Mistério da epidemia de cólera no Iémen resolvido

A fonte mais provável da epidemia de cólera no Iémen foi, finalmente,  descoberta: veio da África Oriental e entrou no país devido à migração.

Cientistas do Instituto Wellcome Sanger e do Institut Pasteur estimam que a cólera causadora do atual surto no Iémen – o pior surto de cólera da História – veio da África Oriental e entrou no país graças à migração.

Os resultados da investigação, publicados na Nature, mostram que dados e tecnologias genómicos, como o sequenciamento, podem estimar os futuros surtos de cólera em regiões como o Iémen, além de poderem ser usados para melhor direcionar as intervenções dos profissionais e minimizar as consequências.

A população do Iémen passou por dois surtos de cólera: o primeiro ocorreu entre setembro de 2016 e abril de 2017 e o segundo começou no final de abril de 2017.

Para entender a natureza da bactéria por trás dos surtos devastadores de cólera, os investigadores sequenciaram os genomas do Vibrio cholerae de amostras de cólera recolhidas no Iémen e em regiões próximas.

Os cientistas compararam essas sequências genómicas com uma coleção global de mais de 1000 amostras de cólera da pandemia atual e em curso, conhecida como a sétima pandemia de cólera, que começou na década de 1960 e é causada por uma única linhagem de V. cholerae, chamada 7PET.

Os investigadores descobriram que a cólera causadora da epidemia do Iémen está relacionada com uma estirpe observada pela primeira vez em 2012, no sul da Ásia, que se espalhou globalmente. No entanto, a estirpe iemenita não chegou diretamente do sul da Ásia ou do Oriente Médio.

Antes de aparecer no Iémen em 2016, a estirpe estava a circular e a causar surtos na África Oriental entre 2013 e 2014. “Descobrimos que a tensão da cólera por trás da epidemia devastadora e contínua no Iémen está provavelmente ligada à migração de pessoas da África Oriental”, disse Nick Thomson, do Wellcome Sanger Institute, citado pelo MedicalXpress.

Saber como é que a cólera se move globalmente dá a oportunidade aos especialistas de se prepararem para surtos futuros. Esta informação pode ajudar a estudar estratégias mais eficazes para intervenções direcionadas com o objetivo de reduzir o impacto de futuras epidemias.

Contrariamente às teorias anteriores de que os dois surtos de cólera no Iémen foram causados ​​por duas estirpes diferentes, este estudo revelou que foram causados ​​pela mesma estirpe da bactéria Vibrio cholerae que entrou no país em 2016.

Daryl Domman, cientista do Wellcome Sanger Institute, revelou ainda que “surpreendentemente, descobrimos que a cólera causadora dos surtos do Iémen é menos resistente aos antibióticos do que as estirpes relacionadas”.

“A estirpe que causa a epidemia iemenita de cólera eliminou quatro genes responsáveis ​​pela resistência a antibióticos clinicamente relevantes, tornando-se mais vulnerável ao tratamento”, explicou.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Cientistas estão a atirar rochas vulcânicas para telhados (para provar que são perigosas)

Uma equipa de cientistas da Universidade de Canterbury está a lançar rochas vulcânicas para telhados na Nova Zelândia na esperança de ajudar os habitantes de Auckland a entender os perigos vulcânicos. "Auckland localiza-se num campo vulcânico …

A cordilheira Kong nunca existiu, mas esteve nos mapas durante um século

A cordilheira Kong nunca existiu, mas esteve durante 100 anos em muito dos principais mapas do continente africano. Acabaria por ser um militar francês, que explorou o rio Níger, a acabar com este "fantasma da …

"Continua a pairar perigosamente". Relógio do Juízo final mantém-se a 100 segundos do Apocalipse

A Humanidade nunca esteve tão perto do Apocalipse, alertam os cientistas responsáveis pelo "Relógio do Juízo Final", que decidiram mantê-lo na mesma posição do ano passado, a 100 segundos da meia-noite. O relógio, que é uma …

A primeira bateria doméstica de hidrogénio armazena três vezes mais energia do que uma da Tesla

Para usar energia solar doméstica, é preciso gerar energia quando o Sol brilha e armazená-la quando não aparece. Para isto, as pessoas usam normalmente sistemas de bateria de lítio. Porém, a empresa australiana Lavo construiu …

Um oásis LGBTQ, Budapeste é posto à prova pelo populismo e pela pandemia

Budapeste é um oásis para a comunidade LGBTQ, mas a cena drag da capital húngara vê-se ameaçada pela pandemia de covid-19 e pelas políticas conservadoras e populistas de Viktor Orbán. Durante muitos anos, Budapeste desfrutou a …

Coreia do Sul "ressuscitou" voz de uma superestrela. Chovem preocupações éticas

Pela primeira vez em 25 anos, a distinta voz da superestrela sul-coreana Kim Kwang-seok será ouvida na televisão nacional. O famoso cantor folk morreu em 1996. De acordo com a CNN, a emissora nacional da Coreia …

Maioria dos países africanos só terá vacinação em massa a partir de 2023

A maioria dos países africanos só terá imunização em massa a partir de 2023, segundo previsão da The Economist Intelligence Unit, que admite que, com o evoluir da pandemia, muitos dos países mais frágeis possam …

Mulher que "morreu" com covid-19 aparece viva 10 dias após funeral

Uma mulher de 85 anos ficou infetada com covid-19 num lar na Galiza, em Espanha. A 13 de janeiro a família de Rogelia Blanco recebeu a informação do lar de que a mulher tinha falecido. …

Familiares de vítimas na China pressionadas a não falar com OMS

As autoridades chinesas estão a pressionar as famílias das primeiras vítimas da covid-19 para que não entrem em contacto com os investigadores da Organização Mundial da Saúde (OMS) em Wuhan, segundo familiares dos falecidos. Mais de …

Falsas vacinas à venda na Internet são grande risco para a saúde

Embora milhões de pessoas tenham sido já vacinadas contra a covid-19 nos países ricos, proliferam as fraudes na Internet com fármacos falsos que representam um grande risco para a saúde, alertaram peritos das Nações Unidas. As …