Correcta ou preocupante: campanha contra os mirones no metro de Londres

1

Cartazes dentro das carruagens tentam impedir os olhares indiscretos. Mas nem toda a gente concorda com esta iniciativa.

Já ninguém via o Sol em Londres. Naquela noite, Bex tinha ido ao teatro. Enquanto voltava para casa, passou por um episódio indesejado.

Estava sentada numa carruagem do metro e um homem, sentado à sua frente, começou a olhar na sua direcção, a admirar o seu corpo e a sua cara. Nunca deixou de olhar, durante a viagem que durou cerca de 10 minutos.

“Eu olhava para o telemóvel, tentava olhar para qualquer lado. Menos para ele”.

Levantou-se para sair só no último instante, na sua paragem habitual, mas mesmo depois de sair do metro o homem foi atrás dela. Bex esperou mais uns minutos na estação do metro e só depois foi para o autocarro.

Já na paragem de autocarro, o homem ficou a menos de um metro de distância. Sempre a olhar para Bex – que fugiu pelas escadas, a correr. Aí o homem ficou ao longe, mas a acenar.

Lucy Thorbun estava a viajar de metro em Londres, logo a começar a manhã, quando um homem começou a olhar ininterruptamente para ela.

Foram 25 minutos. O homem “não tirou os olhos” de Lucy durante toda a viagem: “Após 10 minutos comecei a sentir-me muito incomodada”.

No primeiro caso, Bex ainda pensou que estava a exagerar. Mas, por coincidência (ou não), no seu ângulo de visão, por cima do homem estava um cartaz contra o staring.

Ou seja, contra os mirones, contra as pessoas (sobretudo homens) que olham de forma indiscreta e intensiva para outras pessoas, especialmente durante viagens ou em paragens de transportes públicos.

“E ver isso fez-me sentir que tenho o direito de me sentir incomodada“, continuou Bex, em declarações recolhidas pela BBC.

Esta campanha, apoiada (entre outros) pelo presidente da Câmara Municipal de Londres e pela polícia local, avisa: “Os olhares intensivos de natureza sexual é assédio sexual e não é tolerado”.

Os cartazes, que foram colocados dentro de carruagens do metro da capital, apelam às vítimas que denunciem os casos – que envolvem não só olhares, mas também como assobios e exibição de partes íntimas. Os responsáveis têm feito uma lista dos casos, para elaborarem um mapa com as ocorrências.

O objectivo é “enfrentar a normalização desses comportamentos”, explicou a Transport for London, que gere os transportes públicos na cidade inglesa.

Já houve uma detenção, não em Londres, mas em Reading, onde um homem foi condenado a 22 semanas de prisão porque estava sempre a olhar para uma mulher num comboio, tendo até impedido a sua saída do transporte.

Em relação aos cartazes, tem havido uma reacção positiva, com pessoas a elogiar esta campanha porque evidencia um problema que – essencialmente – muitas mulheres atravessam, muitas vezes no silêncio.

Por outro lado, também já surgiram críticas: “A criminalização de olhar para outras pessoas num espaço público é preocupante”, lê-se no The Spectator.

“Olhar fixamente para alguém pode não parecer “muito mau” para alguns, mas pode ser o começo de algo mais. Já fui alvo desse tipo de olhares e logo depois me seguiram”, comentou Lucy Thorbun.

  Nuno Teixeira da Silva, ZAP //

1 Comment

  1. Aquelas londrinas deviam ser descaradas como as gajas descaradas de bairros sociaiis. Se alguém se mete com elas o mais certo é o gajo ficar envergonhado ou ter que sair do transporte. Deviam dar cursos de formação de descaramento ás mulheres, para depois elas despejarem má- educação sobre os gajos, que eles já nem tinham onde se meter.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.