor representação na Assembleia Municipal…

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.