Jane Fonda apela à luta contra crise climática e à desobediência civil nos EUA

A atriz Jane Fonda, que acaba de publicar um novo livro sobre ativismo e a crise climática, disse num evento virtual que não sacrificaria os seus princípios para proteger a sua longa carreira em Hollywood.

“Nunca colocaria a carreira à frente da luta pelo que acredito que é importante”, afirmou Fonda, num evento organizado pela Live Talks Los Angeles, moderado pela também atriz Eva Longoria, em que apelou à desobediência civil, noticiou a agência Lusa.

“Fui posta numa ‘lista cinzenta’ nos anos setenta, mas isso não me fez mudar o que eu estava a fazer por causa da guerra do Vietname”, disse a atriz, que visitou o país em 1972 e falou contra a intervenção militar norte-americana. Agora, “precisamos de números sem precedente de americanos a irem para as ruas e agirem em desobediência civil”, afirmou.

No evento, Jane Fonda explicou que se mudou para a capital dos Estados Unidos (EUA), Washington, em setembro de 2019, por ter vontade de chamar a atenção para a crise das alterações climáticas, tema do seu novo livro. “Eu sabia que a janela de oportunidade que tínhamos para fazer alguma coisa estava a fechar-se rapidamente”, indicou.

Segundo contou, foi o livro de Naomi Klein “On Fire: The (Burning) Case for a Green New Deal” (“O Mundo em Chamas – Um plano B para o Planeta”, na edição portuguesa) e as intervenções públicas da adolescente sueca Greta Thunberg que a inspiraram a agir, instituindo ações de desobediência civil no capitólio, onde acabou presa múltiplas vezes.

“O ato de pôr o nosso corpo alinhado com os nossos valores mais profundos dá-nos tanto poder”, afirmou a atriz. “É estranho, porque quando somos presos levamos algemas e perdemos o controlo”.

Estas experiências e a sua jornada como ativista pelo clima, que já dura há décadas, são contadas no novo livro “What Can I Do? My Path from Climate Despair to Action” (“O que posso fazer? O meu caminho do desespero climático à ação”), que saiu no dia 08 de setembro, publicado pela Penguin Press.

Nele, Jane Fonda explica os princípios do “Green New Deal”, um plano ambicioso proposto pelo Partido Democrata para combater as alterações climáticas e que é fortemente antagonizado pelos conservadores.

“A nova economia que nos será apresentada com o abandono dos combustíveis fósseis em direção a um futuro de energia sustentável oferece muito mais empregos, milhões”, disse.

“Há uma necessidade de transitar os trabalhadores dos combustíveis fósseis, e as pessoas que serão mais vulneráveis. Formá-los, pagar-lhes”, disse, frisando que não se pode pedir a esses trabalhadores que vão para os sectores ‘verdes’ a pagar-lhes metade do que ganham hoje.

A proposta inclui o incentivo ao regresso das quintas familiares na agricultura, “porque a forma como estamos a cultivar alimentos neste momento contribui para a crise climática”.

Por causa da pandemia de covid-19, os protestos presenciais, que chegaram a atrair centenas de pessoas em desobediência civil e dispostas a serem presas, foram temporariamente substituídos por ativismo virtual. Através do que chama “Fire Drill Fridays”, Fonda está a usar a sua plataforma ‘online’ para continuar o processo.

“Agora é muito mais fácil, com as redes sociais”, referiu a atriz, lembrando os anos em que produzia panfletos à mão para as suas ações de protesto. “Quando descobri um computador e comecei a usá-lo, isso mudou a minha vida”.

Fonda, que disse ter deixado de ser amiga do ator Jon Voight porque este se encostou a ideias da extrema-direita, considerou que é possível incentivar as pessoas à mudança e isso faz-lhe manter a esperança. “Precisamos de números sem precedente de americanos a irem para as ruas e agirem em desobediência civil”, afirmou.

“Estamos a enfrentar uma crise coletiva que exige uma solução coletiva”, frisou.

Fonda expressou a sua expectativa de que o candidato democrata Joe Biden vença as eleições e possa ser persuadido a tomar iniciativas de combate às alterações climáticas, incluindo a suspensão do “fracking”, um processo de extração de gás natural e petróleo de xisto, com efeitos negativos no solo.

“Quando o senhor Biden for eleito, temos de arregaçar as mangas e trabalhar”, frisou, dirigindo-se a Longoria. “É bom reduzir a pegada de carbono individual, mas precisamos mesmo de trabalhar de forma organizada para fazer o que é preciso acontecer”.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Afinal, autoagendamento só avança para maiores de 37 anos (e não 35)

O autoagendamento da vacina contra a covid-19 vai ficar disponível apenas para pessoas com mais de 37 anos esta segunda-feira, ao contrário do que informou, domingo, a task-force de vacinação. Ao contrário do que estava previsto, …

Retomado voo entre Portugal e a China após duas semanas de suspensão

Depois de ter sido suspensa por duas semanas, a ligação aérea entre Portugal e a China foi retomada este fim de semana. A ligação aérea entre Portugal e a China foi retomada este fim de semana, …

Líder do CDS diz que Portugal é uma "república das bananas" que já nem pune os criminosos

O líder do CDS, Francisco Rodrigues dos Santos, acusou o Governo de "descongestionar as cadeias à boleia de um pretexto sanitário". O regime especial de perdão das penas, aprovado em abril de 2020, continua em vigor, …

Há quatro mestrados portugueses entre os melhores do mundo segundo o Financial Times

Uma lista anual publicada pelo Financial Times ordena as 55 escolas de gestão em todo o mundo que mais se destacam nos 17 indicadores avaliados por esta publicação. O mestrado em Finanças da Nova School of …

Há cada vez mais denúncias de assédio. Motorista de autocarros de Coimbra foi suspenso após importunar jovem

Um motorista de autocarros de Coimbra foi suspenso depois de ter sido filmado enquanto assediava uma jovem num veículo dos SMTUC, a empresa de transportes públicos da cidade. O caso está a dar destaque a …

"A pandemia precipitou uma epidemia." Fungo negro disparou pela Índia desde a segunda vaga

A mucormicose, uma doença fúngica rara e frequentemente mortal, explodiu em toda a Índia durante a pandemia de covid-19. “A pandemia precipitou uma epidemia”, disse Bela Prajapati, otorrinolaringologista no Hospital Civil, na Índia, ao The New …

Governo aponta "soluções" para rever tabela remuneratória da Função Pública (e quer limitar "mandatos" das chefias intermédias)

O Governo está a avaliar “várias soluções” para rever a tabela remuneratória da Função Pública que passam por “alongá-la” ou alterar os momentos de entrada em cada carreira. A informação foi avançada pela ministra Alexandra Leitão, …

Já abriram os primeiros concursos para gastar a bazuca. Costa destaca "orgulho" na boa gestão de fundos europeus

Arranca, nesta segunda-feira, o Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), com a abertura dos dois primeiros concursos para obtenção de financiamento da chamada "bazuca" europeia. O primeiro-ministro António Costa destaca a "boa gestão" dos fundos …

Parlamento sueco aprova moção de censura e derruba Governo

O primeiro-ministro sueco foi derrubado, esta segunda-feira, por um voto de desconfiança no Parlamento, situação inédita na história política da Suécia, e tem uma semana para se demitir ou convocar novas eleições. Resultado da reviravolta na …

MAI não revela velocidade a que seguia carro de Cabrita (e culpa a vítima pelo acidente)

Três dias após o acidente mortal na A6, o Ministério empurra as culpas para o trabalhador e continua a ocultar dados relativo à viagem. O Ministério da Administração Interna (MAI) recusa revelar a que velocidade seguia …